Pular para o conteúdo principal

ORIGENS DA FAMÍLIA d’EÇA NO MARANHÃO

Brasão da Família d'Eça

A SAGA DA FAMÍLIA d'EÇA

by Rev. João d’Eça

Introdução:

A origem da família “d’Eça” no Maranhão data do período colonial e da participação ativa nas origens da cidade de São Luís, capital do Estado. O primeiro dos “d’Eça” a ser mencionado na história foi Manuel de Sousa de Eça, aliás, o sobrenome “d’Eça” é escrito como está grafado com “d” minúsculo e “E” maiúsculo, pelo simples fato de que a regra gramatical exige que seja assim. Portanto é um erro quando alguém que não conhece a regra gramatical e suas exceções acha que nome próprio deve ser escrito com maiúscula em toda situação. Ocorre que “d’Eça” é uma contração de “de Eça”, assim como “de Água”, que quando contraído fica “d’Água”, usando-se o apóstrofo, como “de Eça”, fica “d’Eça”, com o apóstrofo.


MANUEL DE SOUSA d’EÇA

Manuel de Sousa d’Eça era fidalgo português um dos maiores heróis da colonização do norte brasileiro era filho de Luís Álvares de Espina, de Ilhéus, e foi possivelmente quem ocupou o maior número de cargos diferentes de Provedor da Fazenda Real. Assim, foi provedor da Bahia, antes de 1612, de Pernambuco, de 1612 a 1614, da Paraíba em 1613, "do rio Amazonas" em 1616 e do Maranhão e Pará em 1617.

Era militar dos mais valentes e participou de 1614 a 1617 das lutas contra os franceses no Maranhão; não quis assinar a paz com eles e na viagem de volta a Pernambuco seu “caravelão” foi arrastado para as Índias de Castela (Antilhas); dali passou a Portugal, onde comandou um “patacho” na esquadra de D. Jerônimo de Almeida, ocasião em que pelejou com dois navios turcos. Intrigas políticas fizeram com que ficasse preso 4 anos em Portugal, mas acabou sendo nomeado capitão-mor do Grão-Pará, cargo do qual tomou posse em 6 de Outubro de 1626, sucedendo a Bento Maciel Parente. Em 1625 havia, em companhia de Jácome Raimundo de Noronha, comandado um dos navios da expedição enviada de São Luís para fundar a capitania do Ceará. Em 1624 havia participado das lutas para a libertação da Bahia. Acabou morrendo no cárcere, depois de ter se desentendido com Feliciano Coelho de Albuquerque.


PERSONAGENS DESTACADOS NA HISTÓRIA

Bernardo Pereira de Berredo que foi Governador da Província do Maranhão de 1726 a 1729 e escreveu os “Anais históricos do Estado do Maranhão”, descreve Manuel de Sousa d’Eça no seu livro como sendo um Capitão e que era natural de uma das Ilhas dos Açores, precisamente a ilha de Ilhéus, de onde eram os seus familiares. Manuel d’Eça era o chefe do presídio de Nossa Senhora do Rosário que passava por inúmeros apertos por falta de comida “havia três meses [...] se sustentavam só de ervas.”[1]

Na iminência de perder o Norte do Brasil para os franceses, os portugueses se organizaram para a retomada do espaço ocupado pelos franceses desde que fundaram a cidade de São Luís, à 8 de setembro de 1612. Berredo nos conta que o governador Gaspar de Sousa, depois que foi informado da situação dos franceses, preparou uma ofensiva para recuperar o tempo perdido. Diz berredo:

Mas conhecendo bem, que os muitos aprestos, que ainda lhe faltavam, naturalmente não cabiam na apertura do tempo, e que se achava reduzida a necessidade da guarnição do forte, quando era igual,  a que também sentia nas munições de guerra; acudiu ambas com o pronto socorro de um caravelão, guarnecido de trezentos soldados à ordem do Capitão Manuel de Sousa de Eça, natural de uma das ilhas dos Açores. E provedor dos defuntos, e ausentes da Capitania de Pernambuco, donde saiu em 28 de maio.

Manuel d’Eça chegou em São Luís depois de doze dias de viagem e depois que desembarcou, levou consigo apenas 18 homens com os quais enfrentou os franceses comandados pelo sr. De Prat, impondo-lhe uma derrota, por causa da irregularidade do terreno com o qual os franceses estavam desacostumados, salvando a vida dos de sua embarcação, já que os franceses eram em maior número.

Manuel d’Eça se distinguiu na batalha de Guaxemduba o que causou para si o infortúnio de ser motivo de inveja do sobrinho de Jerônimo de Albuquerque, que era comandante do presídio, porque Manuel d’Eça tomou a vanguarda e foi o responsável pela vitória. Mário Meireles destaca a participação de Manuel d’Eça, dizendo: “...porém a maior parte destes de reserva, sob o comando do capitão Gregório Fragoso; e, secundado pelo capitão Manuel de Sousa d’Eça.”[2]


JOSÉ DA CUNHA d’EÇA

O outro personagem dessa história que visa resgatar a origem do nome dos “d’Eça” no Maranhão é o de José da Cunha d’Eça, foi o fundador da cidade Arari-MA e Vitória do Mearim em 1723. Fidalgo da Casa Real e capitão-mor que foi da Capitania do Maranhão.

Há um verbete desse personagem no Dicionário Histórico-Geográfico da Provincia do Maranhão (1870). Era um homem afortunado, rico e cheio de posses, que usava os seus recursos para angariar simpatias.

A origem nobre de José da Cunha d’Eça é comprovada por ser ele uma das famílias mais tradicionais de Portugal, mas também pela comunicação do rei de Portugal que confirmou as ordens ao fidalgo, comunicando ao Provedor-Mor da Fazendo no Maranhão e o mandou admitir ao seu real padroado a igreja que ele construiu no Mearim.

ORIGENS

“A família d’Eça do Maranhão provém de D. Pedro I, de Portugal, e de D. Inês de Castro, por seu filho D. João, senhor de muitas terras e detentor, portanto, de suas respectivas jurisdições e rendas todas concedidas por mercê de seu pai, por carta de 1360, para ele e seus descendentes.”[3]

De sua primeira esposa, D. Maria Teles de Meneses, D. João teve um filho apenas, D. Fernando, que saiu do reino com ele e viveu por muito tempo em Galiza, onde teve o senhorio da Vila Eça, da qual se originou o sobrenome da família. D. Fernando, sem enviuvar, foi casado com várias mulheres, com as quais teve 42 filhos. Esse era o controvertido padre José da Cunha d’Eça, fundador do povoado que originou Vitória do Mearim e Arari.

O PADRE JOSÉ DA CUNHA D’EÇA

Era padre, mas como era na época, a sua ordenação foi comprada e não seria o caso de vocação. Assim como muitos papas ao longo da história o foram em troca de benesses para a igreja. Para abraçar o sacerdócio, José da Cunha d’Eça apelou para o bispo D. Frei José Delgate, que lhe ordenou, não há registro de que essa ordenação tenha sido feita em São Luís ou em Belém, já que ambos moraram nas duas cidades, conforme diz Berredo nos Anais.

ORIGEM FAMILIARES EM ROSÁRIO

A origem dos meus familiares está na cidade de Rosário, onde o meu bisavô, Sérvulo d’Eça e seus dois irmãos, Honorato d’Eça e Iria d’Eça, construíram uma numerosa família com várias ramificações. Do meu bisavô eu descendo de meu avô Caetano d’Eça que casou-se com Filomena, do qual nasceram vários filhos, dentre eles meu pai, Oeldinantes d’Eça. A minha avô após separar-se do meu avô Caetano, casou-se com o primo de meu avô, filho de Iria d’Eça, o qual era conhecido como Zeca de Iria (ou Zeca, filho de Iria). Desse ramo muitos outros filhos nasceram, irmãos de meu pai por parte de mãe, mas que são parentes consanguíneos, vindo da mesma raiz.

Essa é a origem da família “d’Eça”. Se você é um “d’Eça” vindo dessa linhagem, você é privilegiado, pois a história da sua família é uma Saga. Infelizmente temos encontrado falsos “d’Eça”, mas se querem ter o privilégio de carregar o nome, que façam assim, só que a história irá contar a verdade.

Estou escrevendo uma obra que conta a história dessa família. Se você tem informações, fotos, subsídios, histórias pra contar, entre em contato comigo e eu terei o maior prazer em ir até você e conhecer o que você tem para contar a “Saga da Família d’Eça”.

Se você tiver documentos e fotos, eu estou montando um arquivo da família para que a história seja preservada e as gerações futuras possam conhecer sobre o nosso passado e as nossas origens.

Estou esperando o seu contato. Fale comigo:

Rev. João d’Eça
Tel. (98) 3243-2694
(98) 8807-6712 (Oi) e (98) 8256-5247 (Tim).



Bibliografia:

BERREDO, Bernardo Pereira de. Anais Históricos do Estado do Maranhão.

CANTANHEDE, Washington. Vitória do Mearim, dos primórdios à Emancipação.

CALMON, Pedro. História do Brasil, v.1.

CALMON, Pedro. Introdução e Notas ao Catálogo Genealógico de Frei Jaboatão.

MEIRELES, Mário. História do Maranhão.

MORAES, Melo. Chronica Geral.

SALVADOR, Frei Vicente do. História do Brasil.

VARNHAGEN, História Geral do Brasil.


[1] BERREDO, Bernardo Pereira. Anais históricos do Estado do Maranhão. Rio de Janeiro: Tipo editor, 1988, p. 66, 67
[2] MEIRELES, Mário. História do Maranhão. Imperatriz: Ética, 2008, p. 54
[3] CANTANHEDE, Washington. Vitória do Mearim, dos primórdios à emancipação. São Luís: Lithograf, 1998, p. 84, 85

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DICIONÁRIO "MARANHENSE" !!!

Por



Rev. João d'EçaJoão do Vale, nosso poeta popular, em uma de suas canções diz: "minha terra tem belezas que em versos não sei dizer; mesmo porque não tem graça, só se vendo pode crer..."As coisas do Maranhão são espetaculares, sua natureza é exuberante, suas cidades são magnificas e sua Capital é encantadora. Eu amo minha cidade de paixão.Há muita coisa que não gosto em São Luís, não tem nada a ver com a natureza ou com a sua história, mas tem a ver com algumas pessoas que tiram a paz de outras pessoas, sem respeitar os seus direitos, mas isso é outra história...Quero lhes apresentar algumas palavras do vocabulário popular maranhense (está bastante incompleto, mas já é alguma coisa, desafio os leitores a me escreverem e me ensinarem novas palavras desse nosso rico "dicionário popular maranhense").Recebi de um amigo, numa lista de E-mails, essa lista que lhes apresento abaixo, achei muito divertido e interessante, fiz algumas adaptações e publico aqui e agora…

"LANÇA O TEU SOBRE AS ÁGUAS" - Eclesiastes 11: 1

PorRev. João d'EçaO texto diz: "Lança o teu pãp sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás"O que será que as Escrituras Sagradas estão nos ensinando aqui?A palavra "pão" sempre foi figura daquilo que ganhamos no dia-a-dia. As pessoas nos indagam: - "Você está indo pra onde?"- Vou ganhar o pão de cada dia (trabalho).Os estudiosos do AT, nos dizem que aqui há duas figuras:1ª Figura: AS CHEIAS DO RIO NILO - Eles jogavam as sementes quando a enchente estava baixando, no final da baixa, as sementes do trigo e da cevada, floresciam.2ª Figura: O COMERCIANTE - O comerciante pegava o seu barco, carregava com os bens que havia produzido e sai para comercializar em outras terras. "Lança o teu pão sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás".No versículos 2, o escritor sagrado nos dá uma lição preciosa, ele nos diz que devemos diversificar a nossa aplicação, porque não sabemos o que ácontecerá amanhã.Como servos dos Deus vivo, o S…

QUALIDADES DE UM BOM DESPENSEIRO.

Por Rev. João d'Eça Sermão pregado na Igreja Presbiteriana Monte Moriah, São Luís, MA, dia 14/01/2007 As qualidades de um bom despenseiro. "Servi uns aos outros, cada um conforme o dom que recebeu, como bons despenseiros da multiforme graça de Deus". (I Pedro 4: 10). Introdução: O termo despenseiro tem o significado de alguém que cuida da despensa, ou seja, é o local da casa onde se guarda os alimentos e os outros mantimentos, nesse caso, despenseiro é o que toma de conta de toda a despensa, é uma espécie de Mordomo. No caso do texto básico da mensagem, despenseiro é aquele que administra os dons da multiforme graça de Deus, de maneira que pessa abençoar a si mesmo e ao seu próximo. * Muitas pessoas pensam que todas as coisas são sua propriedade. * A Bíblia nos ensina diferente, pois diz: "Do Senhor é a Terra e a sua plenitude, o mundo e os que nele habitam." ( Salmos 24:1). O profeta Ageu diz também: "O ouro e a prata são seus." * O…