Pular para o conteúdo principal

Salvação: Presente, Passado e Futuro

No mês de Agosto passado no CPAJ, cursei a disciplina “Puritanismo e Escolásticismo protestante”, onde vimos os teólogos da pós-Reforma, puritanos de um brilhantismo sem par. Estudei vários deles e me interessei por um em especial, Herman Witsius, pela sua ousadia e brilhantismo acadêmico nas obras que escreveu.


O que mais chamou-me a atenção foi a teologia dos pactos, especialmente o “Pactum Salutis”, ou Pacto da Redenção, onde na sua obra mais importante, “The Economy of Covenants...” ele trata do assunto em um capítulo inteiro, explicando inclusive exegeticamente a sua argumentação.

Esse artigo trata da salvação, tendo por base a “Doutrina dos Convênios”, no tópico “Pactum Salutis” ou Pacto da Redenção. Boa leitura.

"O tempo passado e o tempo presente estão os dois juntos no tempo futuro", escreveu T. S. Elliot.

Suas palavras simples e eloqüentes descrevem o fluxo normal da história. Mas a carta aos Hebreus apresenta uma perspectiva muito diferente sobre os propósitos de Deus e dos padrões no fluxo da história.

Lá, seria verdade dizer que o futuro determina o passado e o presente, ao invés do contrário. Para entender Hebreus - e, portanto, compreender como a Bíblia como um todo funciona - precisamos entender esse enigma: O invisível é mais importante do que o visível. O futuro vem antes do passado. O novo é mais fundamental do que o antigo.

O que significa tudo isso?

Simplificando, significa que a história do Senhor Jesus, Sua pessoa e obra, não é um plano “B” de Deus, para suprir o que deu errado no Éden. Não - a vinda de Cristo estava no plano de Deus antes da queda.

Evidentemente que de um certo ponto de vista, o Antigo Testamento serve como modelo do que Cristo viria a realizar, mas Hebreus nos ensina a nunca perder de vista o fato de que o sacerdócio, os sacrifícios, a liturgia e a vida da igreja no Antigo Testamento “são sombras do que viria”. Cristo é o original, Ele é o protótipo. Este princípio é exemplificado em sua expressão mais clara em Hebreus 9:23, que se refere ao tabernáculo do Antigo Testamento, o sacerdócio e os sacrifícios como "figuras das coisas celestiais." Contudo, mais pitorescamente, Hebreus 10:1 descreve a lei como "sombra dos bens vindouros”. Cópias dependem de um original, uma sombra não existe além da pessoa cuja sombra é projetada.

O Sacerdócio de Cristo é o verdadeiro sacerdócio que é prefigurado no sacerdócio Aarônico. O significado mais profundo do sacrifício de Cristo é expresso de forma fragmentada no sistema de sacrifícios mosaico. Mas é claro que essas sombras são apenas isso - as sombras, sugestões, esboços - e nada mais.

A repetição diária do ministério sacerdotal do sacrifício no altar, a incompetência do sangue de um animal para tirar a culpa de um ser humano - são indícios de que este acordo, embora divinamente ordenado, não é o final. Algo que está além dele, para o qual ele aponta aqui, é maior, mais duradouro, mais gratificante, mais real, porém, ainda por vir (Hebreus 11:39-40).

CS Lewis, em uma de suas obras mais famosa, “As crônicas de Nárnia”, descreve a terra de Nárnia que foi colocada sob o feitiço da “Feiticeira Branca”. Sua magia é profunda, criando um mundo onde é "sempre inverno, mas nunca é Natal."

Mas, através do sacrifício do “Rei Leão, Aslan”, uma magia "mais profunda desde antes da aurora dos tempos" é lançada, através da qual a terra se liberta e é salva da maldição. O tempo futuro já estava preparado no tempo passado. Portanto, no Evangelho Deus tem um plano, esse plano é chamado o Pacto da Redenção, (Pactum salutis).

Teólogos famosos como Thomas Boston e Jonathan Edwards discordaram de outros teólogos que defenderam o “Pacto da Redenção”, quanto a saber se o plano deve ser descrito como um pacto a todos.

O Deus triúno tinha um plano, que envolveu o compromisso mútuo entre o Pai e o Filho e o Espírito para salvar um povo. Esse é o posicionamento de teólogos da pós-reforma como Herman Witsius, cuja obra escrita sobre a teologia dos pactos é fenomenal.

Antes de todos os tempos, antes de todos os mundos, quando não havia nada "vazio completo" o próprio Deus-Pai, o Filho e Espírito Santo habitavam a eternidade, planejaram de modo eterno, absoluto e inimaginável, na sua trindade santa – fizeram um Pacto Eterno de criar um mundo que iria cair, mas que iria ser alvo de sua graça e salvação eterna.

Esta graça profunda de Deus, de antes do amanhecer do tempo - retratada nos rituais dos líderes e das experiências dos santos do Antigo Testamento (cf. Heb. 11:39-12:3) - agora é a nossa salvação. Estas são as dimensões do que o autor de Hebreus chama de "tão grande salvação" (Hb 2:3). Nossa salvação depende da aliança de Deus, enraizada na eternidade, no plano da Trindade, prefigurada na aliança mosaica, cumprida em Cristo, e que permanece para sempre.

Comentários

Sempre sou sincero contigo, pois acho que assim deve agir um amigo,e considero você como amigo. Então, deixa eu te dizer: Poucas vezes, vi você escrever tão bem, defender tão bem uma doutrina tão bela.Os argumentos e as citações muito bem colocadas. Me incentivou a ler sobre o assunto. Parabéns, sei que o blog deve ser usado como se fosse um jornal, etc... Mas, acho que as vezes você passa muito tempo falando de política. Acho que você poderia nos presentear mais com as discussões levantadas como está,distribuindo aos seus leitores o aprendizado recebido no CPAJ.Parabéns pelo artigo.

Rev.Dilvan
Prezado rev. Dilvan.

Agradeço as suas elogiosas palavras, elas muito me estimulam a continuar.

Devo lhe dizer que o fato de eu estar escrevendo sobre política esses tempos deve-se ao momento atual, mas daqui a três dias isso acaba. Estou orando pra Deus orientar o povo brasileiro conforme a sua vontade.

Após a passagem dessa fase, eu voltarei a escrever coisas bem mais edificantes e, seguindo a sua orientação, sobre a Teologia dos Pactos.

Obrigado pelo elogio.

Que Deus te abençõe.

Postagens mais visitadas deste blog

QUALIDADES DE UM BOM DESPENSEIRO.

Por Rev. João d'Eça Sermão pregado na Igreja Presbiteriana Monte Moriah, São Luís, MA, dia 14/01/2007 As qualidades de um bom despenseiro. "Servi uns aos outros, cada um conforme o dom que recebeu, como bons despenseiros da multiforme graça de Deus". (I Pedro 4: 10). Introdução: O termo despenseiro tem o significado de alguém que cuida da despensa, ou seja, é o local da casa onde se guarda os alimentos e os outros mantimentos, nesse caso, despenseiro é o que toma de conta de toda a despensa, é uma espécie de Mordomo. No caso do texto básico da mensagem, despenseiro é aquele que administra os dons da multiforme graça de Deus, de maneira que pessa abençoar a si mesmo e ao seu próximo. * Muitas pessoas pensam que todas as coisas são sua propriedade. * A Bíblia nos ensina diferente, pois diz: "Do Senhor é a Terra e a sua plenitude, o mundo e os que nele habitam." ( Salmos 24:1). O profeta Ageu diz também: "O ouro e a prata são seus." * O…

DICIONÁRIO "MARANHENSE" !!!

Por



Rev. João d'EçaJoão do Vale, nosso poeta popular, em uma de suas canções diz: "minha terra tem belezas que em versos não sei dizer; mesmo porque não tem graça, só se vendo pode crer..."As coisas do Maranhão são espetaculares, sua natureza é exuberante, suas cidades são magnificas e sua Capital é encantadora. Eu amo minha cidade de paixão.Há muita coisa que não gosto em São Luís, não tem nada a ver com a natureza ou com a sua história, mas tem a ver com algumas pessoas que tiram a paz de outras pessoas, sem respeitar os seus direitos, mas isso é outra história...Quero lhes apresentar algumas palavras do vocabulário popular maranhense (está bastante incompleto, mas já é alguma coisa, desafio os leitores a me escreverem e me ensinarem novas palavras desse nosso rico "dicionário popular maranhense").Recebi de um amigo, numa lista de E-mails, essa lista que lhes apresento abaixo, achei muito divertido e interessante, fiz algumas adaptações e publico aqui e agora…

"LANÇA O TEU SOBRE AS ÁGUAS" - Eclesiastes 11: 1

PorRev. João d'EçaO texto diz: "Lança o teu pãp sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás"O que será que as Escrituras Sagradas estão nos ensinando aqui?A palavra "pão" sempre foi figura daquilo que ganhamos no dia-a-dia. As pessoas nos indagam: - "Você está indo pra onde?"- Vou ganhar o pão de cada dia (trabalho).Os estudiosos do AT, nos dizem que aqui há duas figuras:1ª Figura: AS CHEIAS DO RIO NILO - Eles jogavam as sementes quando a enchente estava baixando, no final da baixa, as sementes do trigo e da cevada, floresciam.2ª Figura: O COMERCIANTE - O comerciante pegava o seu barco, carregava com os bens que havia produzido e sai para comercializar em outras terras. "Lança o teu pão sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás".No versículos 2, o escritor sagrado nos dá uma lição preciosa, ele nos diz que devemos diversificar a nossa aplicação, porque não sabemos o que ácontecerá amanhã.Como servos dos Deus vivo, o S…