Pular para o conteúdo principal

A CRISE DA IGREJA NO MOMENTO ATUAL


By

Rev. João d’Eça


Introdução

Não pretendo com esse artigo diagnosticar de forma precisa a crise da igreja evangélica brasileira, mas contribuir de forma resumida para a reflexão, tentando apontar caminhos de análise e de solução dos problemas que enfrentamos hoje.

Do mesmo modo que os hebreus no deserto encheram-se de consternações, ouvindo o relatório que de sua viagem fizeram os espias enviados à terra prometida, da qual esperavam tomar posse facilmente; assim como as tropas de Israel tremeram de terror ante o ousado gigante Golias que, confiado em sua força prodigiosa e nas suas armaduras guerreiras, as dasafiava para um combate por si só: a Igreja Evangélica do Brasil, por enquanto fraquíssima, como que vacila ante os muitos e quase insuperáveis obstáculos que tentam retardar em nossa pátria a esplendida vitória do Evangelho.

A crise da Igreja brasileira

A crise que estamos atravessando, inspira-nos sérios cuidados e, com toda a certeza, desfaleceríamos, se não tivéssemos plena convicção de que a santa causa que advogamos não é humana, mas divina, se não crêssemos firmemente que a sua vitória não é incerta, mas repousa sobre a infalível promessa do Filho de Deus que disse: “As portas do inferno não prevalecerão contra ela” (Mt. 16.18).

A igreja evangélica brasileira está num estado de lástima. Os crentes sérios, que estão no labor diário da evangelização e da educação cristã do nosso povo tem de “matar um leão por dia”. Temos uma missão muito difícil a cumprir.

Os pregadores que se preocupam com a propagação das Boas-Novas de Salvação, estão indo ao campo inimigo (que infelizmente já adentraram as portas de nossas igrejas), e estão planejando os seus ataques contra as trincheiras do mal, estes são pouquíssimos, se comparados ao exercito de falsos pastores e falsos pregadores, que capitaneados pelo príncipe das trevas, assumiram para si a vergonhosa e destruidora tarefa, de em nome de Deus, disseminar o erro e abrir as portas do inferno para milhares de almas.

A nossa tarefa dada por Deus é de altíssima responsabilidade, e o campo de nossa atividade é imenso, e a voz dos pregadores do Grande Rei, quase não é ouvida, em meio aos gritos estridentes de pessoas loucas que dizem que com seus gritos desvairados estão falando com Deus. Estes se esquecem da vida futura, post-mortem, e zombam dos avisos celestes. Esses pregadores e administradores de igrejas que conduzem o rebanho do Senhor como se fora uma empresa, lutam pelos seus interesses financeiros os mais mesquinhos, tirando em nome de Deus, até o último centavo dos incautos-cumplices.

A nossa mocidade

A Mocidade que se ergue em nossa igreja nacional, seria a esperança da nossa igreja, humanamente falando, porém, falta-lhes a fé, o entusiasmo, o engajamento e a coragem necessária para sacrificar-se no altar do nosso Senhor. Falta-lhes a coragem de ser diferente, daqueles que nos deixaram o legado.

Há uma crise de vocação no meio da nossa juventude. Não há jovens dispostos a abraçarem a vocação ministerial, os seminários estão quase vazios. Nossos jovens querem ser engenheiros, médicos, advogados, mas não querem ser pastores, a missão mais nobre, o trabalho mais digno, o serviço a Deus. É exatamente quando nos sentimos cansados que surge a verdade das palavras do Senhor Jesus: “A seara é grande, mas os trabalhadores são poucos” (Lc. 10.2).

O que nos aguarda o futuro?

Confiamos que Deus está no controle de todas as coisas e ele tem os seus planos, e haverá de os cumprir segundo a sua santa vontade. A voz do púlpito evangélico, muitas vezes, humanamente falando, está sem esperança para o futuro.

Ai está as dificuldades que enfrentamos, por esta razão a pregação do Evangelho está caminhando a passos morosos. A pregação do Evangelho de Cristo merece amor e sacrifício voluntário da mocidade dessa geração que hoje faz parte da igreja.

O que fazer diante de tais circunstâncias? Não podemos cruzar os braços e nos entregar vencidos diante dos obstáculos que vislumbramos. Não! Não podemos admitir sermos vencidos. Seremos a geração que deixará um legado de fé para a próxima geração.

Aqueles que nos legaram a fé travaram a luta entre o bem e o mal, entre a verdade e o erro. Devemos ser soldados fiéis à causa da cruz de Cristo, honrarmos o Evangelho santo. Ofereçamo-nos como sacrifício voluntário no altar da honra do Evangelho. Ouçamos a voz do capitão da nossa fé, Jesus, que sempre nos consola e anima no combate da fé e que nesse momento nos diz: “Trabalha como um bom soldado de Cristo”.

Conclusão

Que as bênçãos dos céus desçam abundantemente sobre nós e nos encha de um novo vigor. Que possamos enxugar as lágrimas da igreja brasileira e que a nossa vida seja para o engrandecimento do Reino de Deus no Brasil.

Que Deus levante vocacionados para fortalecer a próxima geração com fé e interesse de que o Reino de Deus se estabeleça em nossa pátria.

Que Deus nos ajude.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DICIONÁRIO "MARANHENSE" !!!

Por



Rev. João d'EçaJoão do Vale, nosso poeta popular, em uma de suas canções diz: "minha terra tem belezas que em versos não sei dizer; mesmo porque não tem graça, só se vendo pode crer..."As coisas do Maranhão são espetaculares, sua natureza é exuberante, suas cidades são magnificas e sua Capital é encantadora. Eu amo minha cidade de paixão.Há muita coisa que não gosto em São Luís, não tem nada a ver com a natureza ou com a sua história, mas tem a ver com algumas pessoas que tiram a paz de outras pessoas, sem respeitar os seus direitos, mas isso é outra história...Quero lhes apresentar algumas palavras do vocabulário popular maranhense (está bastante incompleto, mas já é alguma coisa, desafio os leitores a me escreverem e me ensinarem novas palavras desse nosso rico "dicionário popular maranhense").Recebi de um amigo, numa lista de E-mails, essa lista que lhes apresento abaixo, achei muito divertido e interessante, fiz algumas adaptações e publico aqui e agora…

"LANÇA O TEU SOBRE AS ÁGUAS" - Eclesiastes 11: 1

PorRev. João d'EçaO texto diz: "Lança o teu pãp sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás"O que será que as Escrituras Sagradas estão nos ensinando aqui?A palavra "pão" sempre foi figura daquilo que ganhamos no dia-a-dia. As pessoas nos indagam: - "Você está indo pra onde?"- Vou ganhar o pão de cada dia (trabalho).Os estudiosos do AT, nos dizem que aqui há duas figuras:1ª Figura: AS CHEIAS DO RIO NILO - Eles jogavam as sementes quando a enchente estava baixando, no final da baixa, as sementes do trigo e da cevada, floresciam.2ª Figura: O COMERCIANTE - O comerciante pegava o seu barco, carregava com os bens que havia produzido e sai para comercializar em outras terras. "Lança o teu pão sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás".No versículos 2, o escritor sagrado nos dá uma lição preciosa, ele nos diz que devemos diversificar a nossa aplicação, porque não sabemos o que ácontecerá amanhã.Como servos dos Deus vivo, o S…

QUALIDADES DE UM BOM DESPENSEIRO.

Por Rev. João d'Eça Sermão pregado na Igreja Presbiteriana Monte Moriah, São Luís, MA, dia 14/01/2007 As qualidades de um bom despenseiro. "Servi uns aos outros, cada um conforme o dom que recebeu, como bons despenseiros da multiforme graça de Deus". (I Pedro 4: 10). Introdução: O termo despenseiro tem o significado de alguém que cuida da despensa, ou seja, é o local da casa onde se guarda os alimentos e os outros mantimentos, nesse caso, despenseiro é o que toma de conta de toda a despensa, é uma espécie de Mordomo. No caso do texto básico da mensagem, despenseiro é aquele que administra os dons da multiforme graça de Deus, de maneira que pessa abençoar a si mesmo e ao seu próximo. * Muitas pessoas pensam que todas as coisas são sua propriedade. * A Bíblia nos ensina diferente, pois diz: "Do Senhor é a Terra e a sua plenitude, o mundo e os que nele habitam." ( Salmos 24:1). O profeta Ageu diz também: "O ouro e a prata são seus." * O…