Pular para o conteúdo principal

A VERDADEIRA VIDA CRISTÃ

Para muitas pessoas dentro e fora dos círculos evangélicos, a vida de um crente é uma vida mudada ou reformada, mas isso não representa o cerne da verdade. Os homens podem mudar ou reformar as suas vidas, mas isso não as torna cristãs.

Para muitos, moralidade é sinônimo de cristianismo, mas isso não é verdade, pois o homem pode até ser moralmente mudado, mas jamais entrará no reino de Deus, ainda permanecendo na carnalidade. “Portanto os que estão na carne não podem agradar a Deus”. (Rm. 8.8).

Os pensadores da sociologia das mudanças humanas, alegam uma forma completamente diferente da verdade. A única forma de se alcançar o que propõe a sociologia, é através da ressurreição de Jesus Cristo, imputada pela fé. Quando o Senhor Jesus morreu crucificado no Calvário, o crente também morreu com ele pela fé; quando Jesus Cristo, nosso Senhor ressuscitou dos mortos, o crente também ressuscitou com ele. Paulo afirma:
Assim também vós considerai-vos mortos para o pecado, mas vivos para Deus, em Cristo Jesus. Não reine, portanto, o pecado em vosso corpo mortal, de maneira que obedeçais às suas paixões”. (Rm. 6.11, 12).

A vida do crente, portanto, não é simplesmente uma vida mudada segundo as forças do homem, mas é uma vida inteiramente nova. “Se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus” (Jo. 3.3).  O apóstolo Paulo diz: “E, assim, se alguém está em Cristo, é nova criatura; as cousas antigas já passaram; eis que se fizeram novas”. (II Co. 5.17). Paulo ainda assevera: “Fomos, pois, sepultados com ele na morte pelo batismo; para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os  mortos pela glória do Pai, assim também andemos nós em novidade de vida”. (Rm. 6.4).

Nenhuma concepção humana pode enquadrar a vida cristã. Nenhum esforço puramente humano pode produzir esse tipo de vida. Tudo é alcançado somente pela graça de Deus. Os homens podem até conseguir alguma mudança nos seus costumes, cultura e comportamento, mas nunca alcançarão, por esses meios, a vida do crente em Jesus Cristo, porque essa vida é dom de Deus.

Qualquer coisa conseguida pelo homem, por melhor que seja, no campo da beleza, da moral ou dos bons costumes, é passageiro, não tem valor eterno. Tiago, irmão de Jesus Cristo, diz: “... que é a vossa vida? Sois, apenas, como neblina que aparece por instante e logo se dissipa” (Tg. 4.14). Jó, um dos antigos patriarcas, diz: “Lembra-te que a minha vida é um sopro...” (Jó. 7.7), e mais o salmista completa: “Porque os meus dias como fumaça se desvanecem.....” (Sl. 102.3).

Assim como a vida humana é um vapor que se dissipa, uma fumaça e um fumo, a vida do crente, por outro lado, é eterna, como bem diz a Escritura Sagrada: “As  minhas ovelhas ouvem a minha voz; eu as conheço, e elas me seguem. Eu lhes dou a vida eterna; jamais perecerão, e ninguém as arrebatará da minha mão”. (Jo. 10. 27,28).

A vida do crente é Jesus Cristo, essa certeza vem da Sagrada Escritura, que diz: “porque morrestes, e a nossa vida está oculta juntamente com Cristo, em Deus. Quando Cristo, que é a vossa vida, se manifestar, então, vós também sereis manifestados com ele, em glória”. (Colossensses 3.3,4). Jesus disse aos seus discípulos: “Eu sou o pão da vida....” (João 6.35), ele também disse a Marta: “.... Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá” (João 11.25).

Assim como nos alimentamos para dar energia a nosso corpo, assim, como Cristo é nossa vida, é necessário que a alma se alimente de Jesus antes de entrar na posse da vida eterna.

A vida do crente não é futura, mas é presente. O crente já possui a vida eterna: “Quem crê no Filho tem a vida eterna...” (João 3.36), porque Jesus que é a nossa vida, na pessoa do Espírito Santo, habita em nossos corações: “Não sabeis que os vossos corpos são membros de Cristo?” (I Co. 6.15).

Conclusão:

As cosmovisões, sociológica e bíblica são opostas entre si. Para o homem natural, sem Deus, a mudança é uma questão de política. Eles não enxergam a realidade dos princípios de Deus, não entendem que as coisas concernentes às filosofias do homem são incompatíveis com os valores do reino de Deus. Quero terminar com um texto esclarecedor das Escrituras:


“Ora, o homem natural não aceita as cousas do Espírito de Deus, porque lhe são loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente”. (I Co. 2.14).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

QUALIDADES DE UM BOM DESPENSEIRO.

Por Rev. João d'Eça Sermão pregado na Igreja Presbiteriana Monte Moriah, São Luís, MA, dia 14/01/2007 As qualidades de um bom despenseiro. "Servi uns aos outros, cada um conforme o dom que recebeu, como bons despenseiros da multiforme graça de Deus". (I Pedro 4: 10). Introdução: O termo despenseiro tem o significado de alguém que cuida da despensa, ou seja, é o local da casa onde se guarda os alimentos e os outros mantimentos, nesse caso, despenseiro é o que toma de conta de toda a despensa, é uma espécie de Mordomo. No caso do texto básico da mensagem, despenseiro é aquele que administra os dons da multiforme graça de Deus, de maneira que pessa abençoar a si mesmo e ao seu próximo. * Muitas pessoas pensam que todas as coisas são sua propriedade. * A Bíblia nos ensina diferente, pois diz: "Do Senhor é a Terra e a sua plenitude, o mundo e os que nele habitam." ( Salmos 24:1). O profeta Ageu diz também: "O ouro e a prata são seus." * O…

DICIONÁRIO "MARANHENSE" !!!

Por



Rev. João d'EçaJoão do Vale, nosso poeta popular, em uma de suas canções diz: "minha terra tem belezas que em versos não sei dizer; mesmo porque não tem graça, só se vendo pode crer..."As coisas do Maranhão são espetaculares, sua natureza é exuberante, suas cidades são magnificas e sua Capital é encantadora. Eu amo minha cidade de paixão.Há muita coisa que não gosto em São Luís, não tem nada a ver com a natureza ou com a sua história, mas tem a ver com algumas pessoas que tiram a paz de outras pessoas, sem respeitar os seus direitos, mas isso é outra história...Quero lhes apresentar algumas palavras do vocabulário popular maranhense (está bastante incompleto, mas já é alguma coisa, desafio os leitores a me escreverem e me ensinarem novas palavras desse nosso rico "dicionário popular maranhense").Recebi de um amigo, numa lista de E-mails, essa lista que lhes apresento abaixo, achei muito divertido e interessante, fiz algumas adaptações e publico aqui e agora…

"LANÇA O TEU SOBRE AS ÁGUAS" - Eclesiastes 11: 1

PorRev. João d'EçaO texto diz: "Lança o teu pãp sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás"O que será que as Escrituras Sagradas estão nos ensinando aqui?A palavra "pão" sempre foi figura daquilo que ganhamos no dia-a-dia. As pessoas nos indagam: - "Você está indo pra onde?"- Vou ganhar o pão de cada dia (trabalho).Os estudiosos do AT, nos dizem que aqui há duas figuras:1ª Figura: AS CHEIAS DO RIO NILO - Eles jogavam as sementes quando a enchente estava baixando, no final da baixa, as sementes do trigo e da cevada, floresciam.2ª Figura: O COMERCIANTE - O comerciante pegava o seu barco, carregava com os bens que havia produzido e sai para comercializar em outras terras. "Lança o teu pão sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás".No versículos 2, o escritor sagrado nos dá uma lição preciosa, ele nos diz que devemos diversificar a nossa aplicação, porque não sabemos o que ácontecerá amanhã.Como servos dos Deus vivo, o S…