Pular para o conteúdo principal

O SOFRIMENTO DE JOÃO CALVINO

No último dia 10 de Julho de 2009, a cristandade comemorou os 500 anos de um dos maiores pensadores da segunda metade do 2º milênio da era cristã, João Calvino, reformador frencês, mas que desenvolveu o seu ministério na cidade de Genebra na Suiça.] João Calvino tem influênciado as gerações em todos os campos do conhecimento humano desde o século XVI até hoje, e continuará com a mesma influência, enquanto existir a humanidade ou até que apareça um pensador tão completo quanto ele foi. Publico aqui um texto editado de um escritor católico, para mostrar o respeito por Calvino, até daqueles que foram seus inimigos declarados, que o excomungaram e o perseguiram por anos, até que ele pode desenvolver o seu trabalho com uma certa paz. O texto fala dos últimos anos de vida de Calvino e o que Causou a sua morte por tuberculose, num tempo em que não havia cura pra essa doênça, que aliás é conhecida como a doênça dos escritores e pensadores. O título é: "O SOFRIMENTO DE JOÃO CALVINO". O SOFRIMENTO DE CALVINO Por Daniel-Rops Na véspera do Natal de 1559, quando pregava na Igreja de São Pedro, abarrotada de gente, Calvino teve de forçar a voz. No seguinte, uma tosse violenta e escarros de sangue. O médico diagnosticou-lhe uma doênça para a qual ainda não havia cura: a tuberculose. O enfermo tinha apenas 50 anos, e o seu organismo, atacado desde a muito tempo por muitas doênças, desgastado pelo trabalho e pelas preocupações. Despertados pelo novo abalo, todos os males que já lhe eram familiares lançaram-se ao ataque: pulmões, rins, intestinos, encéfalo e até os braços e as pernas. Dentro em breve, todas as partes do seu organismo foram foco de dores terríveis. Calvino suportaria essa provação durante 5 anos, com uma coragem física e uma firmeza admiráveis. Torturado pelas cólicas, pela febre e pelas dores, mesmo assim continuou com seus trabalhos, à sua correspondência, e aos seus livros, e mesmo à sua pregação, que no entanto lhe exigia um esforço sobre-humano. Nos dias em que não podia ficar em pé, pregava sentado, e, se não conseguia andar, dois homens o levavam à igreja em uma cadeira. Por vezes, as dores eram tão fortes que o ouviam murmurar, como uma prece a pedir libertação: "Até quando, Senhor, até quando?" No entanto, a morte lhe deu um novo adiamento, ele próprio, o moribundo - o seu aspecto era já de um cadáver - ordenou que o levassem para participar pela última vez de uma reunião e com a voz ofegante, cortada por tosses, falou dirante duas horas. A seguir, falou dos grandes princípios e apaixonadamente do Evangelho. O esforço exigido deixou-o esgotado. No dia seguinte, sobreveio-lhe nova expectoração sanguínea. Não abandonou mais o leito e falava com dificuldade, exceto para murmurar as suas orações. Ouviam-no dizer várias vezes: "Senhor, tu me esmagas, mas para mim é suficiente que seja pela tua mão". Ninguém o viu entregar a alma ao Criador, calmamente, em 27 de Maio de 1564, por volta das 8 da noite. De acordo com a sua vontade, envolveram-no o corpo num grosseiro pano cru e depositaram-no num caixão de pinho, semelhante aqueles em que se enterravam os pobres. Sem discursos e sem cânticos, foi conduzido por uma imensa multidão ao cemitério Plainpalais. Não se erigiu monumento sobre o túmulo, nem uma cruz ou uma só pedra. assim quis ele regressar ao pó, sem glórias ou honras, mas no anonimato e no silêncio. Não se pode dizer até hoje com certeza o lugar onde jaz João Calvino. Poucos, no entanto, deixaram sobre a terra um rastro tão profundo. Semeou grandes idéias, realizou grandes coisas e determinou grandes acontecimentos. A história não teria sido tal como foi se ele não tivesse vivido, pensado e agido com a sua vontade implacável. Perto de 50 milhões de cristãos seguem hoje os seus ensinamentos. Dos 45 milhões de Reformados e Presbiterianos, e 5 milhões entre os Congregacionais. Não há nenhum setor do protestantismo onde não se possa encontrar alguma moeda do seu tesouro. Não resta qualquer dúvida, de que a sua influência foi determinante, até no desenvolvimento do capitalismo, da democracia e do socialismo. Calvino pertence incontestavelmente ao pequeníssimo grupo de mestres, que no decorrer dos séculos, moldaram com as suas mãos o destino do mundo.

Comentários

JuNiOr oficial disse…
Fantástico,li sua biografia e me emocionei bastante.Deus abençoe irmão,ótimo artigo.

Postagens mais visitadas deste blog

QUALIDADES DE UM BOM DESPENSEIRO.

Por Rev. João d'Eça Sermão pregado na Igreja Presbiteriana Monte Moriah, São Luís, MA, dia 14/01/2007 As qualidades de um bom despenseiro. "Servi uns aos outros, cada um conforme o dom que recebeu, como bons despenseiros da multiforme graça de Deus". (I Pedro 4: 10). Introdução: O termo despenseiro tem o significado de alguém que cuida da despensa, ou seja, é o local da casa onde se guarda os alimentos e os outros mantimentos, nesse caso, despenseiro é o que toma de conta de toda a despensa, é uma espécie de Mordomo. No caso do texto básico da mensagem, despenseiro é aquele que administra os dons da multiforme graça de Deus, de maneira que pessa abençoar a si mesmo e ao seu próximo. * Muitas pessoas pensam que todas as coisas são sua propriedade. * A Bíblia nos ensina diferente, pois diz: "Do Senhor é a Terra e a sua plenitude, o mundo e os que nele habitam." ( Salmos 24:1). O profeta Ageu diz também: "O ouro e a prata são seus." * O…

DICIONÁRIO "MARANHENSE" !!!

Por



Rev. João d'EçaJoão do Vale, nosso poeta popular, em uma de suas canções diz: "minha terra tem belezas que em versos não sei dizer; mesmo porque não tem graça, só se vendo pode crer..."As coisas do Maranhão são espetaculares, sua natureza é exuberante, suas cidades são magnificas e sua Capital é encantadora. Eu amo minha cidade de paixão.Há muita coisa que não gosto em São Luís, não tem nada a ver com a natureza ou com a sua história, mas tem a ver com algumas pessoas que tiram a paz de outras pessoas, sem respeitar os seus direitos, mas isso é outra história...Quero lhes apresentar algumas palavras do vocabulário popular maranhense (está bastante incompleto, mas já é alguma coisa, desafio os leitores a me escreverem e me ensinarem novas palavras desse nosso rico "dicionário popular maranhense").Recebi de um amigo, numa lista de E-mails, essa lista que lhes apresento abaixo, achei muito divertido e interessante, fiz algumas adaptações e publico aqui e agora…

"LANÇA O TEU SOBRE AS ÁGUAS" - Eclesiastes 11: 1

PorRev. João d'EçaO texto diz: "Lança o teu pãp sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás"O que será que as Escrituras Sagradas estão nos ensinando aqui?A palavra "pão" sempre foi figura daquilo que ganhamos no dia-a-dia. As pessoas nos indagam: - "Você está indo pra onde?"- Vou ganhar o pão de cada dia (trabalho).Os estudiosos do AT, nos dizem que aqui há duas figuras:1ª Figura: AS CHEIAS DO RIO NILO - Eles jogavam as sementes quando a enchente estava baixando, no final da baixa, as sementes do trigo e da cevada, floresciam.2ª Figura: O COMERCIANTE - O comerciante pegava o seu barco, carregava com os bens que havia produzido e sai para comercializar em outras terras. "Lança o teu pão sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás".No versículos 2, o escritor sagrado nos dá uma lição preciosa, ele nos diz que devemos diversificar a nossa aplicação, porque não sabemos o que ácontecerá amanhã.Como servos dos Deus vivo, o S…