Pular para o conteúdo principal

A LUZ BRILHOU EM MINHA VIDA

Monólogo da Conversão de Saulo – Atos 9. Por Rev. João d’Eça. Sai para executar uma missão que para mim era de suma importância: prender e trazer para Jerusalém, cristãos que estavam divulgando a mensagem que eu considerava heresia, a mensagem do rabino de Nazaré, que foi crucificado pelos líderes judeus sob a acusação mentirosa – hoje sei – de se levantar contra o império e ter cometido blasfêmia. Desde criança, mais ou menos aos treze anos, fui enviado por meu pai para estudar na cidade de Jerusalém, aos pés do grande mestre Gamaliel. Aliás eu fui instruído nos rigores da religião judaica, e sempre me orgulhei da minha raça, apesar de ser romano de nascimento. Sabia, no íntimo, que mais cedo ou mais tarde, o jugo romano passaria, assim como passaram os impérios que de um modo ou de outro escravizaram o meu povo. Sempre me interessei pelas genealogias, a minha em particular, descendia do primeiro rei de Israel, Saul, e isso me enchia de orgulho. Meu pai era um judeu da Dispersão e também era cidadão romano. Há cerca de uns duzentos anos atrás “era possível para alguns poucos judeus tornarem-se cidadãos romanos se, se arrolassem numa tribo determinada para eles, onde poderiam controlar os ritos religiosos e identifica-los com o serviço da sinagoga”[1] Desde bem cedo na minha vida, assim como os meus antepassados, minha mãe ensinou-me os primeiros passos na nossa tradição religiosa ( II Tm. 1:3 ). Ela era uma mulher maravilhosa, era também disciplinadora, correta e digna. O que eu aprendi das Escrituras Sagradas do meu povo, aprendi primeiramente em casa com a minha mãe ( II Tm. 1: 5 ). Ela ensinou-me a amar e respeitar a religião do meu povo, principalmente a tradição oral, que para o judeu é algo de valor inestimável. Eu, durante o tempo de minha ignorância, persegui e prendi muitos judeus cristãos. Eu tinha autorização dos principais sacerdotes e por isso, quando os matavam eu apoiava. Quando lembro que obriguei muitos a blasfemarem de Cristo e que castiguei a muitos outros, choro de vergonha. Quantos eu persegui até em cidades estranhas (Atos 26: 10,11). Não muito tempo atrás quando estava com mais ou menos trinta anos de idade, fui derrotado na Sinagoga pelo discurso de um jovem chamado Estevão, e isto muito me enfureceu. Quem era aquele homem para se desfazer assim da minha religião? Eu não admitia que ninguém questionasse a minha religião. Este jovem quando abria a boca, os seus discursos eram todos anti-farisaicos. Era demais para eu agüentar. Ele menosprezava o valor do templo, dizia que a Revelação de Deus não foi exclusiva para o nosso povo de Israel na pessoa de nosso Pai Abraão. Ele afirmou: “Varões, irmãos, e pais ouvi. O Deus da glória apareceu a nosso pai Abraão estando na Mesopotâmia, antes de habitar em Harã” (At. 7:2 ). Quão louco eu fui. Quão cego eu andei por muito tempo em minha vida, até agora. Fui como um homem insaqno achando que estava certo. O Pior não é estarmos errados, mas sim, estarmos errados e acharmos que estamos certos. Durante muito tempo cometi essas barbaridades porque julguei-me certo no estava fazendo. Eu assolava a igreja e invadia as casas. Minha atividade perseguidora em Jerusalém só parou quando não havia mais ninguém para ser perseguido ali naquela cidade. Preparei um programa completo e definido de extermínio dos cristãos, estava quase conseguindo o meu intento, não fosse Deus intervir de forma espetacular em minha vida. Lá estava eu a caminho de Damasco, grande e histórica cidade, levava autorização dos principais sacerdotes para prender e trazer os cristãos que por lá encontrasse. Era meio dia, o sol estava brilhando intensamente, mas a luz que eu vi, em muito excedia o brilho do sol. Ouvi então uma voz que saia do meio da luz e dizia: - Saulo, Saulo, por que me persegues? Eu respondi então. - Quem és, Senhor? E a voz disse: - Eu sou Jesus, a quem tu persegues. Duro é para ti recalcitrar contra os aguilhões. Eu então indaguei: - O Senhor disse então: Senhor o que devo fazer? - Levanta-te, e entra na cidade, e lá te será dito o que deves fazer. Os homens que iam comigo, não sei se ouviram a voz e não viram a luz, ou, se viram a luz e não ouviram a voz; só sei que todos caímos ao chão e eu em particular, fiquei cego e tive de ser conduzido até a cidade como uma pessoa inválida. Não conseguia entender. Como um homem cego estava sendo chamado para dar luz aos cegos? Eu fui preparado para ser rabino, meu professor Gamaliel, era diferente, ele deixava seus alunos estudarem as grandes obras dos gregos e eu fui também educado segundo a visão helênica dos filósofos. Agora sei como Moisés deve ter se sentido. Ele que foi educado na coorte egípcia, a maior civilização do seu tempo, aprendeu de tudo o que os egípcios sabiam de melhor: Astronomia, Matemática, Medicina, Engenharia, Arquitetura e várias outras ciências. Depois de aprender tudi isso por quarenta anos, Deus o envia para o deserto de Mídia para cuidar de ovelhas, para aprender humildade, para ouvir a voz de Deus. Eu fui escravo da letra que mata (II Cor. 3:6 ), e por esta razão, entendia que devia praticar males contra os servos de Jesus, mesmo entendendo que não eram males, mas zelo (At. 26 : 9 ). Penso que se eu tivesse me encontrado com Jesus antes, em Jerusalém, talvez tivesse me juntado aos principais sacerdotes para mata-lo, porque ele representava tudo o que eu repugnava. Ele se opunha a teologia do meu mestre Gamaliel, e, isto eu não admitia. Hoje eu posso concluir o seguinte: Se Cristo pôde salvar um homem como eu, ninguém mais deve se desesperar, Ele pode salvar a todos que ouvirem a sua voz e se renderem a Ele. É certo que muitos não passarão por experiências iguais as minhas, mas sei que como ele me chamou de forma espetacular, outros virão também da mesma forma. A maioria porém não precisará passar pelo que eu passei, bastando tão somente que se arrependam dos seus erros e pecados e ouçam o chamado de Deus. Refletindo no modo como eu vivia, reconheço que eu sou o menos digno de todos os homens, porque eu persegui a igreja de Deus, porém eu me consolo, por ter feito isso tudo no tempo da ignorância e na incredulidade. O mundo está diante de mim, terei de enfrenta-lo. Estou no momento carregando uma marca, um rótulo de perseguidor dos cristãos, de inimigo dos servos de Cristo, de inimigo de Deus. Pessoas irão pensar que se trata de uma estratégia minha e se afastarão de mim. Estou preparado para todo tipo de reação das pessoas, sei que muito vou sofrer, do mesmo modo como fiz muitos sofrerem. Não considero essa atitude como auto-punição, mas como uma situação pela qual terei de passar, e, só posso dizer que estou pronto. Por muito tempo considerei o cristianismo como falso, afinal eu nunca tive tempo de estuda-lo. Uma coisa era certa para mim, se o cristianismo se opunha ao farisaísmo, só podia ser falso. Hoje sei que a religião do Cristo é a verdade, que Jesus é a verdade, que este é o caminho; eu o encontrei; já estou trilhando por ele e tenho uma profunda esperança de que Deus irá me usar para levar salvação a muitos. Que gloriosa esperança! Um homem bom chamado Ananias, me acolheu em sua casa e cuidou de mim, informou-me acerca dos acontecimentos, confiou em mim por amor a Cristo, e, por fim fui curado. Eu voltei a ver e agora a minha visão é diferente. Já não vejo o mundo como antes, a luz tem um novo brilho, o canto dos pássaros tem um novo som, há paz no meu íntimo, tudo se fez novo para mim (II Cor. 5: 17). Como é bom ser acolhido na casa de um homem bom. Devo a minha vida a Ananias. Através da sua instrumentalidade fui cheio do Espírito Santo, recebi um novo vigor, fui batizado e passei a fazer parte como membro do corpo do Senhor. Já preguei em algumas Sinagogas e testemunhei, que, quem me salvou foi Jesus Cristo. Muitos admiraram-se, mas Deus fortalece-me a cada dia e tenho tido vitória. Não vou permanecer aqui, estou preparando-me para o serviço do Mestre. Já abdiquei de todo o meu passado, toda educação, toda instrução, os amigos, as influências, nada disso me valeu. Somente Jesus Cristo foi quem mudou a minha vuda. Se você se parece comigo, reflita agora e receba Cristo em sua vida como Salvador e Senhor e assim como eu, Ele mudará você. Amém. Trabalho realizado por R.João M. d’Eça em cumprimento parcial da Disciplina “Variedade no Ministério da Pregação”, do prof. Jilton Moraes, do curso de Mestrado em Teologia do Seminário Teológico Batista Equatorial em Belém – PA. [1] ªT. Robertson, citando Ramsay em épocas na vida de Paulo, pg. 21.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

QUALIDADES DE UM BOM DESPENSEIRO.

Por Rev. João d'Eça Sermão pregado na Igreja Presbiteriana Monte Moriah, São Luís, MA, dia 14/01/2007 As qualidades de um bom despenseiro. "Servi uns aos outros, cada um conforme o dom que recebeu, como bons despenseiros da multiforme graça de Deus". (I Pedro 4: 10). Introdução: O termo despenseiro tem o significado de alguém que cuida da despensa, ou seja, é o local da casa onde se guarda os alimentos e os outros mantimentos, nesse caso, despenseiro é o que toma de conta de toda a despensa, é uma espécie de Mordomo. No caso do texto básico da mensagem, despenseiro é aquele que administra os dons da multiforme graça de Deus, de maneira que pessa abençoar a si mesmo e ao seu próximo. * Muitas pessoas pensam que todas as coisas são sua propriedade. * A Bíblia nos ensina diferente, pois diz: "Do Senhor é a Terra e a sua plenitude, o mundo e os que nele habitam." ( Salmos 24:1). O profeta Ageu diz também: "O ouro e a prata são seus." * O…

DICIONÁRIO "MARANHENSE" !!!

Por



Rev. João d'EçaJoão do Vale, nosso poeta popular, em uma de suas canções diz: "minha terra tem belezas que em versos não sei dizer; mesmo porque não tem graça, só se vendo pode crer..."As coisas do Maranhão são espetaculares, sua natureza é exuberante, suas cidades são magnificas e sua Capital é encantadora. Eu amo minha cidade de paixão.Há muita coisa que não gosto em São Luís, não tem nada a ver com a natureza ou com a sua história, mas tem a ver com algumas pessoas que tiram a paz de outras pessoas, sem respeitar os seus direitos, mas isso é outra história...Quero lhes apresentar algumas palavras do vocabulário popular maranhense (está bastante incompleto, mas já é alguma coisa, desafio os leitores a me escreverem e me ensinarem novas palavras desse nosso rico "dicionário popular maranhense").Recebi de um amigo, numa lista de E-mails, essa lista que lhes apresento abaixo, achei muito divertido e interessante, fiz algumas adaptações e publico aqui e agora…

"LANÇA O TEU SOBRE AS ÁGUAS" - Eclesiastes 11: 1

PorRev. João d'EçaO texto diz: "Lança o teu pãp sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás"O que será que as Escrituras Sagradas estão nos ensinando aqui?A palavra "pão" sempre foi figura daquilo que ganhamos no dia-a-dia. As pessoas nos indagam: - "Você está indo pra onde?"- Vou ganhar o pão de cada dia (trabalho).Os estudiosos do AT, nos dizem que aqui há duas figuras:1ª Figura: AS CHEIAS DO RIO NILO - Eles jogavam as sementes quando a enchente estava baixando, no final da baixa, as sementes do trigo e da cevada, floresciam.2ª Figura: O COMERCIANTE - O comerciante pegava o seu barco, carregava com os bens que havia produzido e sai para comercializar em outras terras. "Lança o teu pão sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás".No versículos 2, o escritor sagrado nos dá uma lição preciosa, ele nos diz que devemos diversificar a nossa aplicação, porque não sabemos o que ácontecerá amanhã.Como servos dos Deus vivo, o S…