Pular para o conteúdo principal

ACERCA DA JUSTIFICAÇÃO - PARTE II

Por Rev. João d'Eça¹

Continuação de post antrior...

A OBEDIÊNCIA DE CRISTO É O NOSSO MÉRITO.
O batismo e a tentação de Cristo foram apenas o começo. Estes dois eventos prenunciou a crise final que ele esperava no final da sua vida terrena: o conflito espiritual que levou à morte e ao sofrimento na cruz por nós, o justo pelos injusto. Jesus provou ser servo, o justo do Pai, que é capaz de, pelo sacrifício, fazer justos os seus eleitos (Isaías 53:11 ).

OBEDIÊNCIA ATIVA E PASSIVA
Teologicamente falamos de obediência e morte de Cristo como a obediência ativa e passiva. Mas não devemos ver esses termos como se referindo a fases distintas da vida de Jesus. A obediência ativa de Cristo tem uma parte de dimensão passiva (sofrimento). O início da obediência de Cristo representa a encarnação, quando Ele, que foi co-igual com Deus, esvaziou-se até a condição de servo, tornando-se um homem de dores, desprezado, e o mais rejeitado entre os homens (Filipenses 2:6-7 ; Isa. 53:3). Pela obediência de dimensão passiva, a morte expiatória de Cristo, foi um trabalho de obediência ativa. Ele aprendeu a obediência pelas coisas que Ele sofreu (João 12:27-28 ; Heb. 5:8) , e ativamente derrotou Satanás por meio da cruz (Gen. 3:15 , João 12:31; Col. 2: 15). A justiça de Deus consiste na totalidade da obediência de Cristo, tanto nos seus aspectos ativos e passivos (Rm 5:17-19 ).

OBRA MERITÓRIA DE CRISTO
Por que a obediência de Cristo demonstra a justiça de Deus? (Romanos 3:25). Porque cumpre as exigências da Lei de Deus e, portanto, merece a recompensa da vida eterna para nós. O Filho eterno de Deus foi enviado ao mundo pelo Pai para realizar a obra que o Pai havia designado a ele ( João 4:34, 5:36, 6:38-39, 17:04, 19:28). Ele nasceu de uma mulher, nascido sob a lei, para resgatar os que estavam debaixo da lei (Gálatas 4:4). Ao cumprir tudo o que o Pai havia confiado ao Filho de acordo com os termos do seu "eterno conselho de paz" (Zc. 6:13), Jesus Cristo tem os méritos da recompensa prometida. Ele ressuscitou dos mortos e está exaltado à mão direita de Deus, agora coroado de glória e de honra, no terreno meritório da sua obediência e do seu sofrimento até a morte (Filipenses 2:5-11 ; Heb. 2:9).
 
Mérito é um conceito de aliança. Porque Cristo cumpriu a obediência estipulada que lhe foi atribuída de acordo com os termos da aliança eterna, Jesus ganhou a recompensa prometida. O próprio Jesus apontou para o cumprimento obediente do trabalho que seu Pai lhe deu para fazer, como o fundamento legal para receber a sua recompensa. Ele recorreu à justiça de seu Pai quando orou:

"Eu te glorifiquei na terra, consumando a obra que me confiaste para fazer; e, agora, glorifica-me, ó Pai, contigo mesmo, com a glória que eu tive junto de ti, antes que houvesse mundo.” (João 17:4-5 ).

Jesus obteve para os seus eleitos o direito a vida eterna (glorificação) pelo seu cumprimento obediente do pacto.

O contexto da aliança da obra de Cristo lança luz sobre o significado redentor de Sua ressurreição. A ressurreição de Cristo foi Sua justificativa ou defesa (1 Tm. 3:16). Não foi apenas um evento que demonstrou a Sua divindade, mas um ato legal ou judicial em que o pai reconheceu o filho como o detentor da aliança obediente (Romanos 1:4, 1 Coríntios. 15:45). A ressurreição foi o selo de aprovação divina de Cristo após a conclusão da lei.

Jesus foi glorificado pelos eleitos, para que estes possam herdar a vida eterna em união com ele. É por isso que Paulo diz que Jesus ressuscitou para nossa justificação." (Romanos 4:25), e fala dos crentes como aqueles que foram ressuscitados juntamente com Cristo (Rm 6:5; Ef. 2:6; Col. 2:12, 3:1). A obediência meritória de Cristo foi aceita para satisfazer as demandas integrais da Lei de Deus, não apenas por causa de Cristo, mas por nossa causa também. Somos portanto, aceitos como justos em Cristo, considerados aos olhos de Deus como se tivéssemos cumprido a lei a nós mesmos ( Rm 10:4). E a nossa futura ressurreição do corpo, tem por base a ressurreição de Cristo. (1 Cor . 15:20-23 ).

Continua no terceiro e último post....

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DICIONÁRIO "MARANHENSE" !!!

Por



Rev. João d'EçaJoão do Vale, nosso poeta popular, em uma de suas canções diz: "minha terra tem belezas que em versos não sei dizer; mesmo porque não tem graça, só se vendo pode crer..."As coisas do Maranhão são espetaculares, sua natureza é exuberante, suas cidades são magnificas e sua Capital é encantadora. Eu amo minha cidade de paixão.Há muita coisa que não gosto em São Luís, não tem nada a ver com a natureza ou com a sua história, mas tem a ver com algumas pessoas que tiram a paz de outras pessoas, sem respeitar os seus direitos, mas isso é outra história...Quero lhes apresentar algumas palavras do vocabulário popular maranhense (está bastante incompleto, mas já é alguma coisa, desafio os leitores a me escreverem e me ensinarem novas palavras desse nosso rico "dicionário popular maranhense").Recebi de um amigo, numa lista de E-mails, essa lista que lhes apresento abaixo, achei muito divertido e interessante, fiz algumas adaptações e publico aqui e agora…

QUALIDADES DE UM BOM DESPENSEIRO.

Por Rev. João d'Eça Sermão pregado na Igreja Presbiteriana Monte Moriah, São Luís, MA, dia 14/01/2007 As qualidades de um bom despenseiro. "Servi uns aos outros, cada um conforme o dom que recebeu, como bons despenseiros da multiforme graça de Deus". (I Pedro 4: 10). Introdução: O termo despenseiro tem o significado de alguém que cuida da despensa, ou seja, é o local da casa onde se guarda os alimentos e os outros mantimentos, nesse caso, despenseiro é o que toma de conta de toda a despensa, é uma espécie de Mordomo. No caso do texto básico da mensagem, despenseiro é aquele que administra os dons da multiforme graça de Deus, de maneira que pessa abençoar a si mesmo e ao seu próximo. * Muitas pessoas pensam que todas as coisas são sua propriedade. * A Bíblia nos ensina diferente, pois diz: "Do Senhor é a Terra e a sua plenitude, o mundo e os que nele habitam." ( Salmos 24:1). O profeta Ageu diz também: "O ouro e a prata são seus." * O…

"LANÇA O TEU SOBRE AS ÁGUAS" - Eclesiastes 11: 1

PorRev. João d'EçaO texto diz: "Lança o teu pãp sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás"O que será que as Escrituras Sagradas estão nos ensinando aqui?A palavra "pão" sempre foi figura daquilo que ganhamos no dia-a-dia. As pessoas nos indagam: - "Você está indo pra onde?"- Vou ganhar o pão de cada dia (trabalho).Os estudiosos do AT, nos dizem que aqui há duas figuras:1ª Figura: AS CHEIAS DO RIO NILO - Eles jogavam as sementes quando a enchente estava baixando, no final da baixa, as sementes do trigo e da cevada, floresciam.2ª Figura: O COMERCIANTE - O comerciante pegava o seu barco, carregava com os bens que havia produzido e sai para comercializar em outras terras. "Lança o teu pão sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás".No versículos 2, o escritor sagrado nos dá uma lição preciosa, ele nos diz que devemos diversificar a nossa aplicação, porque não sabemos o que ácontecerá amanhã.Como servos dos Deus vivo, o S…