Pular para o conteúdo principal

NENHUM EXTREMO AJUDA EM NADA.



Por


Rev. João d'Eça





Tenho ouvido de vários pastores e de pregadores, principalmente alguns televisivos, de que não é importante a leitura e o ensino da Bíblia na Igreja.
Dizem eles que: “O cristianismo nunca foi a religião de um Livro”, dizem também que: “tinta sobre papel é letra e a letra mata”, dizem mais: “cristianismo é Cristo encarnado, ressurreto e vivo entre nós”

Talvês seja por isso que a Igreja está morrendo e muitos estão pensando que os “cultos auto-ajuda” nos quatro cantos desse país é a mesma coisa que avivamento, não é! A igreja está confusa e os cristãos doentes da alma.

Onde não há ensino sério da Palavra de Deus, há morte certa. Os absurdos que vemos acontecer no meio evangélico é resultado dessa morte. Se não há leitura da Palavra de Deus (a Bíblia), se não há vontade de se alimentar com ela, é porque esses estão mortos espiritualmente. Sem a Palavra o que resta é somente a morte.

Como pode alguém morto espiritualmente interessar-se pelo alimento espiritual que está na Escritura Sagrada? Um morto não procura alimento, um morto não procura o remédio para a sua doença, ele está morto, ora!

A nossa tarefa (é por isso que existe este blog), é anunciar e ensinar a Palavra de Deus, para que os mortos espiritualmente possam ouvir a Verdade de Deus e receber do Senhor a Vida Eterna.

Reconhecemos que existem aqueles que são “letrados”, mas somente isso, não dão valor a sensibilidade espiritual, ao lado emocional também. Estes tornaram-se “secos”, “vazios”, mortos espiritualmente. Sim, mortos espiritualmente, ai sim, a palavra de Paulo cabe bem “A letra mata, mas o espírito vivifica” (II Cor. 3:6). Cabe dizer aqui que é “espírito” (idéia predominante, significação, sentido) e não “Espírito” (terceira pessoa da Trindade).

É muito importante o estudo teológico-hermenêutico-exegético, mas há aqueles que ficaram viciados nisso e esqueceram da sensibilidade espiritual, da iluminação do Espírito Santo, da elucidação divina. Uma coisa tem de estar aliada a outra.

É mais triste ainda, quando vemos os que desprezaram por completo a Bíblia e o estudo teológico-hermenêutico-exegético sério, para darem ouvidos a “vozes”, a “novas revelações”, que podem muito bem ser “vozes” e “revelações” diabólicas, travestidas de Revelação de Deus (II Cor. 11: 14).

Pastores que não se esforçam mais para estudar a bendita Palavra de Deus, iluminados e orientados pelo Espírito do Senhor. Que vão para a igreja pregar os seus sermões sem ter estudado. Que esperam que, como num “passe de mágica”, o texto, o tema, os pontos, o conteúdo, a conclusão e a aplicação, caiam do céu. Entram aflitos na Igreja e às vezes, inconscientemente, capturam a palavra de um determinado irmão, um acontecimento momentâneo, uma lembrança, que vem de repente, para se sentirem à vontade e ai, começam a pregar as “abobrinhas” de sempre, a “encher lingüiça” e depois dizem que foi a “inspiração divina”.

Muitos palestrantes por ai, são mais autênticos, pois decoram os seus jargões, recheiam com alguma novidade, mas continuam com a mesma proposta, ou seja, todos sabem que é a mesma mensagem de otimismo sempre.

Assim está acontecendo em muitas igrejas: o que está sendo pregado é “otimismo” de marketeiros e não “todo o conselho de Deus” (Atos 20: 27).

Os dois lados estão errados: Os que não estudam mais e estão matando a igreja pelo “analfabetismo bíblico desenfreado” e os que estudam “demais” e estão matando a igreja pelo desprezar da verdade que diz: “O vento (Espírito) sopra onde quer” (João 3:8). Preferem tapar os ouvidos, que ouvir o sussurro espiritual.

Já me deparei com “supostos” pastores e “supostos” teólogos que diziam crer em novas revelações. Lhes disse que qualquer experiência individual e pessoal, não pode ser base pra absolutamente nada, principalmente quando se trata de doutrina e ensino bíblico. É subjetivo. Eu e ninguém pode provar que é mentira, e nem o autor da experiência pode provar que é verdade. Fica no campo da subjetividade, nada além disso.

A Palavra de Deus, o estudo das línguas originais, a hermenêutica e a exegese, o conhecimento da geografia, da história, dos costumes e outros, é que irá ser usado pelo Espírito Santo, para esclarecer na mente daquele que prega ou ensina, para que o seu trabalho seja perfeitamente entendido pelos receptores da Palavra. Porém todas essas coisas citadas sem o domínio do Espírito na vida daquele que fala, é mera aula secular, sem unção, sem poder.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

QUALIDADES DE UM BOM DESPENSEIRO.

Por Rev. João d'Eça Sermão pregado na Igreja Presbiteriana Monte Moriah, São Luís, MA, dia 14/01/2007 As qualidades de um bom despenseiro. "Servi uns aos outros, cada um conforme o dom que recebeu, como bons despenseiros da multiforme graça de Deus". (I Pedro 4: 10). Introdução: O termo despenseiro tem o significado de alguém que cuida da despensa, ou seja, é o local da casa onde se guarda os alimentos e os outros mantimentos, nesse caso, despenseiro é o que toma de conta de toda a despensa, é uma espécie de Mordomo. No caso do texto básico da mensagem, despenseiro é aquele que administra os dons da multiforme graça de Deus, de maneira que pessa abençoar a si mesmo e ao seu próximo. * Muitas pessoas pensam que todas as coisas são sua propriedade. * A Bíblia nos ensina diferente, pois diz: "Do Senhor é a Terra e a sua plenitude, o mundo e os que nele habitam." ( Salmos 24:1). O profeta Ageu diz também: "O ouro e a prata são seus." * O…

DICIONÁRIO "MARANHENSE" !!!

Por



Rev. João d'EçaJoão do Vale, nosso poeta popular, em uma de suas canções diz: "minha terra tem belezas que em versos não sei dizer; mesmo porque não tem graça, só se vendo pode crer..."As coisas do Maranhão são espetaculares, sua natureza é exuberante, suas cidades são magnificas e sua Capital é encantadora. Eu amo minha cidade de paixão.Há muita coisa que não gosto em São Luís, não tem nada a ver com a natureza ou com a sua história, mas tem a ver com algumas pessoas que tiram a paz de outras pessoas, sem respeitar os seus direitos, mas isso é outra história...Quero lhes apresentar algumas palavras do vocabulário popular maranhense (está bastante incompleto, mas já é alguma coisa, desafio os leitores a me escreverem e me ensinarem novas palavras desse nosso rico "dicionário popular maranhense").Recebi de um amigo, numa lista de E-mails, essa lista que lhes apresento abaixo, achei muito divertido e interessante, fiz algumas adaptações e publico aqui e agora…

"LANÇA O TEU SOBRE AS ÁGUAS" - Eclesiastes 11: 1

PorRev. João d'EçaO texto diz: "Lança o teu pãp sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás"O que será que as Escrituras Sagradas estão nos ensinando aqui?A palavra "pão" sempre foi figura daquilo que ganhamos no dia-a-dia. As pessoas nos indagam: - "Você está indo pra onde?"- Vou ganhar o pão de cada dia (trabalho).Os estudiosos do AT, nos dizem que aqui há duas figuras:1ª Figura: AS CHEIAS DO RIO NILO - Eles jogavam as sementes quando a enchente estava baixando, no final da baixa, as sementes do trigo e da cevada, floresciam.2ª Figura: O COMERCIANTE - O comerciante pegava o seu barco, carregava com os bens que havia produzido e sai para comercializar em outras terras. "Lança o teu pão sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás".No versículos 2, o escritor sagrado nos dá uma lição preciosa, ele nos diz que devemos diversificar a nossa aplicação, porque não sabemos o que ácontecerá amanhã.Como servos dos Deus vivo, o S…