Pular para o conteúdo principal

O ENSINO ÉTICO DOS 10 MANDAMENTOS.






Por

Rev. João d'Eça

Tive o privilégio de ser aluno do Prof: Hans Ulrich Reifler (Foto), pastor Josué, nome que ele adotou aqui no Brasil e como gostava de ser chamado. Ele é Suiço e mora atualmente lá, na Suiça. Aqui foi meu professor de Teologia Sistemática e um dos melhores professores que tive, ele é fantástico dando aula, ele se transforma num verdadeiro mestre quando ensina.

A Teologia Sistemática do prof: Hans, era com base nas Institutas de João Calvino, que ele conhece muito bem, aprendeu tanto em Alemão (sua língua nativa), quanto em Francês e olha que ele fala português como se fora um brasileiro do Sul do Brasil.

No domingo passado preguei a mensagem que reproduzo esboçadamente abaixo, e usei os apontamentos que fiz em sala de aula como fonte de pesquisa, para ensinar à minha igreja a validade dos 10 Mandamentos. Usei também as apóstilas elaboradas pelo prof. Hans e um valioso trabalho que ganhei dele autografado, o manuscrito original, mais tarde transformado em livro pela Edições Vida Nova, intitulado "A Ética dos 10 Mandamentos". Muita coisa que não tem no livro, tem no manuscrito, mais uma vez, para mim é um privilégio.

****************************************

(Pregado na Igreja Presbiteriana Monte Moriah, no culto Vespertino do dia 16/12/07, pelo Rev. João d'Eça).

O QUE NOS ENSINA OS DEZ MANDAMENTOS?
Êxodo 20: 1-17


Introdução:

- Os 10 mandamentos é um modelo de Ética Cristã e parte da revelação de Deus. A validade moral do decálogo para a igreja, é real e sua observância é recomendada para todos os homens de boa vontade.

- Jesus Cristo ordenou a observância do decálogo quando falou sobre os mandamentos, Ele disse: “Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração e ao teu próximo como a ti mesmo” (Mat. 22: 39).



1 – O PRIMEIRO MANDAMENTO (3)

Nos ensina que o conhecimento de Deus e o desejo de servi-lo, expulsam do nosso coração as ambições e as aspirações inferiores (Dt. 6: 5).

2 – O SEGUNDO MANDAMENTO (4-6).

Nos ensina que se nós buscarmos ajudas visíveis ao culto a Deus, isto será para nós um tropeço espiritual para a verdadeira adoração em espírito e em verdade.
Não devemos inclusive usar imagens de Jesus Cristo, dos anjos, dos apóstolos, dos santos, nem nada que se compare ao que há em cima nos céus e nem embaixo na terra.

3 – O TERCEIRO MANDAMENTO (7)

Nos ensina que a nossa linguagem deve ser pura, não devemos usar de linguagem profana, que é tão comum hoje em dia, dentro de casa, na TV, no rádio, na roda de amigos.
Nos ensina ainda que não devemos cometer o perjúrio, que devemos ser contra a hipocrisia e ainda contra todo o ensino contrário à verdade de Deus.

4 – O QUARTO MANDAMENTO (8)

Nos ensina que precisamos de uma parada para cuidarmos de nós e da nossa saúde, procurarmos viver com qualidade de vida, que precisamos de descanso, de contemplação. O quarto mandamento fala da santificação do dia do Senhor. Deus designou 6 dias de trabalho e um dia de descanso para o bem do homem. Todas as mudanças são prejudiciais à saúde do homem e à harmonia da criação.
Três perguntas precisam ser feitas:
1. Como passo o meu domingo?
2. Qual a minha posição para com o culto dominical?
3. Como sirvo a minha Igreja no dia do Senhor?

-A santificação do Dia do Senhor não é idéia humana ou coisa de igreja, não, nasceu com Deus, para o bem da sociedade como um todo.
- A quebra desse mandamento equivale a quebra de qualquer outro como: Não matar, Não adulterar, dizer falso testemunho ou cobiçar.

5 – O QUINTO MANDAMENTO (12)

Os primeiros quatro mandamentos tratam da relação entre o homem e Deus, enquanto que a partir do quinto mandamento, inicia-se a relação entre o homem e o seu próximo.
- O estudo desse Mandamento é de suma importância, quando vemos os pais sendo maltratados pelos filhos. Em pesquisas recentes, mais de 50% dos velhinhos que são internados nos asilos, recebem uma só visita por ano, dos filhos que os abandonaram lá.
- Parece que os velhos não tem mais nenhum valor: são desrespeitados nas filas, são desrespeitados no trânsito. Uma geração que não reverencia mais os velhos, é uma geração que não teme mais a Deus. Reverenciar os velhos, equivale a temer a Deus.

- O teor principal do quinto mandamento é reverência, obediência e reconhecimento a qualquer tipo de pais: Pais políticos (magistrados), pais-anciãos ou os velhos em geral, pais espirituais, pais domésticos, pais educacionais (magistério-professores) e pais naturais.

- Nas Institutas, Calvino pergunta: O que significa obedecer os pais no Senhor?
- A resposta é: “que usemos de deferência para com aqueles que o Senhor fez superiores a nós e os assistamos de honra, de obediência e de grato reconhecimento”.
- No conceito de Calvino existem três expressões de honra: Reverência, Obediência e Reconhecimento.



6 – O SEXTO, SÉTIMO, OITAVO, NONO E DÉCIMO
MANDAMENTOS (13-17).

O ensino que a Bíblia nos dá aqui é:
- A vida deve ser protegida, “não matarás” (6) - matar corresponde a afrontar a Deus e a sociedade. Matar significa tomar o lugar de Deus o doador da vida e que deseja que o homem tenha vida e vida em abundância.
- A proteção do corpo, “não adulterarás” (7) – O teor principal do sétimo mandamento é a proteção e santificação do matrimônio.
- Também condena qualquer imoralidade sexual, seja fornicação, prostituição, adultério, incesto, homosexualismo, lesbianismo, sodomia.
- Ensina ainda que devemos manter a pureza sexual em ações, palavras e pensamentos.

- A proteção da propriedade e do trabalho “não furtarás” (8) – O oitavo mandamento apresenta a nossa obrigação moral para com o próximo com relação ao dinheiro e a propriedade. Não furtar, significa não possuir coisa alguma, sem que seja por meios lícitos e honestos. Furtar é a obtenção oculta do alheio, seja o que for, contra a vontade do seu legítimo dono.

· Modalidades de furtos:
1. Uso de violência para adquirir bens alheios;
2. Fraudulência Comercial;
3. Tirar vantagens comerciais dos fracos e pobres;
4. Preguiça e Indiligência no trabalho;
5. Exploração de preços e impostos;
6. Adulteração de produtos (pirataria);
7. Apropriação indevida de comissões e gorjetas;
8. Suborno;
9. Desvio de verbas públicas;
10. Qualquer tipo de desonestidade pessoal, comercial ou governamental.

- A proteção da Honra. - “Não dirás falso testemunho contra o teu próximo” (9) – João Calvino disse o seguinte sobre o nono mandamento: “Seu propósito: visto que Deus, que é a verdade, abomina a mentira, entre nós deve a verdade ser cultivada sem dissimulação. A síntese, portanto, será que não prejudiquemos o nome de alguém ou com calúnias e incriminações falsas, ou, pela mentira....”

- Satanás é visto como o grande mentiroso, portanto, os que mentem estão assemelhando-se ao Diabo. Em João 8: 44 a Bíblia ensina o seguinte:
“Vós sois do diabo, que é vosso pai, e quereis satisfazer-lhe os desejos. Ele foi homicida desde o princípio e jamais se firmou na verdade, porque nele não há verdade. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira”.

- A proteção das ambições erradas. – “Não cobiçarás a casa do teu próximo. Não cobiçarás a mulher do teu próximo...nem cousa alguma que pertence ao teu próximo” (10) – Este mandamento inibe a cobiça em geral, especialmente a proibição da cobiça da mulher, do empregado, da empregada, dos animais e de todos os bens materiais e ideais do meu próximo.
- Em Gen. 3:6, a Bíblia descreve as características principais da cobiça. A árvore da vida era boa para comer, agradável aos olhos e desejável para o entendimento. A cobiça anima os desejos culinários, influencia a vista e afeta a mentalidade humana. Eva depois que foi estimulada nos seus desejos, cedeu à tentação e pecou.

Conclusão:

O decálogo é um modelo para a Ética Cristã, é um fundamento sólido sob o qual podemos construir a nossa vida moral; é a moldura que ainda precisa ser preenchida pelo nosso andar diário no Espírito.

A observância do decálogo abre o caminho para a vida abundante, pois o próprio decálogo contém a promessa de benção: “Faço misericórdia até mil gerações daqueles que me amam a guardam os meus mandamentos” (Êxodo 20: 6).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

QUALIDADES DE UM BOM DESPENSEIRO.

Por Rev. João d'Eça Sermão pregado na Igreja Presbiteriana Monte Moriah, São Luís, MA, dia 14/01/2007 As qualidades de um bom despenseiro. "Servi uns aos outros, cada um conforme o dom que recebeu, como bons despenseiros da multiforme graça de Deus". (I Pedro 4: 10). Introdução: O termo despenseiro tem o significado de alguém que cuida da despensa, ou seja, é o local da casa onde se guarda os alimentos e os outros mantimentos, nesse caso, despenseiro é o que toma de conta de toda a despensa, é uma espécie de Mordomo. No caso do texto básico da mensagem, despenseiro é aquele que administra os dons da multiforme graça de Deus, de maneira que pessa abençoar a si mesmo e ao seu próximo. * Muitas pessoas pensam que todas as coisas são sua propriedade. * A Bíblia nos ensina diferente, pois diz: "Do Senhor é a Terra e a sua plenitude, o mundo e os que nele habitam." ( Salmos 24:1). O profeta Ageu diz também: "O ouro e a prata são seus." * O…

DICIONÁRIO "MARANHENSE" !!!

Por



Rev. João d'EçaJoão do Vale, nosso poeta popular, em uma de suas canções diz: "minha terra tem belezas que em versos não sei dizer; mesmo porque não tem graça, só se vendo pode crer..."As coisas do Maranhão são espetaculares, sua natureza é exuberante, suas cidades são magnificas e sua Capital é encantadora. Eu amo minha cidade de paixão.Há muita coisa que não gosto em São Luís, não tem nada a ver com a natureza ou com a sua história, mas tem a ver com algumas pessoas que tiram a paz de outras pessoas, sem respeitar os seus direitos, mas isso é outra história...Quero lhes apresentar algumas palavras do vocabulário popular maranhense (está bastante incompleto, mas já é alguma coisa, desafio os leitores a me escreverem e me ensinarem novas palavras desse nosso rico "dicionário popular maranhense").Recebi de um amigo, numa lista de E-mails, essa lista que lhes apresento abaixo, achei muito divertido e interessante, fiz algumas adaptações e publico aqui e agora…

"LANÇA O TEU SOBRE AS ÁGUAS" - Eclesiastes 11: 1

PorRev. João d'EçaO texto diz: "Lança o teu pãp sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás"O que será que as Escrituras Sagradas estão nos ensinando aqui?A palavra "pão" sempre foi figura daquilo que ganhamos no dia-a-dia. As pessoas nos indagam: - "Você está indo pra onde?"- Vou ganhar o pão de cada dia (trabalho).Os estudiosos do AT, nos dizem que aqui há duas figuras:1ª Figura: AS CHEIAS DO RIO NILO - Eles jogavam as sementes quando a enchente estava baixando, no final da baixa, as sementes do trigo e da cevada, floresciam.2ª Figura: O COMERCIANTE - O comerciante pegava o seu barco, carregava com os bens que havia produzido e sai para comercializar em outras terras. "Lança o teu pão sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás".No versículos 2, o escritor sagrado nos dá uma lição preciosa, ele nos diz que devemos diversificar a nossa aplicação, porque não sabemos o que ácontecerá amanhã.Como servos dos Deus vivo, o S…