Pular para o conteúdo principal

A ORIGEM DO NOME "PROTESTANTES"

Dieta de Spira
By

Rev. João d'Eça


A ORIGEM DO NOME “PROTESTANTE”[1]







O que ouvimos e aprendemos, o que nos contaram nossos pais, não encobriremos a seus filhos; contaremos à vindoura geração os louvores do Senhor, e o seu poder, e as maravilhas que fez.
(Salmo 78: 3, 4).

Introdução:

Uma nova dieta foi convocada em Spira para a primavera de 1529. Fernando, que devia presidi-la, transpôs os umbrais da antiga cidade no dia 5 de março seguido dos príncipes católicos com suas escoltas em armas. No dia 15 chegou o eleitor de Saxe, acompanhado de Fillipe Melanchton e Agrícola. Cinco dias depois Philippe de Hesse entrava ao som de trombetas com duzentos cavaleiros.

Logo se notou a expansão de ódios recíprocos. Aqui dois homens notáveis se acotovelavam e fingiam não se conhecer; ali adversários em doutrinas trocavam na rua olhares ameaçadores.

Começou a se propalar que ia expirar o prazo marcado para a liberdade de cultos. De um lado havia reclamações enérgicas pedindo a execução do edito de Worms; do outro exigia-se a conservação do último edital de Spira. Finalmente, a 24 de março, a maioria da dieta decidiu que qualquer inovação religiosa seria interdita onde quer que tivesse sido observado e edito de Worms, e que, nos lugares onde o decreto não tinha sido respeitado, não se tentaria nenhuma reforma nova, não se trataria de assuntos de controvérsia e nenhum católico poderia se fazer luterano. Isso seria estabelecer o Status quo para impedir o progresso da Reforma.

Os príncipes protestantes, alarmados reuniram-se. “Rejeitemos este decreto”, diziam, “em questões de consciência, a maioria nada significa.” As cidades que haviam abraçado a Reforma acrescentavam: “É ao edito de Spira (o anterior) que o Império deve a paz que desfruta, sua revogação perturbaria a Alemanha: A dieta não é competente senão para conservar a liberdade religiosa até a reunião de um concílio.”

Nesta memorável assembléa foram proferidas ameaças para intimidar os membros mais exaltados da Liga de Torgau. Vinte e uma cidades livres aceitaram o decreto da dieta; quatorze resistiram heroicamente. Os príncipes se conservaram firmes e a lembrança de sua conduta nobre é valiosíssima para nós, porque nesse dia foi criado o nosso glorioso nome, de “Protestantes”.

Na grande sala do palácio imperial em que se reuniu as dietas e da qual resta apenas uma antiga muralha em ruínas, o Eleitor Frederico, em nome de toda Liga, pronunciou as seguintes palavras:

Nobres senhores, primos, tios e amigos – reunidos aqui ao apelo do Imperador buscando os grandes interesses do estado e do cristianismo, temos compreendido que os decretos da dieta de Spira devem se abrogados e que há o desejo de substituí-los por perigosas restrições. Entretanto, o rei Fernando havia prometido, em nome do Imperador, fidelidade inviolável àquele edito, como nós nos esforçamos para mantê-lo. Não podemos, consequentemente, permitir que ele seja revogado. Em primeiro lugar porque Sua Majestade imperial tem interesse em fazer executar um decreto emanado por sua própria autoridade. Em segundo lugar porque estão envolvidas a glória de Deus, do Rei dos reis, e a salvação das almas.

Na continuidade do seu pronunciamento, o Eleitor Frederico, discorre sobre a liberdade de cultos que eles adotam, coisa que não fazem os partidários católicos, que queriam a todo custo destruir a Fé Reformada e matar os seus defensores. Ele diz:

Meus caros senhores, nenhum juízo formamos sobre as vossas crenças; limitamo-nos a suplicar a Deus diariamente que nos conduza a todos nós à unidade da fé, à verdade, à santidade e à caridade em Cristo, nosso único Mediador. Se aderíssemos o vosso projeto, seria negar o nosso Senhor e nos expormos a sermos negados por ele diante de seu Pai. Se aceitássemos essa revogação, afirmaríamos que ninguém pode aceitar de Deus a luz. Oh! De quantas apostasias não seríamos cúmplices?


         Na sequência de suas argumentações, Frederico, Eleitor da Saxônia expõe o porque da não concordância com as decisões dos católicos. Suas palavras são:


Eis porque rejeitamos o jugo que nos é imposto. Sabe-se que em nossos estados a Santa Ceia é devidamente distribuída. Não podemos portanto aceitar as medidas propostas contra nossos comungantes. Além disso, questões tão importantes não podem ser resolvidas antes do próximo concílio.


         Ainda no seu pronunciamento perante a dieta, Frederico da Saxônia expõe a forma de culto e celebração da Santa Ceia, da forma como era ministrada pelos ministros que aderiram a Reforma: Diz ele:

O edito de Spira levava os ministros a explicarem as Escrituras de acordo com os escritos reconhecidos pela igreja cristã. Seria necessário portanto explicar o que se entende por igreja. Ora as opiniões são muito diversas a este respeito, mas, como nenhuma doutrina é digna de fé a não ser que se conforme com a Palavra de Deus, estamos resolvidos a manter a pregação pura e exclusiva desta Palavra Santa, contida nos livros canônicos do Antigo e do Novo Testamentos, sem adição de qualquer doutrina contrária.


            Na próxima sequência do pronunciamento de Frederico, ele diz protestar contra a decisão da maioria católica, o que veio posteriormente a fazer os crentes evangélicos serem conhecidos como “Protestantes.” Eis os relatos:

Assim, caros senhores, mui sinceramente vos rogamos que pondereis com cuidado nossas tristezas e nossos motivos de agir. Se resistis a nossa súplica, protestamos aqui diante de Deus nosso Criador, Redentor e Salvador, e diante dos homens – no nosso nome e no dos nossos – contra qualquer adesão ao decreto proposto naquilo em que é contrário a Deus, à Sua Palavra, à nossa liberdade de consciência e ao último edito do imperador. Esperamos que Sua Majestade procederá para conosco como um príncipe cristão e nos confessamos prontos a nos render toda nossa afeição e obediência como fazemos a Deus.


            Estas foram as palavras desses homens heróicos que a cristandade desde então passou a apelidá-los de PROTESTANTES.

         Como protestantes e herdeiros da Reforma e das doutrinas da Graça, devemos nos orgulhar do legado que recebemos. Sabemos que essas histórias foram esquecidas por uma grande maioria e não foram ensinadas com o passar do tempo e das gerações. Por esta razão é preciso nos imbuirmos da responsabilidade de ensinar as gerações futuras a ter orgulho de ser chamados PROTESTANTES.




[1] Traduzido de Souvenirs de La Reformation.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DICIONÁRIO "MARANHENSE" !!!

Por



Rev. João d'EçaJoão do Vale, nosso poeta popular, em uma de suas canções diz: "minha terra tem belezas que em versos não sei dizer; mesmo porque não tem graça, só se vendo pode crer..."As coisas do Maranhão são espetaculares, sua natureza é exuberante, suas cidades são magnificas e sua Capital é encantadora. Eu amo minha cidade de paixão.Há muita coisa que não gosto em São Luís, não tem nada a ver com a natureza ou com a sua história, mas tem a ver com algumas pessoas que tiram a paz de outras pessoas, sem respeitar os seus direitos, mas isso é outra história...Quero lhes apresentar algumas palavras do vocabulário popular maranhense (está bastante incompleto, mas já é alguma coisa, desafio os leitores a me escreverem e me ensinarem novas palavras desse nosso rico "dicionário popular maranhense").Recebi de um amigo, numa lista de E-mails, essa lista que lhes apresento abaixo, achei muito divertido e interessante, fiz algumas adaptações e publico aqui e agora…

"LANÇA O TEU SOBRE AS ÁGUAS" - Eclesiastes 11: 1

PorRev. João d'EçaO texto diz: "Lança o teu pãp sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás"O que será que as Escrituras Sagradas estão nos ensinando aqui?A palavra "pão" sempre foi figura daquilo que ganhamos no dia-a-dia. As pessoas nos indagam: - "Você está indo pra onde?"- Vou ganhar o pão de cada dia (trabalho).Os estudiosos do AT, nos dizem que aqui há duas figuras:1ª Figura: AS CHEIAS DO RIO NILO - Eles jogavam as sementes quando a enchente estava baixando, no final da baixa, as sementes do trigo e da cevada, floresciam.2ª Figura: O COMERCIANTE - O comerciante pegava o seu barco, carregava com os bens que havia produzido e sai para comercializar em outras terras. "Lança o teu pão sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás".No versículos 2, o escritor sagrado nos dá uma lição preciosa, ele nos diz que devemos diversificar a nossa aplicação, porque não sabemos o que ácontecerá amanhã.Como servos dos Deus vivo, o S…

QUALIDADES DE UM BOM DESPENSEIRO.

Por Rev. João d'Eça Sermão pregado na Igreja Presbiteriana Monte Moriah, São Luís, MA, dia 14/01/2007 As qualidades de um bom despenseiro. "Servi uns aos outros, cada um conforme o dom que recebeu, como bons despenseiros da multiforme graça de Deus". (I Pedro 4: 10). Introdução: O termo despenseiro tem o significado de alguém que cuida da despensa, ou seja, é o local da casa onde se guarda os alimentos e os outros mantimentos, nesse caso, despenseiro é o que toma de conta de toda a despensa, é uma espécie de Mordomo. No caso do texto básico da mensagem, despenseiro é aquele que administra os dons da multiforme graça de Deus, de maneira que pessa abençoar a si mesmo e ao seu próximo. * Muitas pessoas pensam que todas as coisas são sua propriedade. * A Bíblia nos ensina diferente, pois diz: "Do Senhor é a Terra e a sua plenitude, o mundo e os que nele habitam." ( Salmos 24:1). O profeta Ageu diz também: "O ouro e a prata são seus." * O…