Pular para o conteúdo principal

A DISCIPLINA DA IGREJA (Mateus 18.1-22)

Introdução:

A disciplina na Igreja faz parte dos ensinamentos das Escrituras Sagradas, expresso em três doutrinas ou três fases do mesmo mandato:

1 – A ideia e função da igreja de Jesus Cristo;
2 – A razão e o método da disciplina na Igreja;
3 – O alcance e responsabilidade da disciplina.


I – A IDEIA E FUNÇÃO DA IGREJA DE JESUS CRISTO

A Igreja de Jesus cristo na sua significação mais abrangente é a reunião de pessoas nascidas de novo, em todos os tempos e épocas, no céu e na terra. Nesse sentido a igreja é identificada com o reino espiritual de Deus (João 3.3-6). Significa a função na qual Deus ou na pessoa do nosso Senhor Jesus Cristo, exerce domínio espiritual. Assim a igreja de Cristo é santa, infalível e imperecível, fora da igreja não há salvação, ela é a comunhão dos escolhidos de Deus.

A igreja porém, como instituição visível compõem-se de todos os crentes em Jesus Cristo, juntamente com os seus filhos. Alcança todas as igrejas locais que vivem o padrão do Evangelho santo, com o fim de alcançar neles mesmos e no mundo inteiro, o estabelecimento do Reino do Senhor.

Entende-se por igreja visível todas as pessoas que fazem parte da igreja local e parece incluir todos os professos, sejam eles crentes verdadeiros ou não, que como numa pesca, a rede captura tanto os peixes que servem como também os peixes que serão descartados. Em sentido geral a Igreja visível é a comunhão dos santos chamados por Deus, porém, assim como aqueles que ouviram o Evangelho e não foram tocados pelo seu poder, há aqueles que mesmo batizados, não pertencem ao reino de Deus, nem são parte da igreja invisível.

A igreja visível se diferencia da igreja invisível do seguinte modo:

1 – A igreja cristã é o povo regenerado por Cristo, o reino de Deus foi implantado desde que o primeiro pecador foi regenerado.
2 – A igreja limita-se aos crentes no Cristo histórico, inclui todos os filhos de Deus, lavados e remidos pelo sangue de Cristo vertido na cruz. Jesus disse em João 10.16: “Ainda tenho outras ovelhas, não deste aprisco...”.
3 – A igreja visível está neste mundo, enquanto que o reino de Deus é composto dos fieis da igreja visível e dos regenerados que já estão na glória.
4 – A igreja é visível. O reino é invisível, composto de todos os que estão em comunhão com o Senhor.
5 – A igreja visível é um organismo imperfeito e está dividido em igrejas locais. O Reino de Deus é um, é único, é autônomo, e, é indivisível como a vontade de Deus.
6 – A igreja visível é um meio. O Reino é o fim.

Todos os crentes são chamados para fazer o possível para auxiliar a igreja a cumprir a sua missão de evangelizar o mundo. O objetivo de Jesus Cristo é que cada crente tenha os olhos no Reino de Deus e não na igreja pela igreja. A igreja local não pode e nem deve ser o fim mais alto da vida de seus membros. Segundo o cristianismo, a igreja visível é a sociedade instituída por Cristo para levar os homens a serem cidadãos dos céus.

A função da igreja é chamar o mundo para Deus e servir de escola para os que vêm a Cristo, educando-os a cultivar nos seus corações o caráter do reino celestial. Aqui na terra o Senhor Jesus Cristo governa, nutre e aperfeiçoa a sua igreja.

O texto do Evangelho de Mateus, 28.19-20 diz: “Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a guardar todas as coisas que vos tenho ordenado. E eis que estou convosco todos os dias até a consumação do século”.

Aqui está a ideia fundamental da igreja; a união dos crentes pela presença constante do Espírito Santo. A comunhão do Senhor com os santos regenerados em Cristo. A comunhão dos que são separados do mundo, dedicados a Deus; a comunhão dos que afastam-se dos pecados e seguem a justiça, daqueles que amam a Deus e ao seu próximo, por causa da Palavra de Deus.

Na Grande Comissão vemos a função primordial da igreja que é: “fazer discípulos de todas as nações”: a) Batizando-os como filhos da família e do reino de Deus, que foram chamados e aceitos pelo amor do pai, que foram remidos e reconciliados pelo sacrifício de seu Filho, com o objetivo de serem santos por meio do poder do Espírito Santo, aplicando aos seus espíritos a santidade, e b) Ensinando-os a observar todos os mandados do seu Rei e Salvador.

Ensinar às nações e a todos os povos a fazer deles discípulos professos e selados através do batismo, é a evangelização do mundo. Ensinar os batizados a serem discípulos dignos da sua profissão de fé, observadores de todas as cousas que Cristo mandou, é a disciplina da Igreja.


II - A RAZÃO E O MÉTODO DA DISCIPLINA

A razão, pois, da disciplina é a imperfeição dos crentes. É preciso disciplinar os desejos a vontade do homem até conformar-se com o espírito e vontade de Deus. Os meios que a igreja usa, pela autoridade de Jesus Cristo, para este fim, são as ordenanças do Senhor, especialmente a Palavra, os sacramentos, e a oração. Tudo o que se torna eficaz aos eleitos para a salvação. Assim é a disciplina eclesiástica no sentido literal.

Porém, em sentido mais restrito, para significar a correção dos fracos, repreensão dos que cometem erros e a exclusão dos pecadores contumazes. Com relação à disciplina eclesiástica, a Confissão de Fé de Westminster, no Cap. XXX, seção 3, diz:


São precisas as censuras eclesiásticas para corrigir e ganhar irmãos ofensores; para deter outros de semelhantes ofensas; para lançar fora o fermento que podia infectar toda a massa; para vindicar a honra de Cristo e a santa profissão do Evangelho, e para prevenir a ira de Deus, que podia com justiça cair sobre a igreja, se ela permitir que o pacto divino e seus selos sejam profanados por ofensores notórios e obstinados.


Jesus Cristo ensinou aos seus discípulos em todos os tempos e épocas, quais são os preceitos da disciplina na igreja, em Mateus 18. O que é interessante aqui é que Jesus como o grande pedagogo, lhes dá uma lição que eles ainda não haviam aprendido. Como os discípulos de Cristo, como ministros do reino de Deus, poderiam conseguir qualquer bem, enquanto o seu grande negócio era o lugar de cada um no reino? Eram homens ainda cheios de paixões, de ambições e ciúmes uns dos outros.

Nesse sentido, estaria ameaçada a implantação do reino de Deus, já que esses homens ainda precisavam abandonar a prática do egoísmo, que ainda abrigavam no seu coração o mal. Dessa forma eles estariam sujeitos a fazer cair no desprezo a causa para a qual foram chamados a promover.

O trabalho de Jesus desde aquele momento, foi o de fazê-los ver o que de fato era o Reino de Deus. Jesus disse aos seus discípulos, e diz a nós também, que nós precisamos nos despir de todo o mal que habita em nós, ele então toma uma criança, põe-na no meio deles e diz: “Se não vos converterdes e não vos tornardes como crianças, de modo algum entrareis no reino dos céus”. (Mt. 18.3).

O ensino de Jesus é exemplar nesse caso específico, porque é feita uma comparação: A criança nada sabe sobre inveja, orgulho, paixão mundana, em que pese, a criança também manifestar essas características do homem caído. Porém, essa inocência gera afeição, a confiança e docilidade.

Quanto mais alto subimos no reino de Deus, mais parecidos com Cristo nos tornamos. Jesus humilhou-se a si mesmo, não quis receber glórias meramente humanas, mas viveu de modo que toda a honra e toda a glória fosse de Deus, o Pai. A maioria dos homens, até mesmo quando projeta as coisas boas, geralmente o faz pensando em si próprio e não no Reino de Deus, sempre pensa em si, na sua honra, dignidade, na sua reputação, mesmo quando está fazendo o bem para o próximo. A maioria dos homens quando faz o bem, o bem que ele faz beneficia mais a si do que o seu próximo.

Os grandes no reino de Deus, porém, ao contrário, se lançam a si mesmos sem nenhuma reserva ao trabalho a que são chamados a fazer. A grande diferença entre o reino de Deus e os reinos do mundo, é que para o reino do mundo o princípio é outro: Aqui no mundo os soberbos e orgulhosos ganham lugar de honra, no reino de Cristo, as honras são dadas aos humildes.

Jesus disse, “quem receber uma criança, tal como esta, em meu nome, a mim me recebe” (Mt. 18.5). Os membros das nossas igrejas deveriam se inspirar nas palavras de Jesus. Quem dera que a igreja, sempre temente a Deus, fiel aos santos, cumprisse a vontade de Deus para com aqueles que são do Reino.

No ministério de Jesus Cristo, as duas causas que são motivos de disciplina são expressas e são: 1) a falta de um espírito inocente, um crente dócil e despretensioso; 2) a falta de compreensão e ternura para com os neófitos na fé. “Se teu irmão pecar contra ti, vai argui-lo entre ti e ele só. Se ele te ouvir, ganhaste teu irmão”.

A comunhão dos santos da igreja de Cristo está em processo de aperfeiçoamento, somos cidadãos do céu. Portanto, a disciplina na igreja tem de ter o caráter desse reino, o amor fraterno e o interesse pelo bem de todos. Isto naturalmente não significa que não haverá punição para os pecadores contumazes, mas a igreja deve agir firmemente como ensina as Escrituras, para o exemplo dos outros.

Conclusão:

Segundo o ensino do nosso Senhor Jesus, o ofendido tem de ir sozinho ao ofensor para tratar da ofensa, seja contra ele, seja contra a igreja, seja contra o nome de Cristo, talvez nesse primeiro momento seja possível leva-lo ao arrependimento. O injuriado terá de cessar a sua ira, a sua mágoa e falar com paciente amor. Esse sistema não deixa margem para maledicências (Lv. 19.16,17).

Quando ganhamos um irmão que se arrepende dos seus pecados, nosso trabalho proporcionará que a igreja não sofra as consequências do opróbrio e se conservará a unidade do espírito no vínculo da paz.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DICIONÁRIO "MARANHENSE" !!!

Por



Rev. João d'EçaJoão do Vale, nosso poeta popular, em uma de suas canções diz: "minha terra tem belezas que em versos não sei dizer; mesmo porque não tem graça, só se vendo pode crer..."As coisas do Maranhão são espetaculares, sua natureza é exuberante, suas cidades são magnificas e sua Capital é encantadora. Eu amo minha cidade de paixão.Há muita coisa que não gosto em São Luís, não tem nada a ver com a natureza ou com a sua história, mas tem a ver com algumas pessoas que tiram a paz de outras pessoas, sem respeitar os seus direitos, mas isso é outra história...Quero lhes apresentar algumas palavras do vocabulário popular maranhense (está bastante incompleto, mas já é alguma coisa, desafio os leitores a me escreverem e me ensinarem novas palavras desse nosso rico "dicionário popular maranhense").Recebi de um amigo, numa lista de E-mails, essa lista que lhes apresento abaixo, achei muito divertido e interessante, fiz algumas adaptações e publico aqui e agora…

QUALIDADES DE UM BOM DESPENSEIRO.

Por Rev. João d'Eça Sermão pregado na Igreja Presbiteriana Monte Moriah, São Luís, MA, dia 14/01/2007 As qualidades de um bom despenseiro. "Servi uns aos outros, cada um conforme o dom que recebeu, como bons despenseiros da multiforme graça de Deus". (I Pedro 4: 10). Introdução: O termo despenseiro tem o significado de alguém que cuida da despensa, ou seja, é o local da casa onde se guarda os alimentos e os outros mantimentos, nesse caso, despenseiro é o que toma de conta de toda a despensa, é uma espécie de Mordomo. No caso do texto básico da mensagem, despenseiro é aquele que administra os dons da multiforme graça de Deus, de maneira que pessa abençoar a si mesmo e ao seu próximo. * Muitas pessoas pensam que todas as coisas são sua propriedade. * A Bíblia nos ensina diferente, pois diz: "Do Senhor é a Terra e a sua plenitude, o mundo e os que nele habitam." ( Salmos 24:1). O profeta Ageu diz também: "O ouro e a prata são seus." * O…

"LANÇA O TEU SOBRE AS ÁGUAS" - Eclesiastes 11: 1

PorRev. João d'EçaO texto diz: "Lança o teu pãp sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás"O que será que as Escrituras Sagradas estão nos ensinando aqui?A palavra "pão" sempre foi figura daquilo que ganhamos no dia-a-dia. As pessoas nos indagam: - "Você está indo pra onde?"- Vou ganhar o pão de cada dia (trabalho).Os estudiosos do AT, nos dizem que aqui há duas figuras:1ª Figura: AS CHEIAS DO RIO NILO - Eles jogavam as sementes quando a enchente estava baixando, no final da baixa, as sementes do trigo e da cevada, floresciam.2ª Figura: O COMERCIANTE - O comerciante pegava o seu barco, carregava com os bens que havia produzido e sai para comercializar em outras terras. "Lança o teu pão sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás".No versículos 2, o escritor sagrado nos dá uma lição preciosa, ele nos diz que devemos diversificar a nossa aplicação, porque não sabemos o que ácontecerá amanhã.Como servos dos Deus vivo, o S…