Pular para o conteúdo principal

“PELO FRUTO SE CONHECE A ÁRVORE!”

As palavras de Jesus, “pelos seus frutos vos conhecereis” (Mt. 7.16), encerram em si um princípio pelo qual Ele nos ensina a julgar os homens e as instituições pelos seus frutos. São a pedra de toque.

Na vida ordinária dos povos, este é um princípio de aplicação geral. Aplica-se em todos os ramos da atividade humana.

Na vida social, pouco a pouco estão abandonando os costumes e práticas que “pelos seus frutos” ou resultados práticos mostram suas inconveniências, no comércio, depressa, bem depressa se abandona a empresa cujos resultados não são bons; em assuntos políticos, o bem senso do povo exige que se abandone o sistema de governo que em seus resultados tende para o mal estar dos governados; e bem assim em todas as esferas da vida.

Pelos resultados se julga a eficácia do medicamento, do acerto em favor da população e das reformas sociais se julga as medidas governistas, porque tudo isso corrobora com o que diz as Escrituras Sagradas: “Pelo fruto se conhece a árvore”.

Se esse princípio tem aplicação em matéria de assuntos comerciais, sociais e políticos, muito mais terá, quando se trata de assuntos relacionado ao que a Escritura se refere, o relacionamento com Deus.

Os fariseus foram severamente repreendidos por sua hipocrisia. Hoje em dia, as nossas igrejas estão cheias de gente hipócrita, que não se converteram mas mantem-se ligadas à igreja, falseando a sua fé. Os frutos dessas pessoas não se apresentam dignos de Cristo. Eles poderiam ser tão ou mais repreendidos do que foram os fariseus.

Esses não produzem frutos de arrependimento, seu viver cristão não é nada parecido com aquele estilo de vida que o Evangelho preconiza, são petulantes quando se identificam como seguidores de Cristo, porque uma boa árvore não pode dar maus frutos.

Jesus estabelece os critérios que devem ser aplicados a todos sem exceção. Se o que se diz cristão, ainda que seja um ministro da palavra, não produzir uma vida frutífera digna da vida eterna, é um mentiroso e um mau homem.

Assim como esses princípios se aplicam às pessoas individuais, do mesmo modo se aplicam às instituições em geral. Por exemplo, se uma igreja, que se diz evangélica, mas mantém no seu seio a corrupção, o desmando, a tirania de líderes inescrupulosos, a clara adoração a Mamon e com isso não pode dar um testemunho digno de uma igreja cristã, está mais do que provado que já há muito se afastou do reto caminho da verdade bíblica.

Conclusão:


Todo crente deve se comportar de tal modo que os inimigos da verdade se envergonhem de levantar uma falsa acusação contra ele. Esse tipo de testemunho não deve ter como objetivo principal agradar a homens, mas estar em paz com a sua consciência esclarecida pela Palavra de Deus.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

QUALIDADES DE UM BOM DESPENSEIRO.

Por Rev. João d'Eça Sermão pregado na Igreja Presbiteriana Monte Moriah, São Luís, MA, dia 14/01/2007 As qualidades de um bom despenseiro. "Servi uns aos outros, cada um conforme o dom que recebeu, como bons despenseiros da multiforme graça de Deus". (I Pedro 4: 10). Introdução: O termo despenseiro tem o significado de alguém que cuida da despensa, ou seja, é o local da casa onde se guarda os alimentos e os outros mantimentos, nesse caso, despenseiro é o que toma de conta de toda a despensa, é uma espécie de Mordomo. No caso do texto básico da mensagem, despenseiro é aquele que administra os dons da multiforme graça de Deus, de maneira que pessa abençoar a si mesmo e ao seu próximo. * Muitas pessoas pensam que todas as coisas são sua propriedade. * A Bíblia nos ensina diferente, pois diz: "Do Senhor é a Terra e a sua plenitude, o mundo e os que nele habitam." ( Salmos 24:1). O profeta Ageu diz também: "O ouro e a prata são seus." * O…

DICIONÁRIO "MARANHENSE" !!!

Por



Rev. João d'EçaJoão do Vale, nosso poeta popular, em uma de suas canções diz: "minha terra tem belezas que em versos não sei dizer; mesmo porque não tem graça, só se vendo pode crer..."As coisas do Maranhão são espetaculares, sua natureza é exuberante, suas cidades são magnificas e sua Capital é encantadora. Eu amo minha cidade de paixão.Há muita coisa que não gosto em São Luís, não tem nada a ver com a natureza ou com a sua história, mas tem a ver com algumas pessoas que tiram a paz de outras pessoas, sem respeitar os seus direitos, mas isso é outra história...Quero lhes apresentar algumas palavras do vocabulário popular maranhense (está bastante incompleto, mas já é alguma coisa, desafio os leitores a me escreverem e me ensinarem novas palavras desse nosso rico "dicionário popular maranhense").Recebi de um amigo, numa lista de E-mails, essa lista que lhes apresento abaixo, achei muito divertido e interessante, fiz algumas adaptações e publico aqui e agora…

"LANÇA O TEU SOBRE AS ÁGUAS" - Eclesiastes 11: 1

PorRev. João d'EçaO texto diz: "Lança o teu pãp sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás"O que será que as Escrituras Sagradas estão nos ensinando aqui?A palavra "pão" sempre foi figura daquilo que ganhamos no dia-a-dia. As pessoas nos indagam: - "Você está indo pra onde?"- Vou ganhar o pão de cada dia (trabalho).Os estudiosos do AT, nos dizem que aqui há duas figuras:1ª Figura: AS CHEIAS DO RIO NILO - Eles jogavam as sementes quando a enchente estava baixando, no final da baixa, as sementes do trigo e da cevada, floresciam.2ª Figura: O COMERCIANTE - O comerciante pegava o seu barco, carregava com os bens que havia produzido e sai para comercializar em outras terras. "Lança o teu pão sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás".No versículos 2, o escritor sagrado nos dá uma lição preciosa, ele nos diz que devemos diversificar a nossa aplicação, porque não sabemos o que ácontecerá amanhã.Como servos dos Deus vivo, o S…