Pular para o conteúdo principal

PLÁGIO E PREGAÇÃO

Introdução:

Alguém que eu no momento não lembro quem foi, disse: “Copiar de um é plágio, copiar de vários é erudição.”

Num tempo em que a tecnologia está à disposição de todos com a maior facilidade; que existem inúmeros sermões à disposição na Internet e que os pregadores são tentados a usar o que tem a sua disposição, sem se preocuparem com o estudo sério para pregarem seus sermões e alimentarem o seu povo, nós provocamos a discussão sobre Plágio e Pregação, para saber até onde começa o plágio e até onde vai a criatividade dos pregadores mesmo usando o esboço de um sermão que não foi composto por aquele que está pregando. Como bem disse Spurgeon: “Posso usar o machado de outrem, mas as machadadas serão minhas.”

QUANDO É QUE UM PREGADOR PLAGIOU EM SEU SERMÃO?

Quando ele prega um sermão como se fosse seu, às vezes modificando somente o tema do Sermão. Isto é errado e é pecado. Se algum pregador está fazendo isso, ele deve repensar o seu chamado, ou analisar o seu estudo da Bíblia e a preparação dos seus sermões. Os que plageiam o sermão de outrem, sem lhe dar o devido crédito, cometem pelo menos três pecados:

1 - Estão roubando.
2 – Estão enganado o povo a quem está pregando.
3 – Estão negligenciando o estudo da Bíblia. O estudo séria da Bíblia, faz com que o pregador assimile a verdade de Deus, molda o crente, o torna um homem de Deus, e prepara o pregador para falar em nome d’Ele.

Existem os fazem um recorte de vários lugares do sermão de outros, mas não lhes dão o crédito. É mais justo e mais honesto pregar um sermão inteiro de alguém e lhe dar o crédito, do que fazer recortes aqui e ali, mudando algumas palavras, recontando experiências pessoais como se fossem suas é extremamente ofensivo e denigre a imagem de quem o faz.

Escrever um sermão não é fácil. Esboçar, montar, preencher com conteúdo bom, é um trabalho criativo de quem se dedica ao estudo sério da Bíblia e que lê muito, principalmente outros sermões. Usar um esboço ou a idéia de divisão de alguém, e montar o conteúdo de sua própria experiência de estudo, não é condenável.

Na preparação diligente do sermão, o pregador poderá usar o pensamento de outro pregador para reforçar o entendimento do texto, contanto que faça a devida citação do seu verdadeiro autor. “Como disse fulano em...” Fazer assim nos mantém em disciplina, honestidade e humildade.

Todos os bons pregadores tem o hábito da leitura constante, isso faz com que a memória fique carregada de coisas boas para rechear os sermões. Muitas vezes, essas fontes que estão na memória, podem ser acessadas com muita facilidade. Uma memória bem abastecida é o resultado de hábito de leitura e aprendizagem, e quando acionada, transbordará de forma fácil e feliz com gratidão ao Senhor e bênção para o povo de Deus.

O tema do plágio na pregação é uma discussão crucial para o bem da nossa integridade pessoal e para a honra de Cristo, a quem anunciamos, por isso, precisamos ser muito cuidadosos. Algumas questões em jogo:

1. Não devemos ser culpados de "roubo";
2. Não devemos fingir diante da congregação que somos autores do que na verdade não compomos;
3. Não devemos substituir o estudo sério da Bíblia;
4. Não devemos usar o recurso de "cortar e colar" para preparação do sermão.

Atitudes corretas do pregador honesto:

1. Quando citar, atribua ao autor original.
2. Se a idéia não é sua, dê o crédito a quem de direito.
3. Livros ou artigos que encontrar, serão utéis se compartilhado com a congregação para sua edificação.
4. Se o pregador tem o hábito de gravar e vender os seus sermões em sites ou CDs, deverá ser mais rigoroso ainda.

Reconhecemos que há uma enorme pressão em cima dos pregadores de hoje em dia. Geralmente o pregador tem de exercer outras muitas funções e isso lhe tira tempo de preparação dos sermões. Mas o pregador deve manter-se fiel ao seu chamado e corrigir as falhas que estejam ocorrendo no seu ministério no campo da pregação e preparação de sermões, afinal, o pregador deve dizer: “Assim diz o Senhor” e não fazê-lo mentiroso.

Comentários

Muito bom meu irmão!
A Bíblia é fonte inesgotável de inspiração. Porventura, é possível o tema da cruz, por exemplo, ficar gasto?
Conheço pessoas que fazem isso, mas ainda não tive a coragem de dizer que descobri o plágio. Mais que uma questão de consciência e honestidade, é um dever daquele a quem nos emprestamos nossos ouvidos dominicalmente.
Nem precisamos mencionar a questão financeira, não é? Porque o trabalho do pregador é, como mencionou, um transmissor das palavras do Senhor; essa é a função do profeto, do arauto: transmitir o que o Senhor disse!
Aplaudo sua coragem em abordar o tema. Deus o abençoe ricamente.
Juliana
Anônimo disse…
muito bem, muitos pregadores estão presizando ler este comentario,
pois tem certos pregadores em vez de se original tem sido xerox ou copia.
que Deus te Abençoe Mirian Ferreira

Postagens mais visitadas deste blog

QUALIDADES DE UM BOM DESPENSEIRO.

Por Rev. João d'Eça Sermão pregado na Igreja Presbiteriana Monte Moriah, São Luís, MA, dia 14/01/2007 As qualidades de um bom despenseiro. "Servi uns aos outros, cada um conforme o dom que recebeu, como bons despenseiros da multiforme graça de Deus". (I Pedro 4: 10). Introdução: O termo despenseiro tem o significado de alguém que cuida da despensa, ou seja, é o local da casa onde se guarda os alimentos e os outros mantimentos, nesse caso, despenseiro é o que toma de conta de toda a despensa, é uma espécie de Mordomo. No caso do texto básico da mensagem, despenseiro é aquele que administra os dons da multiforme graça de Deus, de maneira que pessa abençoar a si mesmo e ao seu próximo. * Muitas pessoas pensam que todas as coisas são sua propriedade. * A Bíblia nos ensina diferente, pois diz: "Do Senhor é a Terra e a sua plenitude, o mundo e os que nele habitam." ( Salmos 24:1). O profeta Ageu diz também: "O ouro e a prata são seus." * O…

DICIONÁRIO "MARANHENSE" !!!

Por



Rev. João d'EçaJoão do Vale, nosso poeta popular, em uma de suas canções diz: "minha terra tem belezas que em versos não sei dizer; mesmo porque não tem graça, só se vendo pode crer..."As coisas do Maranhão são espetaculares, sua natureza é exuberante, suas cidades são magnificas e sua Capital é encantadora. Eu amo minha cidade de paixão.Há muita coisa que não gosto em São Luís, não tem nada a ver com a natureza ou com a sua história, mas tem a ver com algumas pessoas que tiram a paz de outras pessoas, sem respeitar os seus direitos, mas isso é outra história...Quero lhes apresentar algumas palavras do vocabulário popular maranhense (está bastante incompleto, mas já é alguma coisa, desafio os leitores a me escreverem e me ensinarem novas palavras desse nosso rico "dicionário popular maranhense").Recebi de um amigo, numa lista de E-mails, essa lista que lhes apresento abaixo, achei muito divertido e interessante, fiz algumas adaptações e publico aqui e agora…

"LANÇA O TEU SOBRE AS ÁGUAS" - Eclesiastes 11: 1

PorRev. João d'EçaO texto diz: "Lança o teu pãp sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás"O que será que as Escrituras Sagradas estão nos ensinando aqui?A palavra "pão" sempre foi figura daquilo que ganhamos no dia-a-dia. As pessoas nos indagam: - "Você está indo pra onde?"- Vou ganhar o pão de cada dia (trabalho).Os estudiosos do AT, nos dizem que aqui há duas figuras:1ª Figura: AS CHEIAS DO RIO NILO - Eles jogavam as sementes quando a enchente estava baixando, no final da baixa, as sementes do trigo e da cevada, floresciam.2ª Figura: O COMERCIANTE - O comerciante pegava o seu barco, carregava com os bens que havia produzido e sai para comercializar em outras terras. "Lança o teu pão sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás".No versículos 2, o escritor sagrado nos dá uma lição preciosa, ele nos diz que devemos diversificar a nossa aplicação, porque não sabemos o que ácontecerá amanhã.Como servos dos Deus vivo, o S…