Pular para o conteúdo principal

SEMANA DA REFORMA - LUTERO E A BÍBLIA - 31/10/2015 - 498 anos de Reforma Protestante


By



Rev. João d’Eça



Deus renovará o mundo! – Estas foram as palavras proféticas de Lefevre d’Etaple. Foram essas as palavras que se cumpriram na colossal revolução conhecida na História pelo nome de Reforma Protestante do Século XVI.

O mundo de então, vivia em trevas agudas, a Idade Média ficou conhecida na como Idade das Trevas, porque o pensamento majoritário do papado contaminou a cultura e a religião, a ponto de a sociedade medieval viver em completo desconhecimento sobre tudo. A cristandade reclamava uma reforma e vinham de todos os lados sinais de precursores de uma revolução religiosa que trouxesse a Escritura Sagrada, a Bíblia, para a vida do povo, para orientar os caminhos da sociedade, da educação e da religiosidade.



Tomás de Aquino (1225-1274) foi o grande incentivador da suserania[1] e que o papa Alexandre VI (1431-1503), nascido Rodrigo Borgia, foi o 214º papa, para fazer a partilha do mundo, serviu-se dela. Já o papa Júlio II (1503-1513), desligava do juramento de fidelidade os súditos do rei da França, Luis XII convocava contra o papa o Concilio de Pisa, a Pragmática de Bouges despertava o entusiasmo pelos parlamentos e os doutores da Sorbonne usavam de uma linguagem cuja audácia admirável.


Essa tentativa de reforma foi imperfeita. Ela tinha por corifeus Erasmo e Carlos V. O século XVI viu erguer-se imponente a Reforma evangélica representada por Martin Lutero, mais ou menos radical, cujo principal objetivo foi proclamar a supremacia da Bíblia em matéria de fé e prática. Antes da Reforma Protestante a Bíblia era um livro totalmente desconhecido.



Com a redescoberta da Bíblia no período da Reforma, o mundo mudou, as coisas mudaram, a sociedade enxergou um novo norte em todas as suas áreas. A Bíblia veio transformar o mundo. O impacto que a Bíblia causou foi tão grande, a ponto do arcebispo de Mainz, Alberto de Brandeburgo (1490-1545), dizer: “Não sei bem que livro é esse; somente sei que o que nele se lê, é contra nós.” Carlstadt, professor em Wittenberg, começou a ler a Bíblia só depois de oito anos de doutorado.

Um testemunho de Martin Lutero sobre a Bíblia, é muito interessante, ele diz:

Quando eu estava com 20 anos de idade, eu ainda não havia visto uma Bíblia. Eu achava que não existiam evangelhos ou epístolas exceto as que estavam escritas nas liturgias dominicais. Finalmente, encontrei uma Bíblia na biblioteca e levei-a comigo para o mosteiro. Eu comecei a ler, reler e ler tudo novamente, para grande surpresa do Dr. Staupitz.


A Reforma protestante é o anjo do apocalipse voando pelos céus com o evangelho aberto, segundo alguns comentaristas. A Escritura Sagrada forma o centro da Reforma, Lutero sentiu isso e Deus o guiou na redescoberta da Bíblia.

Em um outro comentário, Lutero fala sobre a Bíblia, diz ele:


A Palavra de Deus, passando pelos pais apostólicos me faz o efeito de um pouco de leite que se fizesse coar por um saco de carvão. As palavras dos Pais, dos homens, dos anjos, dos demônios, oponho, não o uso antigo, nem a multidão, mas a Palavra única da eterna majestade, o Evangelho que eles mesmos são forçados a reconhecer. No Evangelho me conservo, me assento e descanso; ele é a minha glória e o meu triunfo dele eu insulto os papas, os tomistas, os sofistas e todas as portas do inferno. Pouco me importo com as palavras dos homens, seja qual for a sua santidade; pouco me importo com a tradição, com os costumes enganadores. A Palavra de Deus é sobre tudo. Se a majestade é por mim, que me importa o resto, mesmo que mil Agostinhos, mil Ciprianos, mil igrejas de Henrique VIII, se levantem contra mim! Deus não pode errar nem enganar: Agostinho e Cipriano, como todos os escolhidos podem errar e tem errado.

Lutero viveu para pregar a Bíblia, o tempo todo depois que descobriu. Ele não abandonou a Sagrada Escritura até os seus últimos dias. Ele a pregava constantemente, e disse sobre isso:

A Palavra de Deus é o mais precioso de todos os bens, excede a todos os tesouros do mundo. Quem está privado dela, sofreu uma verdadeira fome espiritual. Queira Deus que semelhante desgraça nunca nos aconteça. Seria melhor que fossemos degolados pelos turcos.

Era na Bíblia que Lutero se fortalecia. Num outro comentário seu ele expressa o que sentia quando lia a Sagrada Escritura:

Quando o diabo me acha ocioso e que não penso na Palavra de Deus, turba-me a consciência, sugerindo-me que eu não estou pregando a verdade, que eu estou perturbando o governo, que, com aminha doutrina, tenho dado muitos escândalos e promovido grandes rebeliões. Mas, quando tomo a Palavra de Deus, resisto ao diabo e lhe digo: ‘Eu sei pela Palavra de Deus e estou certo de que essa doutrina não é minha, mas sim do Filho de Deus.

Em Augsburgo Lutero proclamou em alto e bom som: “A Bíblia, A Bíblia, A Bíblia!” Foram essas as suas palavras em Augsburgo, Leipzig e em Worms ele disse: “Refutai-me pela Escritura! Persuadam-me pela Escritura! Eu obedeço somente à Escritura”.

Lutero viveu o resto da sua vida pela Escritura Sagrada, desde que a descobriu naquele dia na biblioteca. O seu trabalho semanal e predileto era a tradução da Bíblia que marca o momento na história da Reforma. Ele traduziu o Novo Testamento em Wartburgo. Mais tarde dedicou quinze anos de sua vida à tradução do Antigo Testamento. Nesse trabalho teve alguns de seus amigos como auxiliares. Cada palavra do texto era pesada e debatida com os seus companheiros: Melanchton, Bugenhazen, Jonas, Criciger, Auragalus. Eles davam conselhos e Lutero decidia. Nessa tradução era gasta às vezes, três semanas na versão de uma frase, tal era o cuidado e as minuncias do trabalho de tradução.

A intenção de Lutero era que todos, ao ler, pudessem compreender o texto Sagrado, e por isso, pedia expressões à sua esposa e seus filhos, aos operários que encontrava no caminho. Depois disso vinham os seus amigos para fazer o trabalho de revisão: Um trazia a sua Bíblia em latim, outro o texto em Hebraico, outro a versão  LXX e outro uma versão caldaica.

Dessa forma o trabalho foi concluído em Wartburgo. Em 1534 a Alemanha tomou posse da Bíblia completa traduzida em uma linguagem viva, simples e popular.

A propaganda que Lutero fez da sua tradução da Bíblia obteve grandes resultados. Um autor hostil à Reforma Protestante, chamado Cochleus, diz o seguinte:


“Mesmo os sapateiros, as mulheres e todos que sabiam ler o alemão, liam e reliam com grande avidez o Novo Testamento, como sendo a única fonte de toda a verdade e acabavam por decorar o seu conteúdo. Eles levavam consigo o Novo Testamento. Lutero havia persuadido a seus discípulos que não dessem crédito a cousa alguma que não fosse lida da Escritura!

A Bíblia traduzida por Martinho Lutero tornou-se um livro popular. Era encontrado em toda parte. As mulheres a liam em passeio. Era um livro estudado e discutido. A tradução da Escritura para a língua alemã feita por Lutero causou um impacto de proporções gigantescas em toda a Europa dos 1500.






[1] Suserania ou suzerania era o termo empregado na Idade Média para distinguir um nobre que doava algum bem (normalmente terras, mas podia ser a concessão de impostos sobre uma ponte, o uso de equipamentos agrícolas, o uso de uma fonte d'água, etc) a outro nobre. Nessa relação, suserano é quem doa o bem e quem o recebe é denominado vassalo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DICIONÁRIO "MARANHENSE" !!!

Por



Rev. João d'EçaJoão do Vale, nosso poeta popular, em uma de suas canções diz: "minha terra tem belezas que em versos não sei dizer; mesmo porque não tem graça, só se vendo pode crer..."As coisas do Maranhão são espetaculares, sua natureza é exuberante, suas cidades são magnificas e sua Capital é encantadora. Eu amo minha cidade de paixão.Há muita coisa que não gosto em São Luís, não tem nada a ver com a natureza ou com a sua história, mas tem a ver com algumas pessoas que tiram a paz de outras pessoas, sem respeitar os seus direitos, mas isso é outra história...Quero lhes apresentar algumas palavras do vocabulário popular maranhense (está bastante incompleto, mas já é alguma coisa, desafio os leitores a me escreverem e me ensinarem novas palavras desse nosso rico "dicionário popular maranhense").Recebi de um amigo, numa lista de E-mails, essa lista que lhes apresento abaixo, achei muito divertido e interessante, fiz algumas adaptações e publico aqui e agora…

QUALIDADES DE UM BOM DESPENSEIRO.

Por Rev. João d'Eça Sermão pregado na Igreja Presbiteriana Monte Moriah, São Luís, MA, dia 14/01/2007 As qualidades de um bom despenseiro. "Servi uns aos outros, cada um conforme o dom que recebeu, como bons despenseiros da multiforme graça de Deus". (I Pedro 4: 10). Introdução: O termo despenseiro tem o significado de alguém que cuida da despensa, ou seja, é o local da casa onde se guarda os alimentos e os outros mantimentos, nesse caso, despenseiro é o que toma de conta de toda a despensa, é uma espécie de Mordomo. No caso do texto básico da mensagem, despenseiro é aquele que administra os dons da multiforme graça de Deus, de maneira que pessa abençoar a si mesmo e ao seu próximo. * Muitas pessoas pensam que todas as coisas são sua propriedade. * A Bíblia nos ensina diferente, pois diz: "Do Senhor é a Terra e a sua plenitude, o mundo e os que nele habitam." ( Salmos 24:1). O profeta Ageu diz também: "O ouro e a prata são seus." * O…

"LANÇA O TEU SOBRE AS ÁGUAS" - Eclesiastes 11: 1

PorRev. João d'EçaO texto diz: "Lança o teu pãp sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás"O que será que as Escrituras Sagradas estão nos ensinando aqui?A palavra "pão" sempre foi figura daquilo que ganhamos no dia-a-dia. As pessoas nos indagam: - "Você está indo pra onde?"- Vou ganhar o pão de cada dia (trabalho).Os estudiosos do AT, nos dizem que aqui há duas figuras:1ª Figura: AS CHEIAS DO RIO NILO - Eles jogavam as sementes quando a enchente estava baixando, no final da baixa, as sementes do trigo e da cevada, floresciam.2ª Figura: O COMERCIANTE - O comerciante pegava o seu barco, carregava com os bens que havia produzido e sai para comercializar em outras terras. "Lança o teu pão sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás".No versículos 2, o escritor sagrado nos dá uma lição preciosa, ele nos diz que devemos diversificar a nossa aplicação, porque não sabemos o que ácontecerá amanhã.Como servos dos Deus vivo, o S…