Pular para o conteúdo principal

ACERCA DA JUSTIFICAÇÃO - PARTE I

ACERCA DA JUSTIFICAÇÃO - PARTE I
Por Rev. João d'Eça¹


Introdução:
A mensagem central da Bíblia é a boa notícia (Evangelho), que Deus realizou a salvação dos seus eleitos através da pessoa e obra de Seu Filho Jesus Cristo. O evangelho é a realização do objetivo histórico de Jesus Cristo em cumprir a lei e satisfazer a ira divina, para que eu possa ter comunhão com Deus. A doutrina da justificação, portanto, fica no centro da mensagem bíblica da salvação.

Calvino escreveu que a justificação não é um ponto de somenos importância doutrinária, não é um tema que deva ser debatido apenas pelos teólogos. "Onde o conhecimento é levado embora, a glória de Cristo é extinta, a religião é abolida, a Igreja é destruída, e a esperança de salvação totalmente derrubada". (Resposta para Sadoleto).

Se os nossos corações anseiam, como o coração de Calvino ansiava por ver Cristo glorificado, a verdadeira religião estabelecida, e a igreja edificada, é imperativo que refletimos profundamente sobre essa doutrina.

A REVELAÇÃO DA JUSTIÇA DE DEUS
As Escrituras deixam claro que toda a humanidade já nasceu morta em seus delitos e pecados, sendo filhos da ira por natureza (Ef 2:1-3). Através da transgressão de Adão, o pecado entrou no mundo e pelo pecado, a morte, que é o salário do pecado (Rm 5:12, 6:23).

Adão estava diante de Deus como nosso representante federal. Quando ele pecou, sua culpabilidade foi imputada a todos nós que somos seus descendentes, com exceção apenas de Jesus Cristo. “Portanto, assim como por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado, a morte, assim também a morte passou a todos os homens.” (Rom. 5:12 ).

Preso e condenado pelo pecado que herdou, o homem pode muito bem perguntar: "Como pode um homem ser justo diante de Deus?” (Jó 9:2). No entanto, Deus não deixou toda a humanidade perecer nesta condição. Em Romanos 3:21, Paulo faz uma declaração muito significativa: "Mas agora, sem lei, se manifestou a justiça de Deus testemunhada pela e pelos profetas;" A frase "mas agora" não é uma transição lógica, mas uma redenção histórica. A Lei e os Profetas testemunharam a vinda dessa justiça: "...minha salvação está prestes a vir, e a minha justiça, prestes a manifestar-se”. (Isaías 56:1; 46:13, 51:4-8, 59:15-21; Salmo 98:1-2 ). Mas agora Deus soberanamente interveio para inaugurar uma nova criação. E Ele o fez "para além da lei", porque a lei só poderia exigir, mas nunca fornecer a justiça que Deus requer.

Qual é nova obra de Deus que revela a Sua justiça? É nada menos que a "exposição" do Seu próprio Filho, cuja obediência, morte e ressurreição, demonstra a justiça de Deus, de modo que ele será justo e o justificador daquele que tem fé em Jesus e pela palavra do evangelho entrega a sua vida a ele. (Rm 3: 25-26). Por esta razão, Paulo enfatiza repetidamente que "é a justiça de Deus". (Rm 1:17; 3:21-26, 2 Coríntios 5:21; Fil. 3:9).

A vinda de Jesus Cristo foi a inauguração de uma nova aliança. Assim como o primeiro Adão estava diante de Deus como nosso cabeça federal ou nosso representante, o último Adão, Cristo é também o representante dos eleitos. (Rom. 5,12-19). Quando Ele obedece, Sua justiça é imputada a todos os que estão unidos a Ele pela fé. (Rom. 5:18).

Vemos esta aliança de Cristo em todas as narrativas do Evangelho. Quando Jesus foi batizado com o batismo de arrependimento por João, ele se identificou com o pecado do Seu povo. Embora João tenha ficado perplexo com isso, Jesus teve que ser batizado para "cumprir toda justiça". Logo que ele saiu da água, o Espírito de Deus desceu sobre Ele em forma de uma pomba e uma voz veio do céu e disse: "Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo (estou bem satisfeito)". (Grifo nosso). ( Mat. 3:15-17).

Jesus foi igual a seus irmãos em todos os sentidos, exceto no pecado, a fim de entrar no lado humano da aliança e viver a vida perfeita de obediência diante de Deus que se exigia de nós. O tema continua na narrativa do evangelho, porque Jesus é imediatamente enviado para o deserto para ser tentado pelo diabo (Mat. 4:1-11). Ao contrário de Adão, Jesus obedeceu ao Pai e resistiu à tentação da serpente.

Continua no próximo post.

¹Pastor presbiteriano, Mestrando em Teologia pelo CPAJ/Mackenzie

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DICIONÁRIO "MARANHENSE" !!!

Por



Rev. João d'EçaJoão do Vale, nosso poeta popular, em uma de suas canções diz: "minha terra tem belezas que em versos não sei dizer; mesmo porque não tem graça, só se vendo pode crer..."As coisas do Maranhão são espetaculares, sua natureza é exuberante, suas cidades são magnificas e sua Capital é encantadora. Eu amo minha cidade de paixão.Há muita coisa que não gosto em São Luís, não tem nada a ver com a natureza ou com a sua história, mas tem a ver com algumas pessoas que tiram a paz de outras pessoas, sem respeitar os seus direitos, mas isso é outra história...Quero lhes apresentar algumas palavras do vocabulário popular maranhense (está bastante incompleto, mas já é alguma coisa, desafio os leitores a me escreverem e me ensinarem novas palavras desse nosso rico "dicionário popular maranhense").Recebi de um amigo, numa lista de E-mails, essa lista que lhes apresento abaixo, achei muito divertido e interessante, fiz algumas adaptações e publico aqui e agora…

"LANÇA O TEU SOBRE AS ÁGUAS" - Eclesiastes 11: 1

PorRev. João d'EçaO texto diz: "Lança o teu pãp sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás"O que será que as Escrituras Sagradas estão nos ensinando aqui?A palavra "pão" sempre foi figura daquilo que ganhamos no dia-a-dia. As pessoas nos indagam: - "Você está indo pra onde?"- Vou ganhar o pão de cada dia (trabalho).Os estudiosos do AT, nos dizem que aqui há duas figuras:1ª Figura: AS CHEIAS DO RIO NILO - Eles jogavam as sementes quando a enchente estava baixando, no final da baixa, as sementes do trigo e da cevada, floresciam.2ª Figura: O COMERCIANTE - O comerciante pegava o seu barco, carregava com os bens que havia produzido e sai para comercializar em outras terras. "Lança o teu pão sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás".No versículos 2, o escritor sagrado nos dá uma lição preciosa, ele nos diz que devemos diversificar a nossa aplicação, porque não sabemos o que ácontecerá amanhã.Como servos dos Deus vivo, o S…

QUALIDADES DE UM BOM DESPENSEIRO.

Por Rev. João d'Eça Sermão pregado na Igreja Presbiteriana Monte Moriah, São Luís, MA, dia 14/01/2007 As qualidades de um bom despenseiro. "Servi uns aos outros, cada um conforme o dom que recebeu, como bons despenseiros da multiforme graça de Deus". (I Pedro 4: 10). Introdução: O termo despenseiro tem o significado de alguém que cuida da despensa, ou seja, é o local da casa onde se guarda os alimentos e os outros mantimentos, nesse caso, despenseiro é o que toma de conta de toda a despensa, é uma espécie de Mordomo. No caso do texto básico da mensagem, despenseiro é aquele que administra os dons da multiforme graça de Deus, de maneira que pessa abençoar a si mesmo e ao seu próximo. * Muitas pessoas pensam que todas as coisas são sua propriedade. * A Bíblia nos ensina diferente, pois diz: "Do Senhor é a Terra e a sua plenitude, o mundo e os que nele habitam." ( Salmos 24:1). O profeta Ageu diz também: "O ouro e a prata são seus." * O…