Pular para o conteúdo principal

A CIÊNCIA TEM AUTORIDADE PARA FALAR DE RELIGIÃO?

Por
Rev. João d'Eça
Alguns cientistas das ciências naturais como Matemática e Física, nos últimos tempos, tem atacado a religião com um sentimento de mais ou menos raiva, com base nos seus diplomas acadêmicos, acham que possuem autoridade suficiente para fazer esses ataques.
Dentre esses que atacam, podemos citar os que são mais raivosos como Christopher Richten, John Allan Paulos e Richard Dawkins, que pensam que os seus diplomas adquiridos em destacadas Universidades, os habilitam para falarem de religião.
Os cientistas citados, em seus postulados, afirmam que os cientistas do passado que também eram matemáticos e físicos e que criam na existência de Deus, dizem que eles tinham uma concepção muito particular de Deus e o que para eles era Deus, era totalmente diferente para o cidadão comum. Dizem que as leis impessoais do universo já foram chamadas de Deus e que portanto definir Deus assim, então, Deus existe.
Com afirmações como essas, concluímos que eles nunca leram aqueles que eles atacam, como Leibniz e Pascal, por exemplo. Uma outra forma de ataque que eles se utilizam é a leitura que fazem da Bíblia. Eles fazem uma leitura literal e tentam provar que as afirmações a partir de uma leitura da Bíblia feita literalmente não se sustentam. Ora esse é um empreendimento totalmente ingênuo, fútil e infantil.
Na verdade, com essa atitude, eles estão discutindo com a crença do cidadão comum acerca de Deus, somente em áreas periféricas, não discutem o centro, o âmago, não combatem os postulados dos grandes pensadores da religião cristã, não tem conhecimento das línguas originais e nem da filosofia da religião ou da história da teologia.
É claro que o conhecimento do cidadão comum é totalmente periférico, metafórico, alusivo e simbólico; que parte de uma leitura literal dos seus postulados. A simples alegação do cidadão comum, que atribui a Deus, a cura de uma doença, por exemplo, não pode ser afirmado e muito menos impugnado, porque careceria de uma seqüência de operações lógicas extremamente complicadas.
O que pode ser testado, examinado e discutido, não são jamais, as crenças metafóricas do cidadão comum, mas sim, as teses sistematizadas pelas quais a religião se expressa. Somente a teologia de alto nível podem ser discutidas, que é o que eles não fazem.
Não vemos esses homens combaterem as teses de Agostinho, de Tomás de Aquino, de Lutero, de Calvino, de Berkhof, de Hodge e de muitos outros. Eles fogem disso e apenas vão discutir as crenças periféricas e metafóricas do cidadão comum com os seus diplomas de Matemática e Física, e o resultado: Vitória pra ciência, é claro! Sabe o que é isso? É charlatanismo puro.
Não se pode desprezar ou fazer afirmações de inverdade a um postulado científico de Einstein, por exemplo, indagando do padeiro da esquina sobre o seu conhecimento das teorias do grande cientista, isso seria vigarice intelectual, e é exatamente isso que fazem, Charles Dawkins, John Paulos e outros. Para eles, a crença do cidadão comum é que representa a verdadeira religião e a crença dos teólogos e filósofos citados acima, para eles não é religião.
Eles não estão preocupados com uma discussão séria, o que eles querem é difamar. O que querem ainda, além de difamar, é ganhar dinheiro com a venda dos seus livros e com apresentação de palestras em universidades ao redor do mundo, ou seja, são mercenários da intelectualidade, e o pior, existem milhares de bobalhões ovacionando esses desonestos.
Eles são grandes charlatões e infelizmente repórteres, jornais e revistas estão puxando o saco desse pessoal e dando ouvidos a eles, porque são ignorantes, porque acreditam que eles derrubaram as crenças no cristianismo, por causa do embate deles com o trabalhador que freqüenta a Igreja Universal, ou com a irmãzinha comum que aos finais de semana freqüenta o culto da igreja da esquina.
Definitivamente, não dá pra acreditar nesses homens como honestos e bem intencionados.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DICIONÁRIO "MARANHENSE" !!!

Por



Rev. João d'EçaJoão do Vale, nosso poeta popular, em uma de suas canções diz: "minha terra tem belezas que em versos não sei dizer; mesmo porque não tem graça, só se vendo pode crer..."As coisas do Maranhão são espetaculares, sua natureza é exuberante, suas cidades são magnificas e sua Capital é encantadora. Eu amo minha cidade de paixão.Há muita coisa que não gosto em São Luís, não tem nada a ver com a natureza ou com a sua história, mas tem a ver com algumas pessoas que tiram a paz de outras pessoas, sem respeitar os seus direitos, mas isso é outra história...Quero lhes apresentar algumas palavras do vocabulário popular maranhense (está bastante incompleto, mas já é alguma coisa, desafio os leitores a me escreverem e me ensinarem novas palavras desse nosso rico "dicionário popular maranhense").Recebi de um amigo, numa lista de E-mails, essa lista que lhes apresento abaixo, achei muito divertido e interessante, fiz algumas adaptações e publico aqui e agora…

"LANÇA O TEU SOBRE AS ÁGUAS" - Eclesiastes 11: 1

PorRev. João d'EçaO texto diz: "Lança o teu pãp sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás"O que será que as Escrituras Sagradas estão nos ensinando aqui?A palavra "pão" sempre foi figura daquilo que ganhamos no dia-a-dia. As pessoas nos indagam: - "Você está indo pra onde?"- Vou ganhar o pão de cada dia (trabalho).Os estudiosos do AT, nos dizem que aqui há duas figuras:1ª Figura: AS CHEIAS DO RIO NILO - Eles jogavam as sementes quando a enchente estava baixando, no final da baixa, as sementes do trigo e da cevada, floresciam.2ª Figura: O COMERCIANTE - O comerciante pegava o seu barco, carregava com os bens que havia produzido e sai para comercializar em outras terras. "Lança o teu pão sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás".No versículos 2, o escritor sagrado nos dá uma lição preciosa, ele nos diz que devemos diversificar a nossa aplicação, porque não sabemos o que ácontecerá amanhã.Como servos dos Deus vivo, o S…

QUALIDADES DE UM BOM DESPENSEIRO.

Por Rev. João d'Eça Sermão pregado na Igreja Presbiteriana Monte Moriah, São Luís, MA, dia 14/01/2007 As qualidades de um bom despenseiro. "Servi uns aos outros, cada um conforme o dom que recebeu, como bons despenseiros da multiforme graça de Deus". (I Pedro 4: 10). Introdução: O termo despenseiro tem o significado de alguém que cuida da despensa, ou seja, é o local da casa onde se guarda os alimentos e os outros mantimentos, nesse caso, despenseiro é o que toma de conta de toda a despensa, é uma espécie de Mordomo. No caso do texto básico da mensagem, despenseiro é aquele que administra os dons da multiforme graça de Deus, de maneira que pessa abençoar a si mesmo e ao seu próximo. * Muitas pessoas pensam que todas as coisas são sua propriedade. * A Bíblia nos ensina diferente, pois diz: "Do Senhor é a Terra e a sua plenitude, o mundo e os que nele habitam." ( Salmos 24:1). O profeta Ageu diz também: "O ouro e a prata são seus." * O…