Pular para o conteúdo principal

O SERMÃO DA MONTANHA = SOCIEDADE IDEAL

Uma montanha em Israel, serviu de cátedra para o maravilhoso sermão de Jesus Cristo, as Bem-aventuranças. O texto está em Mateus, nos capítulos 5 a 7 do seu Evangelho.

O Sermão da Montanha é a Constituição para o governo da justiça social, com fundamento na vida das relações espirituais.

Enquanto os homens e os governos não se organizarem de acordo com os postulados da Justiça de Jesus Cristo, com  base na economia, na moral e na vida espiritual, não haverá paz na terra, pois os homens continuarão em desobediência e pecado.

Em nosso tempo fala-se muito em Justiça Social. Sistemas políticos e governamentais tem proposto muitas e variadas soluções para o problema, porém, a sociedade ideal tem sido apenas sonhada. Nunca foi organizada na terra. Ainda não aconteceu até agora! Será que acontecerá no futuro?

No Egito antigo, as classes mais privilegiadas eram as classes dos sacerdotes e guerreiros, vindo em seguida a classe dos operários, dos agricultores, dos criadores e dos artistas. Por fim vinha a classe dos escravos. Entre os assírios e babilônicos era semelhante, tendo a classe dos sacerdotes e dos guerreiros maiores privilégios.

Os medos e persas conferiam privilégios aos sátrapas. Os árias na Índia, implantaram a mais odiosa organização social, com o regime de castas. Na China antiga exigia-se obediência total.

As civilizações viviam sob a égide do terror dos seus cidadãos e da despótica figura dos monarcas, com sistemas legais rígidos.

Assim também as civilizações clássicas. Os gregos embora tivessem governos populares com tendências republicanas, mantinham os seus hilotas, enquanto que os romanos mantinham-se divididos em patrícios, clientes, plebeus e escravos.

Na Idade Média, era o clero que sobrepujava os cidadãos comuns em todos os setores da vida.

Nos regimes totalitários os indivíduos se anulam e as coletividades (comunismo) se escravizam ao Estado (socialismo) materializado na pessoa dos ditadores ou do Partido.

Reina por toda parte o desejo por uma sociedade ideal em que todas as pessoas tenham pão, moradia e vivam felizes.

Jesus Cristo oferece no Sermão da Montanha as bases para a sociedade ideal. Nessa sociedade ideal, a vida dos discipulos de Jesus deve ser o "sal da terra" e a "luz do mundo", onde a Lei de Deus deve ser observada, onde a justiça deve ser exercida para os que querem ingressar no Reino. O perdão é o alvo e o objetivo de todos para a vida em paz e em harmonia entre a criatura e o criador.

A alma vale mais do que o corpo. A pureza da vida vale mais do que um olho ou uma mão, que podem até serem decepados para não prejudicar a entrada da alma no Reino.

O amor é a lei suprema, a boa-vontade é fundamental. Na sociedade ideal existem pobres e eles são bem-aventurados, existem esmolas, porém estas devem ser ocultadas para poderem ser vistas por Deus. Nessa sociedade ideal os tesouros celestiais valem muito mais que os terreais. Ao invés da preocupação com o dia de amanhã, Jesus indica que se busque em primeiro lugar o Reino de Deus para que todas as outras coisas sejam acrescentadas.

Na sociedade ideal existe uma regra, "a Regra de Ouro": "Aquilo que quereis que os homens vos façam, façais vós primeiro a eles". Na sociedade ideal, a porta da salvação é estreita, enquanto que largo e espaçoso é o caminho da perdição.

Os misericordiosos alcançaram misericórdia, os que tem fome e sede de justiça serão fartos, os que choram serão consolados, o reino é garantido aos pobres também e os puros de coração verão a Deus. A palavra deve ser a verdadeira, a mentira deve ser abolida, o vosso falar seja sim, sim e não, não, o que passa disso é de procedência maligna.O leito conjugal deve ser mantido sem mácula, o perdão entre os homens é condição de felicidade e Deus somente aceitará a adoração daquele que se reconciliar com o seu irmão.

O Sermão da Montanha é a Constituição da Sociedade Ideal, é o fundamento da paz, é o modo ideal de vida para alegria e felicidade entre os homens.

*Em honra à memória de Natanael Cortêz

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

QUALIDADES DE UM BOM DESPENSEIRO.

Por Rev. João d'Eça Sermão pregado na Igreja Presbiteriana Monte Moriah, São Luís, MA, dia 14/01/2007 As qualidades de um bom despenseiro. "Servi uns aos outros, cada um conforme o dom que recebeu, como bons despenseiros da multiforme graça de Deus". (I Pedro 4: 10). Introdução: O termo despenseiro tem o significado de alguém que cuida da despensa, ou seja, é o local da casa onde se guarda os alimentos e os outros mantimentos, nesse caso, despenseiro é o que toma de conta de toda a despensa, é uma espécie de Mordomo. No caso do texto básico da mensagem, despenseiro é aquele que administra os dons da multiforme graça de Deus, de maneira que pessa abençoar a si mesmo e ao seu próximo. * Muitas pessoas pensam que todas as coisas são sua propriedade. * A Bíblia nos ensina diferente, pois diz: "Do Senhor é a Terra e a sua plenitude, o mundo e os que nele habitam." ( Salmos 24:1). O profeta Ageu diz também: "O ouro e a prata são seus." * O…

DICIONÁRIO "MARANHENSE" !!!

Por



Rev. João d'EçaJoão do Vale, nosso poeta popular, em uma de suas canções diz: "minha terra tem belezas que em versos não sei dizer; mesmo porque não tem graça, só se vendo pode crer..."As coisas do Maranhão são espetaculares, sua natureza é exuberante, suas cidades são magnificas e sua Capital é encantadora. Eu amo minha cidade de paixão.Há muita coisa que não gosto em São Luís, não tem nada a ver com a natureza ou com a sua história, mas tem a ver com algumas pessoas que tiram a paz de outras pessoas, sem respeitar os seus direitos, mas isso é outra história...Quero lhes apresentar algumas palavras do vocabulário popular maranhense (está bastante incompleto, mas já é alguma coisa, desafio os leitores a me escreverem e me ensinarem novas palavras desse nosso rico "dicionário popular maranhense").Recebi de um amigo, numa lista de E-mails, essa lista que lhes apresento abaixo, achei muito divertido e interessante, fiz algumas adaptações e publico aqui e agora…

"LANÇA O TEU SOBRE AS ÁGUAS" - Eclesiastes 11: 1

PorRev. João d'EçaO texto diz: "Lança o teu pãp sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás"O que será que as Escrituras Sagradas estão nos ensinando aqui?A palavra "pão" sempre foi figura daquilo que ganhamos no dia-a-dia. As pessoas nos indagam: - "Você está indo pra onde?"- Vou ganhar o pão de cada dia (trabalho).Os estudiosos do AT, nos dizem que aqui há duas figuras:1ª Figura: AS CHEIAS DO RIO NILO - Eles jogavam as sementes quando a enchente estava baixando, no final da baixa, as sementes do trigo e da cevada, floresciam.2ª Figura: O COMERCIANTE - O comerciante pegava o seu barco, carregava com os bens que havia produzido e sai para comercializar em outras terras. "Lança o teu pão sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás".No versículos 2, o escritor sagrado nos dá uma lição preciosa, ele nos diz que devemos diversificar a nossa aplicação, porque não sabemos o que ácontecerá amanhã.Como servos dos Deus vivo, o S…