Pular para o conteúdo principal

A FÉ X AS VÃS FILOSOFIAS

“Mais fácil é provar o erro que achar a verdade; o erro está na superfície, a verdade está no fundo”. (Goethe)


Introdução

Não há nenhuma incompatibilidade entre ciência e religião, o que existe são somente áreas de estudos diferentes. Porém os que se entregam ao estudo das ciências, muitas vezes se enchem de empáfia e tratam a Teologia de forma leviana, rotulam os crentes de ignorantes, ultrapassados e levantam a bandeira da incredulidade na qual está escrito: “Nós não cremos, nós temos convicções.

Recentemente um cientista inglês escreveu um livro intitulado Deus um delírio, no qual ele questiona a fé de pessoas simples, e, com o seu cabedal de conhecimento científico na área da matemática, ele despreza a fé dessas pessoas simples. Lógico, ele irá vencer essa batalha.

Não vemos os supostos sábios e inteligentes, homens e mulheres, questionarem os grandes tratados de Teologia, como os de Lutero e Calvino, por exemplo, porque eles se confessam ignorantes em matéria religiosa. A base de suas intransigências não estão tampouco nos próprios princípios verificados e estabelecidos pela ciência, porque nós também os estudamos e não encontramos nenhum antagonismo com as verdades da fé.

O teólogo Dr. Hodge, diz numa de suas obras: “I am as sure as I am of my existence that there is nothing in the discoveries of science which can give Christians any ground for fear.” (Tão certo eu estou de que não há nada nas descobertas da ciência que dê motivos de receio aos cristãos, como estou certo de minha própria existência).[1]

Qual o critério e o fundamento da ciência, emitidos contra as verdades teológicas?

É que eles muita vez confundem a intolerância e os dogmas do romanismo, com os preceitos simples e santas do Evangelho. É que em seus estudos superficiais e cheios de preconceitos e argumentos infantis, chamam de ciência o que não passa de vãs filosofias. Aceitam como ciências algumas especulações filosóficas e condenam os princípios da fé religiosa.
Muito pouca gente hoje em dia, em nosso meio social, faz a devida distinção entre o que seja verdadeiro cristianismo, como revelado nas Sagradas Escrituras, e as doutrinas que vem de homens inescrupulosos. É também necessário não confundir os postulados e as especulações arrogantes dos filósofos, com os fatos verificados e demonstrados pela ciência.

O que parece dividir a ciência e a fé, é apenas um debate entre a religião e a filosofia, principalmente dos naturalistas. São dois sistemas que remontam a um fato fundamental de fé, que trata de admitir quer seja uma fé filosófica ou uma fé bíblica.

Por esta razão, quando alguém nos fala sobre as “gerações espontâneas”, sobre a “seleção natural”, sobre “as origens das espécies, etc., admiramos nessas teorias (e não são mais nada além de teorias), o gênio inventivo de seus autores, que as criam para ganhar notoriedade e dinheiro dando palestras em universidades ao redor do mundo, mas vemos desde cedo que não se trata de ciência, mas de especulações filosóficas, que muitas vezes é preciso mais fé para se crer nelas, do que para se crer nas Escrituras Sagradas.

Nós estudamos esses sistemas sem perder a nossa fé, sem medo de encontrar nessas obras puramente humanas, a condenação de nossos princípios de fé que estão nas Sagradas Escrituras.

Somos teólogos e somos crentes, mas isso não nos impede de estudarmos essas teorias humanas, inventadas pela especulação filosófica. Não temos receio de admirarmos as descobertas que constituem o patrimônio sagrado da inteligência humana.

Examinamos, duvidamos e nos empolgamos nas investigações, porém, não largamos a bússola da nossa mão, não abandonas a fé. E seguindo na realidade incontestável dos nossos princípios, levantemos sempre a bandeira do cristianismo, onde estão escritas as palavras do Evangelho:

Eu cri; por isso, é que falei. Também nós cremos; por isso, também falamos...” (II Co. 4.13).



[1] HODGE, Charles. Teologia Sistemática. São Paulo. Hagnos. 2001. Cap. III. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DICIONÁRIO "MARANHENSE" !!!

Por



Rev. João d'EçaJoão do Vale, nosso poeta popular, em uma de suas canções diz: "minha terra tem belezas que em versos não sei dizer; mesmo porque não tem graça, só se vendo pode crer..."As coisas do Maranhão são espetaculares, sua natureza é exuberante, suas cidades são magnificas e sua Capital é encantadora. Eu amo minha cidade de paixão.Há muita coisa que não gosto em São Luís, não tem nada a ver com a natureza ou com a sua história, mas tem a ver com algumas pessoas que tiram a paz de outras pessoas, sem respeitar os seus direitos, mas isso é outra história...Quero lhes apresentar algumas palavras do vocabulário popular maranhense (está bastante incompleto, mas já é alguma coisa, desafio os leitores a me escreverem e me ensinarem novas palavras desse nosso rico "dicionário popular maranhense").Recebi de um amigo, numa lista de E-mails, essa lista que lhes apresento abaixo, achei muito divertido e interessante, fiz algumas adaptações e publico aqui e agora…

QUALIDADES DE UM BOM DESPENSEIRO.

Por Rev. João d'Eça Sermão pregado na Igreja Presbiteriana Monte Moriah, São Luís, MA, dia 14/01/2007 As qualidades de um bom despenseiro. "Servi uns aos outros, cada um conforme o dom que recebeu, como bons despenseiros da multiforme graça de Deus". (I Pedro 4: 10). Introdução: O termo despenseiro tem o significado de alguém que cuida da despensa, ou seja, é o local da casa onde se guarda os alimentos e os outros mantimentos, nesse caso, despenseiro é o que toma de conta de toda a despensa, é uma espécie de Mordomo. No caso do texto básico da mensagem, despenseiro é aquele que administra os dons da multiforme graça de Deus, de maneira que pessa abençoar a si mesmo e ao seu próximo. * Muitas pessoas pensam que todas as coisas são sua propriedade. * A Bíblia nos ensina diferente, pois diz: "Do Senhor é a Terra e a sua plenitude, o mundo e os que nele habitam." ( Salmos 24:1). O profeta Ageu diz também: "O ouro e a prata são seus." * O…

"LANÇA O TEU SOBRE AS ÁGUAS" - Eclesiastes 11: 1

PorRev. João d'EçaO texto diz: "Lança o teu pãp sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás"O que será que as Escrituras Sagradas estão nos ensinando aqui?A palavra "pão" sempre foi figura daquilo que ganhamos no dia-a-dia. As pessoas nos indagam: - "Você está indo pra onde?"- Vou ganhar o pão de cada dia (trabalho).Os estudiosos do AT, nos dizem que aqui há duas figuras:1ª Figura: AS CHEIAS DO RIO NILO - Eles jogavam as sementes quando a enchente estava baixando, no final da baixa, as sementes do trigo e da cevada, floresciam.2ª Figura: O COMERCIANTE - O comerciante pegava o seu barco, carregava com os bens que havia produzido e sai para comercializar em outras terras. "Lança o teu pão sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás".No versículos 2, o escritor sagrado nos dá uma lição preciosa, ele nos diz que devemos diversificar a nossa aplicação, porque não sabemos o que ácontecerá amanhã.Como servos dos Deus vivo, o S…