Pular para o conteúdo principal

DOUTRINA DOS PACTOS - PARTE I

Conforme prometi aos meus leitores estou publicando os artigos que tratam da doutrina dos pactos, segundo o entendimento da Teologia Reformada. Espero que sirva para abrir o entendimento acerca dessa doutrina principalmente dos pós-reformados, porém que é encontrada na Confissão de Fé de Westminster, no capítulo VII.

Estou publicando à medida que vou fazendo o trabalho para a disciplina do Dr. Heber Jr. no CPAJ, logicamente publicarei aqui de forma resumida. Boa leitura.

A TEOLOGIA DOS PACTOS.
A preocupação com o ensino bíblico sobre os pactos tem sido uma distinção característica da teologia reformada. No entanto, nos últimos anos, a doutrina da aliança tem se tornado um tema de interesse no evangelicalismo, em grande parte por causa da aproximação crescente entre as escolas de interpretação dispensacionalistas e não-dispensationalistas.


A relação entre Deus e a humanidade é, em uma palavra, uma relação de aliança. Deus lida com sua criação em termos de aliança.

A disciplina “história da teologia cristã”, tem oferecido uma variedade de definições. Essencialmente, "aliança" é um acordo ou relacionamento entre duas partes. Quando falamos dos pactos entre Deus e a humanidade, o Senhor Deus soberanamente impõe os termos destes pactos, em conformidade com sua própria vontade.

Com respeito à história da doutrina cristã a teologia reformada contribuiu para o desenvolvimento e sistematização bíblica da doutrina dos pactos.

História Bíblica.

A história bíblica é estruturada em termos de uma série de pactos distintos. A Teologia Reformada tradicionalmente esquematiza a doutrina dos pactos, refletindo os decretos de Deus na criação e na redenção. Antes da criação do mundo está o plano ou o Conselho eterno de Deus¹ . Uma característica particular desse plano é o "Pacto da Redenção", feito na eternidade, entre o Pai e o Filho com respeito a salvação dos eleitos de Deus, aqueles a quem ele escolheu em Cristo, e os chamou eficazmente para a fé verdadeira e arrependimento na história por meio da regeneração e poder de convencimento do Espírito Santo de Deus. Eleição para a salvação é a finalidade da Aliança Redentora.

Os pactos iniciais.

O primeiro pacto histórico é o "Pacto das Obras", também chamado de "Pacto da Natureza" ou "Pacto de Criação". A terminologia " Pacto das Obras", é a mais comumente empregada por escritores reformados, e salienta o dever filial e obrigação dos filhos de Deus para tornar plena e perfeita obediência ao seu Criador.

O "Pacto da Graça", abrange a época da queda de Adão até o

Consumação da história com o retorno de Cristo. Esses Pactos são claramente ensinados nas Escrituras, por exemplo, na criação de Adão, no Sinai, na teocracia israelita, e na encarnação do Filho de

Deus "nascido de mulher, nascido sob a lei" (Gálatas 4:4).

Existe um tempo de provação, que é a maneira ordenada por Deus para a realização das bênçãos prometidas no primeiro pacto.

Apesar de manter os dois pactos, o pacto das obras inicial e o pacto das obras subsequente, a Teologia Reformada tem salientado ao mesmo tempo a singeleza de propósito e o plano de Deus. Por um lado ele reconhece a unidade e a continuidade da Antiga e da Nova Aliança ou Antigo e Novo Pacto (ou Testamentos), mantendo as diferenças e descontinuidades entre eles.

Assim como os decretos multiformes de Deus abrangem todas as coisas que passam pela história, assim também o decreto singular de Deus os une. Assim, podemos falar do decreto(s) de Deus como a causa final, o propósito predestinador de Deus pelo qual todas as coisas são predestinadas por Deus em seu eterno conselho.

As Controvérsias do escolásticismo protestante Reformado do século XVII levou à divisão entre os “infra” e os “supralapsarianos”. Em última análise, esses debates destacaram a natureza paradoxal da verdade bíblica, verdade essa que está além da compreensão humana finita.

[1] CAMPOS, Heber Carlos de. As duas naturezas do redentor. A pessoa de Cristo. São Paulo. Cultura Cristã. 2004. p. 51.


Nota: O termo Pacto é também conhecido como "Convenios", "Pacto", "Aliança", "Acordo".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DICIONÁRIO "MARANHENSE" !!!

Por



Rev. João d'EçaJoão do Vale, nosso poeta popular, em uma de suas canções diz: "minha terra tem belezas que em versos não sei dizer; mesmo porque não tem graça, só se vendo pode crer..."As coisas do Maranhão são espetaculares, sua natureza é exuberante, suas cidades são magnificas e sua Capital é encantadora. Eu amo minha cidade de paixão.Há muita coisa que não gosto em São Luís, não tem nada a ver com a natureza ou com a sua história, mas tem a ver com algumas pessoas que tiram a paz de outras pessoas, sem respeitar os seus direitos, mas isso é outra história...Quero lhes apresentar algumas palavras do vocabulário popular maranhense (está bastante incompleto, mas já é alguma coisa, desafio os leitores a me escreverem e me ensinarem novas palavras desse nosso rico "dicionário popular maranhense").Recebi de um amigo, numa lista de E-mails, essa lista que lhes apresento abaixo, achei muito divertido e interessante, fiz algumas adaptações e publico aqui e agora…

QUALIDADES DE UM BOM DESPENSEIRO.

Por Rev. João d'Eça Sermão pregado na Igreja Presbiteriana Monte Moriah, São Luís, MA, dia 14/01/2007 As qualidades de um bom despenseiro. "Servi uns aos outros, cada um conforme o dom que recebeu, como bons despenseiros da multiforme graça de Deus". (I Pedro 4: 10). Introdução: O termo despenseiro tem o significado de alguém que cuida da despensa, ou seja, é o local da casa onde se guarda os alimentos e os outros mantimentos, nesse caso, despenseiro é o que toma de conta de toda a despensa, é uma espécie de Mordomo. No caso do texto básico da mensagem, despenseiro é aquele que administra os dons da multiforme graça de Deus, de maneira que pessa abençoar a si mesmo e ao seu próximo. * Muitas pessoas pensam que todas as coisas são sua propriedade. * A Bíblia nos ensina diferente, pois diz: "Do Senhor é a Terra e a sua plenitude, o mundo e os que nele habitam." ( Salmos 24:1). O profeta Ageu diz também: "O ouro e a prata são seus." * O…

"LANÇA O TEU SOBRE AS ÁGUAS" - Eclesiastes 11: 1

PorRev. João d'EçaO texto diz: "Lança o teu pãp sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás"O que será que as Escrituras Sagradas estão nos ensinando aqui?A palavra "pão" sempre foi figura daquilo que ganhamos no dia-a-dia. As pessoas nos indagam: - "Você está indo pra onde?"- Vou ganhar o pão de cada dia (trabalho).Os estudiosos do AT, nos dizem que aqui há duas figuras:1ª Figura: AS CHEIAS DO RIO NILO - Eles jogavam as sementes quando a enchente estava baixando, no final da baixa, as sementes do trigo e da cevada, floresciam.2ª Figura: O COMERCIANTE - O comerciante pegava o seu barco, carregava com os bens que havia produzido e sai para comercializar em outras terras. "Lança o teu pão sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás".No versículos 2, o escritor sagrado nos dá uma lição preciosa, ele nos diz que devemos diversificar a nossa aplicação, porque não sabemos o que ácontecerá amanhã.Como servos dos Deus vivo, o S…