Pular para o conteúdo principal

A MORTE DE BÈDE, O VENERÁVEL

By

Rev. João d'Eça

Numa bela e calma tarde do mês de maio do ano de 735 A.D., no convento de Jarrow, sobre o Tyne, um velho monge, deitado em seu quarto, achava-se moribundo. Perto dele estavam três rapazes. Um deles sustentava-o, um outro lia, o terceiro escrevia.

Este velho chamava-se Bède. A posteridade deu-lhe o nome de Bède, o venerável. Era um grande sábio. Ele tinha escrito sobre todas as matérias: Física, astronomia, história, medicina, etc.

Centenas de estudantes o procuravam e sempre eram vistos ao seu redor. Ainda hoje, na história primitiva da Inglaterra esse homem é uma autoridade. Bède, o venerável tinha verdadeira paixão pelo estudo das Escrituras Sagradas. Quando do seu último suspiro, ainda trabalhava na tradução do evangelho de João. Um dos rapazes que lia o texto latino, e o outro escrevia segundo ditava a tradução em anglo-saxonico.

Ele dizia: “Eu não quero, quando partir, que meus filhos leiam mentiras, ou que trabalhem em vão.”

Perto do dia da sua morte, quando já sentia grande opressão e os seus pés começaram a inchar, ele continuava ditando e dizia ao rapaz que escrevia:

“Apressa-te”, dizia ele a seu escrivão. “Não sei quanto tempo ainda aguentarei – ou se meu mestre não me chamará logo.”

Toda a noite ficou acordado, dando graças sem cessar. Desde que raiou o dia da Ascenção, pedia aos rapazes que apressassem o mais possível o trabalho começado. “Quando veio a tarde”, diz um dos jovens, “como o sol, que desaparecia dourava os vidros de seu quarto, o velho de sua cama ditava com voz fraca o fim do evangelho.”

- Só falta um capítulo, mestre, disse o escrivão, com voz ansiosa; mas está ficando muito penoso para vós este ditado.

- Não, disse Bède, é fácil! Toma a tua pena e escreve depressa. Apesar das lágrimas que o cegavam, o moço continuava a escrever.

- E agora, pai, disse ele, depois de algum tempo, só falta uma frase.

Bède continuava a ditar.

- Acabou, mestre! Exclamou o rapaz levantando a cabeça, enquanto escrevia a última palavra.

- Oh! Acabou, repetiu o moribundo. Pois então ajuda-me a chegar perto desta janela onde muitas vezes orei.

Quando já estava na janela:

- Agora, disse ele, Glória seja ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo!


E com estas palavras, sua bela alma entrou na eternidade.

Comentários

Faustino Junior disse…
História é tudo de bom. Se soubéssemos dar valor a ela seríamos abençoados com os erros, acertos e exemplos inspiradores como este que você nos trouxe aqui. Acontece que hoje só valorizamos o presente. Nem passado nem futuro nos interessa mais, senão aquele futuro próximo do lugar ao sol no mercado de consumo. Legar algo à humanidade? Poucos pensam nisso, mesmo os cristãos. Que a história de Bède continue inspirando alguns aqui-e-ali. Pelo menos. Valeu.

Postagens mais visitadas deste blog

DICIONÁRIO "MARANHENSE" !!!

Por



Rev. João d'EçaJoão do Vale, nosso poeta popular, em uma de suas canções diz: "minha terra tem belezas que em versos não sei dizer; mesmo porque não tem graça, só se vendo pode crer..."As coisas do Maranhão são espetaculares, sua natureza é exuberante, suas cidades são magnificas e sua Capital é encantadora. Eu amo minha cidade de paixão.Há muita coisa que não gosto em São Luís, não tem nada a ver com a natureza ou com a sua história, mas tem a ver com algumas pessoas que tiram a paz de outras pessoas, sem respeitar os seus direitos, mas isso é outra história...Quero lhes apresentar algumas palavras do vocabulário popular maranhense (está bastante incompleto, mas já é alguma coisa, desafio os leitores a me escreverem e me ensinarem novas palavras desse nosso rico "dicionário popular maranhense").Recebi de um amigo, numa lista de E-mails, essa lista que lhes apresento abaixo, achei muito divertido e interessante, fiz algumas adaptações e publico aqui e agora…

"LANÇA O TEU SOBRE AS ÁGUAS" - Eclesiastes 11: 1

PorRev. João d'EçaO texto diz: "Lança o teu pãp sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás"O que será que as Escrituras Sagradas estão nos ensinando aqui?A palavra "pão" sempre foi figura daquilo que ganhamos no dia-a-dia. As pessoas nos indagam: - "Você está indo pra onde?"- Vou ganhar o pão de cada dia (trabalho).Os estudiosos do AT, nos dizem que aqui há duas figuras:1ª Figura: AS CHEIAS DO RIO NILO - Eles jogavam as sementes quando a enchente estava baixando, no final da baixa, as sementes do trigo e da cevada, floresciam.2ª Figura: O COMERCIANTE - O comerciante pegava o seu barco, carregava com os bens que havia produzido e sai para comercializar em outras terras. "Lança o teu pão sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás".No versículos 2, o escritor sagrado nos dá uma lição preciosa, ele nos diz que devemos diversificar a nossa aplicação, porque não sabemos o que ácontecerá amanhã.Como servos dos Deus vivo, o S…

QUALIDADES DE UM BOM DESPENSEIRO.

Por Rev. João d'Eça Sermão pregado na Igreja Presbiteriana Monte Moriah, São Luís, MA, dia 14/01/2007 As qualidades de um bom despenseiro. "Servi uns aos outros, cada um conforme o dom que recebeu, como bons despenseiros da multiforme graça de Deus". (I Pedro 4: 10). Introdução: O termo despenseiro tem o significado de alguém que cuida da despensa, ou seja, é o local da casa onde se guarda os alimentos e os outros mantimentos, nesse caso, despenseiro é o que toma de conta de toda a despensa, é uma espécie de Mordomo. No caso do texto básico da mensagem, despenseiro é aquele que administra os dons da multiforme graça de Deus, de maneira que pessa abençoar a si mesmo e ao seu próximo. * Muitas pessoas pensam que todas as coisas são sua propriedade. * A Bíblia nos ensina diferente, pois diz: "Do Senhor é a Terra e a sua plenitude, o mundo e os que nele habitam." ( Salmos 24:1). O profeta Ageu diz também: "O ouro e a prata são seus." * O…