Pular para o conteúdo principal

A MORTE DA MORTE NA MORTE DE CRISTO.


John Owen


"A MORTE DA MORTE NA MORTE DE CRISTO"

Esse é o título de um livro de John Owen (1616-1683), um puritano que viveu no século 17 e que produziu uma obra inigualável. Ele é conhecido como príncipe dos puritanos.

Nenhum outro grupo cristão na história do cristianismo desde a Reforma do século XVI enfatizou tanto a obra do Espírito Santo e a necessidade de uma experiência espiritual que combinasse o aprofundamento bíblico com o grande interesse na experiência espiritual do Santo Espírito como os puritanos.

Erradamente, o termo “puritanos” tornou-se pejorativo, sinônimo de hipocrisia e de perseguição. Mas isso não é verdade. Em que pese, muitos religiosos que se apresentavam como puritanos, terem cometido irregularidades na vida moral e ética, eles eram pessoas que se preocupavam com o zelo pelas Sagradas Escrituras e buscavam uma vida de pureza verdadeira diante de Deus.


O mundo tem uma grande dívida para com os puritanos, pois foi através da sua visão inteiramente bíblica de mundo, que legou ao ocidente, os pressupostos de leis e de Direito que hoje ainda influenciam a nossa vida. Foi a partir do trabalho de matiz puritana na Inglaterra, que o capitalismo nasceu e floresceu. Outro exemplo de herança puritana foi a liberdade religiosa tal qual a conhecemos hoje. O direito divino dos reis, tomou um golpe tão forte que não se recuperou até hoje, graças ao pensamento puritano.


No livro cujo título encima este texto, John Owen trata da expiação, mais precisamente do terceiro ponto da TULIP, a Expiação Limitada. Para se ter um exemplo, esse tema não é popular. Ele vai de encontro a tudo o que costumeiramente se ouve acercas do cristianismo evangélico, argumentando que Jesus Cristo não morreu por todos. De acordo com a Escritura, como mostra Owen, a morte do nosso Senhor Jesus Cristo foi para um propósito único: salvar um grupo especial para si mesmo.

São dois argumentos acerca do tema da expiação, uma expiação universal e uma expiação particular. A primeira diz que a morte de Jesus Cristo foi eficiente para salvar a humanidade e que todos os que querem receber Cristo em seus corações e se arrependem dos seus pecados, serão salvos.

O segundo argumento, que trata da Expiação particular, diz que a morte de cristo na cruz, derramando o seu sangue, foi suficiente para salvar toda a humanidade, mas foi eficiente somente para salvar os eleitos. Não é o homem que escolhe a Deus, ele não pode salvar-se, mas é Deus quem escolhe o homem e o tira do reino das trevas para o reino do seu Filho amado.

Deus não fica ansioso esperando um pecador responder com fé para poder salvá-lo, ele dá a fé ao pecador para que este possa exercer fé e ser salvo. No plano da salvação o homem é passivo, todo o trabalho é de Deus, pois o homem “está morto em seus delitos e pecados”, precisando que Deus o ressuscite da sua condição de morte para receber a vida.

O período da páscoa nos traz essa reflexão. Instituída ainda no Egito (Êx. 12), quando o Senhor providenciou todos os recursos para a libertação do povo, inclusive o cordeiro que seria morto para que o seu sangue, pintado nos umbrais das portas, pudesse ser visto pelo anjo da morte e este não tocasse naquele que estava debaixo do sangue do cordeiro.

Jesus Cristo morreu durante a páscoa judaica, ele é o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. A sua morte venceu a morte tanto para os que viveram antes da sua vinda quanto para os que viveram depois, todos os que foram eleitos por Deus em Cristo antes da fundação do mundo.

O Túmulo Vazio


Em Cristo somos livres da morte, somos privilegiados por sermos eleitos n’Ele, escolhidos por Deus desde a fundação do mundo. A nossa perseverança em amar a Deus e buscar fazer a sua vontade, é a certeza de que somos escolhidos. Não há desespero, não há medo, não há dúvida. “Todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito.” (Rom. 8: 28).

Comentários

Fl@sh disse…
Ainda é possível encontrar esse livro para comprar? Ainda que fosse um e-book, já serviria. Grato.

Postagens mais visitadas deste blog

DICIONÁRIO "MARANHENSE" !!!

Por



Rev. João d'EçaJoão do Vale, nosso poeta popular, em uma de suas canções diz: "minha terra tem belezas que em versos não sei dizer; mesmo porque não tem graça, só se vendo pode crer..."As coisas do Maranhão são espetaculares, sua natureza é exuberante, suas cidades são magnificas e sua Capital é encantadora. Eu amo minha cidade de paixão.Há muita coisa que não gosto em São Luís, não tem nada a ver com a natureza ou com a sua história, mas tem a ver com algumas pessoas que tiram a paz de outras pessoas, sem respeitar os seus direitos, mas isso é outra história...Quero lhes apresentar algumas palavras do vocabulário popular maranhense (está bastante incompleto, mas já é alguma coisa, desafio os leitores a me escreverem e me ensinarem novas palavras desse nosso rico "dicionário popular maranhense").Recebi de um amigo, numa lista de E-mails, essa lista que lhes apresento abaixo, achei muito divertido e interessante, fiz algumas adaptações e publico aqui e agora…

QUALIDADES DE UM BOM DESPENSEIRO.

Por Rev. João d'Eça Sermão pregado na Igreja Presbiteriana Monte Moriah, São Luís, MA, dia 14/01/2007 As qualidades de um bom despenseiro. "Servi uns aos outros, cada um conforme o dom que recebeu, como bons despenseiros da multiforme graça de Deus". (I Pedro 4: 10). Introdução: O termo despenseiro tem o significado de alguém que cuida da despensa, ou seja, é o local da casa onde se guarda os alimentos e os outros mantimentos, nesse caso, despenseiro é o que toma de conta de toda a despensa, é uma espécie de Mordomo. No caso do texto básico da mensagem, despenseiro é aquele que administra os dons da multiforme graça de Deus, de maneira que pessa abençoar a si mesmo e ao seu próximo. * Muitas pessoas pensam que todas as coisas são sua propriedade. * A Bíblia nos ensina diferente, pois diz: "Do Senhor é a Terra e a sua plenitude, o mundo e os que nele habitam." ( Salmos 24:1). O profeta Ageu diz também: "O ouro e a prata são seus." * O…

"LANÇA O TEU SOBRE AS ÁGUAS" - Eclesiastes 11: 1

PorRev. João d'EçaO texto diz: "Lança o teu pãp sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás"O que será que as Escrituras Sagradas estão nos ensinando aqui?A palavra "pão" sempre foi figura daquilo que ganhamos no dia-a-dia. As pessoas nos indagam: - "Você está indo pra onde?"- Vou ganhar o pão de cada dia (trabalho).Os estudiosos do AT, nos dizem que aqui há duas figuras:1ª Figura: AS CHEIAS DO RIO NILO - Eles jogavam as sementes quando a enchente estava baixando, no final da baixa, as sementes do trigo e da cevada, floresciam.2ª Figura: O COMERCIANTE - O comerciante pegava o seu barco, carregava com os bens que havia produzido e sai para comercializar em outras terras. "Lança o teu pão sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás".No versículos 2, o escritor sagrado nos dá uma lição preciosa, ele nos diz que devemos diversificar a nossa aplicação, porque não sabemos o que ácontecerá amanhã.Como servos dos Deus vivo, o S…