Pular para o conteúdo principal

1916 TENTATIVA DE CRIAÇÃO DA UNIÃO DE IGREJAS EVANGÉLICAS DO BRASIL

By


Rev. João d'Eça



Introdução:
Há 100 atrás, mais precisamente em fevereiro de 1916, houve no Panamá o Congresso Evangélico Latino-Americano. Antes da realização desse Congresso, houve no Brasil reuniões interdenominacionais, na cidade de São Paulo, onde participaram as maiores igrejas e os mais eminentes nomes entre essas denominações.
 
 
O objetivo da aproximação entre as denominações era de trocar ideias sobre os assuntos que seriam discutidos no Congresso do Panamá, porém, em outras reuniões a proposta das reuniões foi mais além, havendo reuniões de confraternização e de acordos para melhor harmonia no futuro em relação ao trabalho evangélico.
 
 
Já há100 anos passados a dificuldade era enorme para uma cooperação fraternal, hoje nem se cogita nessa possibilidade, principalmente porque o trabalho de igreja não é mais para o engrandecimento do Reino de Deus, mas virou “balcão de negócios” e nicho de grupos ou famílias que querem fazer o seu negócio prosperar e para isso eles fazem qualquer coisa, menos cooperação Interdenominacional gratuita.
 
As reuniões em São Paulo
          Os líderes das Igrejas Presbiterianas do Brasil e Independente, bem como das outras igrejas receberam o convite para participação num Instituto Bíblico Interdenominacional, cujas reuniões iriam acontecer nos dias 12 a 19 de dezembro de 1915. Os idealizadores do movimento eram os missionários da igreja Batista. O Jornal Batista publicou a posição dos batistas dizendo que “em matéria de doutrinas, de convicções ou questão de consciência, ... não cederemos um ponto sequer naquilo que julgamos ser a vontade revelada do nosso Mestre”.
         Os batistas ainda disseram que mesmo assim, “isto... não impede que haja respeito mútuo entre os diversos ramos evangélicos”. Então eles dizem que não concordam com o batismo infantil, o qual consideram “heresia”, mas respeitam os que tem convicções sobre o assunto.
         Para muitos ministros que participaram daquelas reuniões, o objetivo deveria ser o de uma “União Orgânica”, ou seja, a fusão de todas as denominações em uma só corporação. Porém, essa ideia não encontrou apoio entre os pastores e nem entre as igrejas presentes. O objetivo predominante parecia ser o de uma união onde fosse possível haver para combate do inimigo comum.
Consulta aos pastores
 
 
         O pastor batista e missionário Salomão Luiz Ginsburg, resolveu enviar aos pastores uma pergunta que foi publicada em O Jornal Batista.  A pergunta foi a seguinte: “Até que ponto julga possível uma união Interdenominacional?” O jornal publicou as respostas dos vários líderes denominacionais que responderam a consulta, as quais transcrevemos abaixo as partes principais dos textos de cada um deles:

Pastor A.B. Deter[1]
Há muitas doutrinas básicas e vitais que todas as denominações aceitam em comum. Estas são mais importantes e mais numerosas do que as doutrinas que nos separam. É bem possível haver verdadeira uniãofraternal não-orgânica, por causa dessas doutrinas comuns a todos nós. (...) O nosso desejo mais ardente é que findem o quanto antes todas as contendas e lutas desnecessárias.

Rev. Eduardo Carlos Pereira[2]
Não creio que haja atualmente possibilidade ou conveniência na fusão orgânica das diversas denominações que trabalham no Brasil. Contudo creio que é possível a criação de um concílio nacional, que não somente sirva de vínculo moral, mas ainda de comissão dirigente de certos trabalhos comuns sobre evangelização, educação, imprensa e beneficência.
Em seu comentário, o pastor Salomão Ginsburg citando o caso da Igreja Batista disse: “... a adoção de um tal Concílio será impossível. Em primeiro lugar, porque cada igreja local é livre e independente; e também porque essa ideia na sua última análise daria na organização dum governo centralizador, tão contrário à índole democrática dos batistas.”
 

Rev. Vicente Themudo Lessa[3]
 
A resposta do Rev. Themudo Lessa foi um tanto extensa, por isso, iremos resumi-la aqui.
         “... o requisito primário e essencial é que essa união real... a unidade do espírito pelo vínculo da paz. O amor de Deus nos corações destruirá toda a raiz de amargura...”
         “... achamos que, em nosso pais, todas as denominações poderão cooperar unidas nos seguintes pontos:
          1 – Beneficência – Hospitais, Asilos, Orfanatos, etc;
         2 – Publicações – Haja uma grande Cas Editora evangélica devidamente instalada em São Paulo ou Rio de Janeiro, da qual sairia obras de propaganda e instrução religiosa, de modo a servir todas as denominações.
         3 – Imprensa – Uma revista comum como uma grande tiragem, que seja para os interesses da EBD...
         4 – Educação – Poderia haver um grande Colégio para os filhos dos crentes das várias denominações....
 
Essas mesmas respostas foi dada pelo eminente Rev. Bento Ferraz da IPI.
 

Dr. W.A. Waddel[4]
 
Meu caro Salomão Ginsburg... A resposta é: Até ao ponto que o Espírito Santo vencer em nós o egoísmo. Em Cristo não há divisão. Há apenas a diversidade que permite a união orgânica. Veja-se em I Cor. 12. Toda divisão na Igreja é resultado do egoísmo humano....
 

Dr. A.B. Langston[5]
 
Há no Brasil diversos Estados. Cada um procura o seu próprio desenvolvimento, tem suas próprias leis, seus próprios governadores, e seu modo de obedecer e promover os interesses da União ou ‘os Estados Unidos do Brasil’. O melhor  Estado é aquele que interpreta melhor o espírito brasileiro e faz mais para o desenvolvimento da união. Ora os planos e projetos de cada estado devem se sujeitar aos planos e projetos da nação. Seria impatriótico e bem prejudicial se qualquer estado colocasse seus próprios interesses acima dos interesses de todos os estados ou da nação. Qualquer fraqueza da nação sente-se em toda parte. Portanto, colocar os interesses da união acima dos interesses dos diferentes estados, não somente uma prova de sabedoria como também é o melhor meio de desenvolvimento e defesa própria. O brasileiro deve ser brasileiro antes de tudo, quer seja pernambucano, quer seja paulistano. Para o verdadeiro brasileiro o nome “brasileiro” é mais doce, mais precioso do que qualquer nome regional como paulista, pernambucano, riograndense, etc.
Devia ser assim com as diversas denominações. Creio que as denominações tem razão de ser. Porém o “Reino de Deus” é maior do que qualquer denominação e seus interesses são maiores. O nome cristão é mais doce mais significativo, mais simpático do que qualquer nome particular. E a denominação que procure somente o seu próprio desenvolvimento, não o alcançará e servirá de tropeço e impedimento ao progresso e desenvolvimento do Reino de Deus. A oração de cada denominação deve ser “venha o teu Reino”.
Julgo porém possível uma união Interdenominacional sobre esta base de “submeter todos os interesses particulares aos interesses do “Reino de Deus”, sabendo que, por este modo de proceder, cada denominação vai alcançando o seu maior progresso e que o Reino vem vindo em toda a sua extensão. Se é possível haver uma união de estados com interesses tão diferentes como temos aqui no Brasil, como não podemos ter uma união das diversas denominações sobre a base acima referida? Creio que é possível. Sejamos pois primeiramente cristãos.
 

Abaixo temos a opinião do Rev. Álvaro Reis (foi pastor da Igreja Presbiteriana do Rio de Janeiro), não podia escrever em O Estandarte por causa de suas desavenças com o Rev. Eduardo Carlos Pereira, então ele escreveu sobre o assunto em o Puritano, a sua opinião. O editor de O Estandarte, assim se expressa sobre a opinião do Rev. Álvaro Reis: “Num artiguetezinho intitulado “Fraternidade”, entre outras coisas, assim se expressa sobre o a assunto em discussão”:

Rev. Álvaro Reis[6]
 
Mas, uma vez que esta obra de fraternização toma impulso – desejamos fazer um pedido aos nossos colegas de imprensa e é: - para que não nos provoquem a discussões interdenominacionais, e especialmente sobre o batismo e Santa Ceia. Nós absolutamente não desejamos discutir: - mas, provocados, não nos é possível silenciar. Portanto, por amor à propaganda e boa fraternidade, pedimos aos colegas da imprensa que não se dirijam a nós, direta ou indiretamente, a respeito dessas questões interdenominacionais. E em nome de Cristo – desde já nos confessamos gratíssimos. Álvaro Reis.
         A resposta de Salomão Ginsburg a Álvaro Reis foi de uma infelicidade total, a ponto de ele supor que os únicos leias a Cristo e à Bíblia eram os batistas, o que gerou uma outra resposta de O Estandarte ao  Jornal Batista e ao pastor Salomão como veremos mais abaixo. A resposta do pastor S.L. Ginsburg a Álvaro Reis foi a seguinte:
 
A esta declaração de nosso exigente colega só diremos o seguinte: Na última Convenção dos Batistas do Sul da América do Norte apareceu uma significativa divisa destacada em letras garrafais sobre uma das paredes e que foi muito apreciada, pois expressava perfeitamente o sentimento do povo batista espalhado pela superfície da terra. Esta divisa dizia assim: “FRATERNIDADE É COISA MUITO BOA, PORÉM LEALDADE A JESUS É MUITO MELHOR”. Os batistas brasileiros apoiam este sentimento de todo coração. A “fraternidade que mesmo de leve os obrigue a deslealdade para com o Mestre, a sua doutrina, os seus mandados, não terá aceitação entre nós – Salomão Luis Ginsburg.
 
O jornal O Estardarte transcreveu o editorial acima do pastor Salomão Ginsburg, a abaixo dá a sua opinião sobre o que disse o missionário:
 
Como se vê, o Rev. Salomão L. Ginsburg apresenta as diversas opiniões e faz uma ligeira crítica de cada uma, não concordando com algumas delas, no que está no seu direito. Duas coisas queremos notar. A primeira é que a união que almejamos não é a união orgânica, mas a união dos corações no amor cristão. Isso será um grande passo e produzirão respeito mútuo. O segundo ponto que queremos mencionar é que o irmão Salomão, como fez em artigo anterior, parece dar a entender que lealdade a Cristo é peculiaridade da denominação batista. Permita o ilustre irmão que reclamemos também para nós o requisito. União e cooperação com sacrifício da lealdade a Cristo não a desejamos. Nem a desejam os crentes sinceros de qualquer denominação.
 
         Podemos ver que quando alguém mexe na questão doutrinária os ânimos se acirram e a conversa passa a ser discussão. Não há como haver essa cooperação quando existem tantas diferenças e tantos interesses em jogo.
 
Conclusão:
         Somos humanos e por isso cometemos erros e o principal deles é o egoísmo. Cada um quer ter a hegemonia, quer ser o maior, quer controlar os demais. Não há como haver cooperação dessa forma. Na realidade nunca haverá tolerância entre as religiões, isso é impossível! Principalmente porque o cristianismo não é tolerante. Jesus nunca aceitou uma pessoa tornar-se cristã sem mudar. “Vai e não peques mais” era a orientação de Jesus. Vem como estás, mas mude a sua vida para glória de Deus, abandone os ídolos, abandone a velha vida, a velha natureza pecaminosa, santifique-se e “terás um tesouro no céu”.
         Assim também é entre as denominações. Há muitos interesses, muitos entendimentos diferentes, doutrinas divergentes, acusações de ambos os lados. Tudo isso mina qualquer tentativa de cooperação mútua e muito menos orgânica.


[1] Arthur Beriah Deter – Missionário batista Norte Americano, um dos fundadores da PIB de Curitiba.
[2] Eduardo Carlos Pereira – Intelectual, gramático, pastor da Igreja Presbiteriana Independente de São Paulo e líder principal do movimento que dividiu a IPB em 31 de julho de 1903.
[3][3] Rev. Vicente do Rego Themudo Lessa – O maior historiador da Igreja evangélica brasileiro. Em 1938 escreveu sua obra magna Anais, à partir da qual, todo historiador posterior a ele bebeu em sua fonte. Themudo Lessa foi pastor da IPI em São Luís, MA, de 1907 a 1912. 
[4] Dr. W.A. Waddel – À época era presidente do Collegio Mackenzie, depois veio a ser a Universidade Presbiteriana Mackenzie - UPM
[5] A. B. Langston (Alva Bee Langston), Tinha 31 anos de idade, em 1909, quando foi nomeado pela Junta de Richmond missionário batista, tendo vindo para o Brasil. Tornou-se Professor do Colégio Batista do Rio e também do Seminário Teológico Batista do Sul do Brasil. Foi Pastor de diversas igrejas batistas do Rio de Janeiro. Exerceu esta atividade de Pastor e também de Professor até 1936, quando tinha 58 anos de idade. Faleceu em 1965,com 87 anos.
[6] Rev. Álvaro Reis - Foi pastor da Igreja Presbiteriana do rio de Janeiro. Autor e editor da Revista das Missões Nacionais. Combateu fortemente o movimento de separação da IPB quando houve a criação da IPI. Ele foi adversário do Rev. Eduardo Carlos Pereira e contrário às suas posições sobre a maçonaria.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DICIONÁRIO "MARANHENSE" !!!

Por



Rev. João d'EçaJoão do Vale, nosso poeta popular, em uma de suas canções diz: "minha terra tem belezas que em versos não sei dizer; mesmo porque não tem graça, só se vendo pode crer..."As coisas do Maranhão são espetaculares, sua natureza é exuberante, suas cidades são magnificas e sua Capital é encantadora. Eu amo minha cidade de paixão.Há muita coisa que não gosto em São Luís, não tem nada a ver com a natureza ou com a sua história, mas tem a ver com algumas pessoas que tiram a paz de outras pessoas, sem respeitar os seus direitos, mas isso é outra história...Quero lhes apresentar algumas palavras do vocabulário popular maranhense (está bastante incompleto, mas já é alguma coisa, desafio os leitores a me escreverem e me ensinarem novas palavras desse nosso rico "dicionário popular maranhense").Recebi de um amigo, numa lista de E-mails, essa lista que lhes apresento abaixo, achei muito divertido e interessante, fiz algumas adaptações e publico aqui e agora…

"LANÇA O TEU SOBRE AS ÁGUAS" - Eclesiastes 11: 1

PorRev. João d'EçaO texto diz: "Lança o teu pãp sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás"O que será que as Escrituras Sagradas estão nos ensinando aqui?A palavra "pão" sempre foi figura daquilo que ganhamos no dia-a-dia. As pessoas nos indagam: - "Você está indo pra onde?"- Vou ganhar o pão de cada dia (trabalho).Os estudiosos do AT, nos dizem que aqui há duas figuras:1ª Figura: AS CHEIAS DO RIO NILO - Eles jogavam as sementes quando a enchente estava baixando, no final da baixa, as sementes do trigo e da cevada, floresciam.2ª Figura: O COMERCIANTE - O comerciante pegava o seu barco, carregava com os bens que havia produzido e sai para comercializar em outras terras. "Lança o teu pão sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás".No versículos 2, o escritor sagrado nos dá uma lição preciosa, ele nos diz que devemos diversificar a nossa aplicação, porque não sabemos o que ácontecerá amanhã.Como servos dos Deus vivo, o S…

QUALIDADES DE UM BOM DESPENSEIRO.

Por Rev. João d'Eça Sermão pregado na Igreja Presbiteriana Monte Moriah, São Luís, MA, dia 14/01/2007 As qualidades de um bom despenseiro. "Servi uns aos outros, cada um conforme o dom que recebeu, como bons despenseiros da multiforme graça de Deus". (I Pedro 4: 10). Introdução: O termo despenseiro tem o significado de alguém que cuida da despensa, ou seja, é o local da casa onde se guarda os alimentos e os outros mantimentos, nesse caso, despenseiro é o que toma de conta de toda a despensa, é uma espécie de Mordomo. No caso do texto básico da mensagem, despenseiro é aquele que administra os dons da multiforme graça de Deus, de maneira que pessa abençoar a si mesmo e ao seu próximo. * Muitas pessoas pensam que todas as coisas são sua propriedade. * A Bíblia nos ensina diferente, pois diz: "Do Senhor é a Terra e a sua plenitude, o mundo e os que nele habitam." ( Salmos 24:1). O profeta Ageu diz também: "O ouro e a prata são seus." * O…