Pular para o conteúdo principal

SOBRE A PREGAÇÃO - PARTE III - DO TEXTO PARA O SERMÃO.

A maioria dos sermões de domingo nas igrejas brasileiras não passam de conceitos de auto-ajuda em alguns grupos, em apelação supersticiosa em outros, em agressividade neurótica em grande parte e verdadeira exposição bíblica na minoria.

A importânca do texto Bíblico.
Já ouvi de pregadores que no sermão de domingo de suas igrejas, pregam, não com base em texto bíblico, mas numa poesia (não os salmos), de Fernado Pessoa ou, pasmem, de Vinícios de Moraes.

O sermão tem como base, como ponto de partida, o texto bíblico. É certo que grande parte dos pregadores usam o texto bíblico como um pretexto para pregarem um sermão de três pontos que são: 1) Entram no texto; 2) Saem do texto e 3) Nunca mais voltam para o texto. Apesar de que a maioria das mensagens que ouvimos não se preocupa em expor o que o texto Sagrado diz, não é por isso que se cometa o desatino de substituir o texto bíblico por uma poesia ou um texto fora da Bíblia. E não me venham com o argumento de que Paulo usou os ditos dos filósofos epicureus e estóicos, pois uma coisa não tem nada a ver com a outra.

O sentido do texto bíblico é um só, não pode haver mais de um sentido, já que o escritor original pretendia transmitir uma mensagem aos seus leitores e ele tinha a intenção de que os leitores entendesse claramente o que ele pretendia transmitir, então, o trabalho do pregador é descobrir o sentido único, original. No entanto, apesar de ter um sentido único, a aplicação é diversificada, pode ser contextualizada, contanto que não se perca o sentido verdadeiro.

Já ouví pregadores dizerem:
- "Para mim, esse texto  quer dizer o seguinte:...."

Quem disse que a tua opinião conta? O que o texto quer dizer pra você, não é o que verdadeiramente o texto diz. O que o texto diz, é o que o autor do texto quis dizer, ou melhor, é o que Deus quis dizer e falou através do escritor original. Se ele falou através do escritor original da Sagrada Escritura, com certeza não precisará dizer uma coisa nova hoje, já está escrito, o que o pregador precisa é encontrar a verdade única contida no texto e já revelada por Deus.

No seminário, aprendi que existem três pontos de abordagem. Aprendí a conhecer as línguas bíblicas e a sua estrutura, tudo para proporcionar a mim que ia pregar, subsídios para que a minha pregação fosse a mais bíblica possível.

Aqueles que estudaram pelo método histórico-crítico (defunto), foram treinados a irem ao texto em busca de idéias para a pregação, não no sentido de exporem ao texto, mas de encontrarem um tema para pregar. Esse método não crê na Bíblia como Palavra de Deus e não crê que seja possível resgatar a intenção original do autor. Infelizmente a maioria dos pregadores ainda fazem uso desse método. Já o métódo histórico-gramatical busca dizer o que o texto diz, qual é a mensagem de Deus alí naquela porção bíblica, não importa o tamanho do texto base, contanto que este esteja de acordo com o contexto de toda Bíblia.

A pregação faz parte da disciplina Homilética e esta é uma arte que se aprendida adequadamente ajudará em muito o pregador na entregas de seus sermões. Existem muitos bons livros sobre homilética, mas os dois que mais me marcaram foram: “Da pesquisa ao púlpito” de Jilton Moraes (Meu professor num curso de mestrado no Seminário Batista Equatorial em Belém – PA) e um outro livro em espanhol, que não me recordo o nome agora, mas que tratava de criatividade na apresentação da mensagem. Lembro-me também das aulas do meu professor Hans Ulrich Reifler, que sempre admirei como pregador. Acredito e prego sermões expositivos por acreditar que somente a Palavra criadora de Deus pode nos libertar. A palavra de Deus vem a nós com o poder de nos libertar do pecado, morte e Satanás.

Pregação expositiva da Bíblia é muito mais do que uma proposição, é muito mais do que procurar idéias, é proclamar as verdades de Deus, é falar a verdade de Deus contida no texto, em nome de Deus, para que chegue aos ouvidos do pecador e este, transformado e revivido por Deus, responda positivamenteao seu chamado.

Pregação portanto começa com a escolha do texto bíblico, análise lingüística e histórica, exposição do que o texto verdadeiramente diz com a intenção de que os ouvintes possam se sentir estimulados a viverem uma vida de acordo com a vida que o Senhor deseja que ele viva, não com base em princípios sociológicos e de ética moderna, mas de acordo com os eternos propósitos de Deus, válidos para todas as geografias, culturas e épocas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

QUALIDADES DE UM BOM DESPENSEIRO.

Por Rev. João d'Eça Sermão pregado na Igreja Presbiteriana Monte Moriah, São Luís, MA, dia 14/01/2007 As qualidades de um bom despenseiro. "Servi uns aos outros, cada um conforme o dom que recebeu, como bons despenseiros da multiforme graça de Deus". (I Pedro 4: 10). Introdução: O termo despenseiro tem o significado de alguém que cuida da despensa, ou seja, é o local da casa onde se guarda os alimentos e os outros mantimentos, nesse caso, despenseiro é o que toma de conta de toda a despensa, é uma espécie de Mordomo. No caso do texto básico da mensagem, despenseiro é aquele que administra os dons da multiforme graça de Deus, de maneira que pessa abençoar a si mesmo e ao seu próximo. * Muitas pessoas pensam que todas as coisas são sua propriedade. * A Bíblia nos ensina diferente, pois diz: "Do Senhor é a Terra e a sua plenitude, o mundo e os que nele habitam." ( Salmos 24:1). O profeta Ageu diz também: "O ouro e a prata são seus." * O…

DICIONÁRIO "MARANHENSE" !!!

Por



Rev. João d'EçaJoão do Vale, nosso poeta popular, em uma de suas canções diz: "minha terra tem belezas que em versos não sei dizer; mesmo porque não tem graça, só se vendo pode crer..."As coisas do Maranhão são espetaculares, sua natureza é exuberante, suas cidades são magnificas e sua Capital é encantadora. Eu amo minha cidade de paixão.Há muita coisa que não gosto em São Luís, não tem nada a ver com a natureza ou com a sua história, mas tem a ver com algumas pessoas que tiram a paz de outras pessoas, sem respeitar os seus direitos, mas isso é outra história...Quero lhes apresentar algumas palavras do vocabulário popular maranhense (está bastante incompleto, mas já é alguma coisa, desafio os leitores a me escreverem e me ensinarem novas palavras desse nosso rico "dicionário popular maranhense").Recebi de um amigo, numa lista de E-mails, essa lista que lhes apresento abaixo, achei muito divertido e interessante, fiz algumas adaptações e publico aqui e agora…

"LANÇA O TEU SOBRE AS ÁGUAS" - Eclesiastes 11: 1

PorRev. João d'EçaO texto diz: "Lança o teu pãp sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás"O que será que as Escrituras Sagradas estão nos ensinando aqui?A palavra "pão" sempre foi figura daquilo que ganhamos no dia-a-dia. As pessoas nos indagam: - "Você está indo pra onde?"- Vou ganhar o pão de cada dia (trabalho).Os estudiosos do AT, nos dizem que aqui há duas figuras:1ª Figura: AS CHEIAS DO RIO NILO - Eles jogavam as sementes quando a enchente estava baixando, no final da baixa, as sementes do trigo e da cevada, floresciam.2ª Figura: O COMERCIANTE - O comerciante pegava o seu barco, carregava com os bens que havia produzido e sai para comercializar em outras terras. "Lança o teu pão sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás".No versículos 2, o escritor sagrado nos dá uma lição preciosa, ele nos diz que devemos diversificar a nossa aplicação, porque não sabemos o que ácontecerá amanhã.Como servos dos Deus vivo, o S…